Menu
sexta, 10 de julho de 2020
Andorinha - Medidas Preventivas Coronavírus
Andorinha - medidas preventivas
Geral

Gasolina pode ficar até R$ 0,22 mais cara em fevereiro

15 janeiro 2020 - 10h24Súzan Benites / Correio do Estado

O consumidor de Mato Grosso do Sul não perceberá tão cedo a redução de até 3% no preço da gasolina e do diesel, que começou a valer ontem (14) nas refinarias da Petrobras. O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência (Sinpetro) informa que o processo para a redução nos preços deve levar uma semana. No mês que vem, com a alta dos impostos, o preço da gasolina poderá ficar até R$ 0,22 mais alto nas bombas. 

Ainda que o preço caia nesta última quinzena de janeiro, no mês que vem o valor sofrerá novos reajustes, puxados pelo aumento da carga tributária:  a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) saltará de 25% para 30%, e a base de cálculo do mesmo tributo (que é feita com a média dos preços praticados nos mês anterior à sua publicação) vai aumentar. Em contrapartida, existe a expectativa que o etanol fique mais barato: o ICMS cairá de 25% para 20% no mês que vem. 

Edson Lazarotto, presidente do Simpetro, projeta um aumento de até R$ 0,22 no preço da gasolina nas bombas. “Se usarmos a mesma pauta de hoje um acréscimo em centavos de R$ 4,4425 x 25 %= R$ 1,11 (por litro abastecido), com o novo decreto a partir de fevereiro, teremos  (se manter a mesma pauta atual )  4,4425 x 30 % = R$ 1,33  por litro abastecido, ou seja aumento de  R$ 0,22 por litro nas bombas, apenas de ICMS. Lembrando sempre o valor será esse, desde que nada de anormal ocorra até o início de fevereiro”, explicou.

Ainda segundo o diretor, existe uma cadeia antes dessa redução anunciada pela Petrobras chegar aos postos de combustíveis, mas a redução pode não chegar. “Vai da refinaria para as distribuidoras, depois o processo de distribuição e depois para os postos, que é o último elo dessa cadeia. Quando há qualquer alteração sempre seremos os último a sentir seus efeitos. Por exemplo, as distribuidoras enquanto não acabarem seus estoques (que compraram com preços mais altos) e receberem os novos produtos com preços com a referida redução, não repassam para os postos. Acreditamos que esse processo deve levar em torno de uma semana para se completar o ciclo total. Lembrando ainda que logo após o ataque dos Estados Unidos contra o Irã, ocorreu um aumento na ordem 4% nos preços do barril de petróleo e esse reajuste também não foi repassado para o consumidor final”, explicou Lazarotto.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Oportunidade
IFMS abre inscrições para 120 vagas em cursos de especialização
Corumbá
Agetrat fecha para desinfecção e retoma atividades na segunda (13)
Atualização
Sobe para 12.261 mil o número de infectados em MS; 8 mil estão recuperados
Corumbá
Este fim de semana tem mutirão da dengue nos bairros Centro América e Borrowisk
Detran
Vistoria veicular será feita por empresas credenciadas a partir de agosto
Orientação
Cinco erros que se deve evitar ao investir
Pandemia
Presídios do Estado têm 27 detentos com coronavírus
Contradição
Médico do HR encabeça pedido para Capital adotar protocolo de profilaxia da Covid-19 mas hospital recusa o kit
Cidadão
Corumbá lança IPTU com vencimento em agosto e descontos de até 30%
Denúncia
Primeiro escalão da prefeitura de Ladário tem salário de Marajá

Mais Lidas

Destaque
Médico de Corumbá defende tratamento precoce com Hidroxicloroquina no combate a Covid-19
Operação militar
Exército recebe reforço de Coxim para fiscalizar fronteiras em Corumbá
Covid-19
Corumbá registra 502 casos positivos de COVID-19 nesta quinta
Policial
Homem mata e arranca dedos de dentista para sacar dinheiro no caixa eletrônico