Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

Forte Coimbra passará por reforma de R$ 385 mil

09 julho 2020 - 11h08Redação

O Forte Coimbra, localizado no pantanal de Corumbá, de importância ímpar para a constituição do território nacional e defesa das fronteiras brasileiras, receberá projetos de intervenção. Trata-se de uma iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Mato Grosso do Sul (Iphan-MS), que licitou e contratou empresa especializada  para acompanhamento da execução. O investimento do Instituto destinado à elaboração desse trabalho chega a aproximadamente R$ 385 mil.

Os projetos arquitetônico, de intervenção e complementares são destinados a ações preventivas visando manter o bom funcionamento e cuidados com o bem cultural administrado pelo Exército Brasileiro, que participa das discussões desse trabalho técnico. Também está previsto uma melhor readequação dos espaços internos e do uso do Forte para visitações, assim como trabalhos na rede de reservatórios de água e nas instalações elétricas. Com previsão de que todo o projeto seja entregue em dez meses, a intenção do Iphan-MS é fornecer os elementos necessários para a realização de futuras obras no Forte.

Esse bem cultural, cenário de diversas batalhas entre portugueses e espanhóis, possui ainda grande valor paisagístico, destacado pela relação entre a construção e a paisagem pantaneira. Toda sua peculiaridade fez com que esta edificação militar do final do século XVIII integrasse o conjunto de fortes brasileiros candidatos a Patrimônio Mundial. Contudo, o reconhecimento nacional veio ainda em 1974, quando foi o primeiro forte a ser tombado pelo Iphan no território do Mato Grosso do Sul. Todos os anos, em 16 de julho, acontece a tradicional festa da Nossa Senhora do Carmo, padroeira da edificação, integrando história e devoção em um só lugar. Porém este ano, a celebração foi cancelada como medida de contenção à pandemia.

Intervenções devem durar 10 meses. Foto: Divulgação Iphan-MS

Candidatura a Patrimônio Mundial

No ano de 2016, o Iphan apresentou à Unesco a candidatura do Conjunto de Fortificações do Brasil a título de Patrimônio Mundial. São 19 edificações, fortes e fortificações construídas entre os séculos XVI e XIX. Localizadas em todas as regiões do país, testemunharam o histórico esforço para a ocupação, defesa e integração do território nacional. Dentre eles está o Forte de Coimbra.

Implantadas pelos europeus no Brasil, as fortificações tiveram suas origens em um processo de ocupação do território de modo particular, diferenciado das outras potências coloniais. Baseava-se em um esforço descentralizado, oriundo de ações dos próprios moradores das diferentes capitanias que formariam o Brasil, sem uma maior intervenção da metrópole. Isso resultou na construção de centenas de fortificações, espalhadas por todo o território nacional, edificadas para atender mais a interesses locais que os da metrópole. O conjunto representa as construções defensivas implantadas no território nacional, nos pontos que serviram para definir as fronteiras marítimas e fluviais do país.

O Forte de Coimbra

O Forte de Coimbra foi o primeiro a ser erguido a partir de uma ordem da Coroa Portuguesa para a construção de fortificações militares em alguns pontos do rio Paraguai, a partir de 1775. Durante a Guerra do Paraguai (1864 a 1870), teve papel importante nas batalhas travadas, sendo fundamental para a consolidação da fronteira oeste do Brasil. 

O Forte pertence ao Exército Brasileiro e é mantido pela 3ª Companhia de Fronteira, unidade militar da 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira/Comando Militar do Oeste. Trata-se de um representante da arquitetura militar portuguesa do século XVIII nos sertões ocidentais brasileiros. Além disso, é um testemunho da ocupação do território nacional no período de guerras e indefinições.

Sucessivamente atacado por guaicurus no final do século XVIII, por espanhóis em 1801 e por paraguaios em 1864, o Forte de Coimbra passou por diversas recomposições e adaptações, até uma última reforma pelo Exército em 1908. Hoje, em terras oficialmente brasileiras e mantido pelos militares, suas muralhas são um testemunho daquele período da história. O Forte tem como atrações a visita à parte alta da construção, de onde se observa o rio Paraguai ao lado de antigos canhões, além do passeio à vila de moradores e à gruta Buraco do Suturno.

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Crescimento
MS tem 37,9 mil trabalhadores formais a mais que antes da pandemia
Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Meio Ambiente
Sanesul é cobrada para eliminar descarte de lodo na região do Porto Geral
Benefício
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário
Infraestrutura
Recuperação de galeria no bairro cervejaria é urgente
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em queda acidental
Inédito
Bonito recebe primeiro voo em conexão direta com Congonhas nesta quinta-feira (02)
Habitação
Decreto regulamenta projeto Lote Urbanizado e cria novas regras e prazos
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos
Jovens Empreendedores
Alunos de Escolas Municipais de Porto Murtinho expõem produtos desenvolvidos em sala

Mais Lidas

Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Homenagem
Rodovia MS 228, em Corumbá, recebe o nome do pecuarista Dalci Vicente Sebben
Governo
Autorizados concursos públicos para Iagro e Sedhast com 180 vagas
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos