Menu
terça, 02 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Firmada parceria entre IHP e AgroTools para salvar as cabeceiras do Pantanal

06 junho 2016 - 12h15Redação
O Instituto Homem Pantaneiro (IHP) lançou neste sábado, 4 de junho, o projeto Cabeceiras do Pantanal, que vai monitorar as bacias de rios da região, assegurando assim a preservação das nascentes e de animais ameaçados de extinção, como a onça-pintada, por exemplo.  A iniciativa ganha escala graças a uma série de soluções tecnológicas desenvolvidas pela AgroTools, maior empresa de big data do país e líder mundial no processo de geomonitoramento de de riscos de ativos biológicos. “A soma de esforços entre os nossos parceiros, assegurará o crescimento contínuo do agronegócio, sem que se abra mão da lucratividade e, ao mesmo tempo, da biodiversidade. Isso é fundamental, afinal, 70% dos alimentos que consumimos dependem da biodiversidade, para a qual, muitas vezes, o ser humano dá as costas, desprezando-a e tratando-a de forma inadequada, sem pensar no futuro. O papel da AgroTools é fundamental neste processo’, esclarece Angelo Paccelli Cipriano Rabelo, presidente do IHP. Além da parceria com a AgroTools, Rabelo anunciou também, com a Rede Amolar, a Fundação Neotrópica, ampliando assim a área de monitoramento para outras bacias como as dos rios Bonito, da Prata, Formoso, Perdido e Aquidabã; e com a Fundação Ecotrópica, para a nascente do rio Paraguai. Essas entidades funcionarão como Guardiães de outras tantas sub bacias, informou. A disponibilização da Plataforma GeoPantanal e do aplicativo GeoBrother tornaram-se possíveis através do convênio técnico-científico, firmado em 2012, entre o IHP e a AgroTools.  Por meio da tecnologia geoweb proprietária da AgroTools, o projeto que iniciou no norte da Bacia do Alto Paraguai, em 2013, e em seguida, ampliou-se o seu alcance para toda a bacia, integrando os dados levantados pelo IHP e atuando, ainda, como ferramenta do programa de monitoramento da Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar - RPCSA. De 2015 para cá, essa plataforma passou a armazenar os dados no Projeto Cabeceiras, cujo objetivo principal é preservar as nascentes dos rios do Pantanal, por meio da coleta de informações territoriais que permitam a ação nos pontos mais críticos de cada uma delas. “Trata-se de uma nobre iniciativa comandada pelo Cel. Rabelo, da qual temos a enorme satisfação de fazer parte, O papel da AgroTools mostra-se muito relevante, ao apoiar as estratégias de Gestão Territorial e prover um inovador pacote tecnológico que visa dar escala ao projeto, agregando transparência às ações com o portal GeoPantanal e mais força aos guardiões do Pantanal com o aplicativo GeoBrother", destaca Breno Felix, diretor de Operações e Inovação da AgroTools. Um dos grandes desafios será monitorar uma área tão grande como a do Pantanal, garantindo sua recuperação. Por isso, turistas, produtores, prestadores de serviços, e outros que estejam no local da iniciativa poderão colaborar compartilhando informações sobre áreas degradadas ou já em recuperação, dados do ecossistema, etc. Todas essas informações são migradas e centralizadas na plataforma GeoBrother Pantanal, possibilitando um diagnóstico cada vez melhor para orientar as políticas ambientais e os trabalhos dos vários setores envolvidos na proteção e conservação do ecossistema.  Geotecnologia a serviço da biodiversidade Idealizado pelo IHP/Rede do Amolar, o projeto Cabeceiras do Pantanal tem como objetivo realizar o levantamento da situação das nascentes do Pantanal. Com auxílio da geotecnologia e viagens a campo, o projeto identificou uma grave situação que demanda a ação dos vários setores da sociedade, em níveis nacional e internacional. Por meio dos dados coletados, o Cabeceiras do Pantanal ajuda a apoiar na tomada de decisões sustentáveis dos diferentes atores e na formulação de políticas ambientais para a região. Um dos principais instrumentos do projeto Cabeceiras do Pantanal, a Plataforma GeoPantanal (geopantanal.agrotools.com.br), é uma ferramenta web que visa a organização, a visibilidade e o compartilhamento de dados sobre a Bacia do Alto Paraguai (BAP), o Pantanal e a Serra do Amolar. A Plataforma é fruto do trabalho conjunto entre a empresa de geomonitoramento e gestão de riscos socioambientais, Agrotools, e a organização não-governamental Instituto Homem Pantaneiro/Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar (IHP/RPCSA). Informações sobre a conservação e recuperação dos recursos naturais da região são espacializadas na plataforma Geopantanal com o objetivo de auxiliar na manutenção e preservação do bioma Pantanal. A plataforma é geocolaborativa, pois reunirá informações de diferentes modos e estará disponível para pesquisadores, gestores, técnicos ambientais e todos os interessados na preservação da região. O lançamento do GeoBrother Pantanal é mais um resultado da parceria entre IHP/RPCSA e a Agrotools. Trata-se de um aplicativo que será distribuído às lideranças ou organizações ambientais previamente cadastradas, denominados Guardiães, a quem caberá registrar com fotografias as nascentes de sua área de atuação. Essas imagens serão inseridas na Plataforma GeoPantanal, ajudando a ampliar as informações existentes e facilitando no monitoramento ambiental. “Queremos possibilitar o alcance das nossas soluções tecnológicas àqueles que, como nós, entendem que, sem a preservação do planeta, não teremos as condições adequadas para assegurar a manutenção das espécies, assim como das nascentes, dos diferentes biomas que integram o nosso país, e, claro, da vida na Terra’, diz Felix. A Plataforma GeoPantanal e o GeoBrother Pantanal ilustram uma das principais estratégias do projeto Cabeceiras do Pantanal: mobilizar organizações dos vários setores para um trabalho conjunto em prol das nascentes dos rios.  Além da AgroTools, já formalizaram o apoio ao projeto a Rede Mato-grossense de Rádio e Televisão, UFMS/CPAN, Ibama, dentre outros. Ranking da degradação das sub bacias do Alto Paraguai aponta situação crítica do Rio Sepotuba Um ranking sobre o grau de degradação das sub bacias do Alto Paraguai é um dos primeiros resultados concretos do projeto Cabeceiras do Pantanal (Figura). As dez sub bacias que formam a Bacia do Alto Paraguai – região onde se insere o Pantanal – foram analisadas pelos pesquisadores. A sub bacia do rio Sepotuba é a que se encontra em situação mais crítica e, em melhor estado de proteção, está a do rio Correntes. Para avaliar a situação das sub bacias foram usados os seguintes indicadores: número de nascentes, extensão dos rios, número de habitantes, de propriedades e de áreas antrópicas, existência de áreas indígenas e trabalho análogo ao de escravo, registros de áreas embargadas, áreas de preservação permanente, unidades de conservação e áreas prioritárias para a conservação. Também foram verificadas áreas desmatadas e a existência de queimadas. Cada um desses itens corresponde a uma determinada pontuação que estabelece o grau de degradação. Para cálculo final, as áreas com maior número de nascentes tiveram prioridade no quesito conservação.   bacias paraguai

Deixe seu Comentário

Leia Também

COMBATE A PANDEMIA
Vereadores buscam emendas parlamentares para aquisição de vacinas contra a Covid-19
ADMINISTRAÇÃO
Projeto de Lei prevê criação de Subprefeituras no Município de Corumbá
BOLETIM COVID
Covid-19: MS tem mais de 183 mil casos confirmados e 3,3 mil mortes
DESENVOLVIMENTO
Cinco mil pessoas que vivem em áreas remotas do Pantanal terão energia elétrica
SEM MÉDICO PERITO
INSS de Corumbá não realiza perícia médica e complica vida de trabalhadores
POLICIAL
Após briga mulheres são presas no bairro Aeroporto
POLICIAL
PM prende irmãs após briga no Popular Nova
DESAPARECIDO
Trabalhador de fazenda na Região do Paiaguás está desaparecido
ECONOMIA
Preços de produtos industrializados sobem 3,36% em janeiro
HABITAÇÃO
Durante sessão, vereador pede à Prefeitura, regularização fundiária no Jatobazinho

Mais Lidas

POLICIAL
Mulher é espancada em Ladário e marido é preso
APÓS DISCUSSÃO
Mulher é empurrada pelo companheiro no viaduto da Treze e fica ferida
POLICIAL
Motorista embriagado bate carro e desacata policiais no Centro
POLICIAL
Jovem com mandado de prisão é preso após violência doméstica