Menu
segunda, 18 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Fumaça paralisa voos e navegação no combate a incêndios no Amolar

30 setembro 2020 - 11h10Silvio de Andrade

Esta quarta-feira (30) amanheceu com densa fumaça encobrindo toda a região do alto Pantanal de Corumbá, prometendo ser um dos dias mais quentes nesse período de seca e incêndios florestais. Às 6h a temperatura já chegava a 28 graus, com sensação térmica de 30 graus, e umidade relativa do ar em 58%. Um cenário cinza, ambiente silencioso sem as embarcações navegando. Aves circulam sem direção, em busca de abrigo, que foi destruído pelo fogo.

Os bombeiros de Mato Grosso do Sul e do Paraná se mobilizaram logo cedo, ao amanhecer, para a troca de turma que fará o monitoramento da área com maior intensidade de focos: o vale das baias Mandioré e Taquaral, onde, durante três dias, foi construída uma linha negra (contrafogo) de três quilômetros para conter o fogo que avança em direção à Serra do Amolar. Se esse fogo passasse, poderia se tornar incontrolável e atingir 70 mil hectares de reservas.

“A estratégia deu certo, o fogo chegou na linha e extinguiu-se”, informou a tenente bombeiro paranaense Luisiana Guimarães. Ela esteve à frente da difícil tarefa de controlar os focos numa região sensível ambientalmente e refúgio de pequenos e grandes animais, como a onça-pintada e o tatu-canastra (ameaçado de extinção). O difícil acesso, a partir da base montada na sede da RPPN Eliezer Batista, foi um dos desafios: são 8 km, grande parte de caminhada.

A coordenação da Operação Pantanal II definirá, em reunião na Marinha, em Ladário, as próximas etapas de prevenção e combate aos focos de calor em Corumbá. As guarnições dos bombeiros de MS e do PR que atuam na região do Amolar por mais de uma semana estão sendo desmobilizadas, reassumindo as equipes que estão chegando de Santa Catarina e do Distrito Federal. O fogo, nesse momento, avança em direção à Baía Vermelha, fronteira com a Bolívia.

Helicóptero do Ibama teve que cancelar sobrevoo devido a fumaça. Foto: Silvio de Andrade

No meio da manhã, foi descartado o combate aéreo, devido a falta de visibilidade. O helicóptero do Ibama realizaria lançamentos de água nesta manhã, mas a operação foi abortada devido a densa fumaça que ainda encobre toda a região. Mesmo nestas condições climáticas, muitos barcos-hotéis circulam pelo Amolar, até a divisa do Estado com Mato Grosso, com centenas de pescadores esportivos. Mas o rio não está para peixe...

Deixe seu Comentário

Leia Também

Reunião com prefeito
Energisa promete 'fim do apagão' em bairros de Campo Grande até quarta
Impressionante
Moto Titan com débitos de R$ 107 mil é aprendida em blitz do Detran-MS no fim de semana
Prevenção
Atendimento noturno para coleta de exame preventivo vai até 29 de outubro
Educação
IFMS prorroga novamente inscrições para ensino técnico integrado
Golpe no Centro
Casal é preso com mais de R$ 2 mil em notas falsificadas
Confronto
Dois dos presos em briga na parte alta estavam feridos por pedradas e garrafadas
Prisão
Homem é preso após invadir e roubar escola no centro
Serviço
Veículos com placa final 0 tem até dia 31 para quitar licenciamento
Crime
Motorista de aplicativo é sequestrada e tem carro roubado; dois dos assaltantes foram presos
Capital e Chapadão do Sul
SAD divulga abertura de Processo Seletivo da Agepan

Mais Lidas

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá