Menu
domingo, 07 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Fauna silvestre do Pantanal é monitorada por GPS

10 setembro 2016 - 08h43Notícias MS

Walfrido Moraes Tomas, pesquisador da Embrapa Pantanal, coordena o projeto “Desenvolvimento de sistema nacional de monitoramento fauna silvestre com colares GPS para estudos ecológicos e de mitigação de impactos de projetos hidroelétricos” em parceira com a Companhia Elétrica de São Paulo (Cesp) e a Fundect. A pesquisa busca o desenvolvimento e aperfeiçoamento de equipamentos de telemetria de animais silvestres com tecnologia de GPS, ainda não produzidos no Brasil.

O projeto irá desenvolver um equipamento nacional de monitoramento baseado em tecnologia GPS, incluindo sistema de posicionamento, recepção, envio e armazenamento de dados, além de software específico para tratamento de dados. Serão produzidas unidades suficientes para testes de campo em estudos sobre cervos-do-pantanal (Blastocerusdichotomus), queixadas (Tayassu pecari), jacarés (Caiman latirostris), veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus) e veado-mateiro (Mazama americana).

A coleta de dados é feita periodicamente, a cada dois ou três meses, visando fazer o download dos dados coletados pelos colares. Os dados são referentes à posição do animal  (coordenadas geográficas, horário, data, etc.), os quais são obtidos m vários intervalos de tempo. “Em queixadas, por exemplo, estamos programando os colares para um registro de posição dos animais a cada meia hora. Nos primeiros três meses de teste de uma das queixadas, por exemplo, foram obtidas 4 mil localizações, o que permite detalhar muito os locais escolhidos pelos animais na paisagem, bem como aqueles evitados, entre outras inferências acerca da ecologia da espécie em questão”, explica o pesquisador.

Exemplos dos dados obtidos em um mapa de localização em três queixadas monitoradas. Os pontos em azul correspondem a três meses do indivíduo 12, e os pontos em amarelo e vermelho correspondem a 30 dias de localização dos indivíduos 11 e 13. Foto: Divulgação

O projeto está na fase de implantação de colares nos animais, no campo, e monitoramento das atividades e da performance dos equipamentos. “Além do desenvolvimento tecnológico dos equipamentos, as atividades do projeto incluem a captura de animais utilizando diferentes técnicas, sua contenção química (com drogas anestésicas) ou física, e implantação dos colares-gps, e o monitoramento dos animais visando a coleta de dados de localização”, afirma Tomas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
CULTURA
Eleitos os representantes não governamentais para o Conselho de Cultura do município
SEGURANÇA PÚBLICA
Em MS, Senad defende proposta de agilizar leilões de bens do crime organizado
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021 prossegue com mais quatro partidas neste fim de semana
SAÚDE
Redução de testa: Dermatologista de MS explica sobre melhores formas de tratamento
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos
SAÚDE
Endometriose pode afetar 10% das mulheres brasileiras

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos