Menu
sábado, 24 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Exportações de industrializados de MS crescem 45%

15 junho 2018 - 08h17Kamilla Marques

A receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul apresenta crescimento de 45% em maio deste ano com relação ao mesmo período do ano passado e resultado é o melhor para o mês nos últimos quatro anos, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Em maio deste ano, o setor industrial alcançou o montante de US$ 315,1 milhões contra US$ 217,3 milhões registrado no mesmo mês do ano passado, enquanto no acumulado do ano, ou seja, de janeiro a maio de 2018, a receita total atingiu US$ 1,44 bilhão, indicando aumento de 25% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o valor ficou em US$ 1,14 bilhão.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 52% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano a participação ficou em 62%. “De janeiro a maio, os principais destaques ficaram por conta dos grupos Celulose e Papel, Complexo Frigorífico, Extrativo Mineral, Óleos Vegetais, Açúcar e Etanol e Couros e Peles, que, somados, representaram 98,3% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior”, informou.

Principais grupos

No caso do grupo “Celulose e Papel”, a receita no período avaliado foi de US$ 753,3 milhões, crescimento de 83% comparado com a somatória de janeiro a maio de 2017, dos quais 97,5% foram obtidos apenas com a venda da celulose (US$ 734,2 milhões), tendo como principais compradores China, com US$ 415,2 milhões, Itália, com US$ 82,7 milhões, Holanda, com US$ 58,3 milhões, Estados Unidos, com US$ 42,9 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 23,6 milhões. “Produção segue em expansão, registrando recordes consecutivos nos últimos anos. Tal resultado é derivado da demanda externa aquecida, principalmente na China e na Europa. Cenário continua positivo para 2018, com preços em elevado patamar e produção em crescimento”, destacou Ezequiel Resende.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida na soma de janeiro a maio deste ano foi de US$ 372,3 milhões, estável em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 34,2% do total alcançado são oriundos das carnes bovinas desossadas congeladas, que totalizaram US$ 127,4 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 80,7 milhões, Chile, com US$ 52,4 milhões, Arábia Saudita, com US$ 28,5 milhões, China, com US$ 25,9 milhões, e Irã, com US$ 24 milhões. “Em maio, o Brasil deixou de gerar US$ 240 milhões em receita com exportação de carne bovina, o que se somou as perdas bilionárias para toda a cadeia produtiva da pecuária de corte nacional por conta da paralisação dos caminhoneiros”, ressaltou o economista.

Outros grupos

O grupo “Extrativo Mineral” aparece em terceiro com melhor desempenho, tendo uma receita de US$ 107,9 milhões no período analisado, aumento de 49% comparado com a somatória de janeiro a maio do ano passado, sendo que 79,1% desse montante foi alcançado pelos minérios de ferro e seus concentrados, que somaram US$ 64,9 milhões, tendo como principais compradores Argentina, com US$ 56,4 milhões, e Uruguai, com US$ 48 milhões. “Investimentos em minério de ferro vinham desacelerando nos últimos anos, refletindo a sobre oferta global e consequentemente, preços menos atrativos. Mesmo assim, a produção global será crescente com a entrada de projetos na Austrália e aceleração da produção no Brasil. Preços de minério de ferro neste ano devem ficar em torno de US$ 65 a tonelada. O preço, portanto, ficará abaixo da média registrada em 2017, de forma a equilibrar aceleração da demanda mundial e a expansão da produção”, detalhou Ezequiel Resende.

Para o grupo “Óleos Vegetais”, apresenta receita de US$ 82,5 milhões nos cinco primeiros meses deste ano, um crescimento de 109% na comparação com o mesmo período do ano passado, com destaque para farinhas e pellets, que somaram US$ 58,8 milhões, tendo como principais compradores Tailândia, com US$ 38,1 milhões, Indonésia, como US$ 17,4 milhões, Vietnã, com US$ 11,2 milhões, Holanda, com US$ 7,3 milhões, e Espanha, com US$ 3,5 milhões. “Em maio, mesmo com a paralisação dos caminhoneiros, o Brasil embarcou 12,35 milhões de toneladas de soja em grão ao exterior, segundo dados da Secex, volume 20,4% e 12,7% superior ao de abril e a maio de 2017, respectivamente”, pontuou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Bombeiros
Incêndio urbano atinge vegetação em morraria com difícil acesso
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19
Decisão Popular
Servidores optaram por receber o 13° salário de forma integral em dezembro
Previsão
Sancionada LDO que prevê receita de R$ 18,47 bilhões para MS em 2022
Esperança
Taxa de contágio da Covid se mantém abaixo de 0,90 há uma semana em MS
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Tempo
Final de semana continua com alerta para tempo seco em Mato Grosso do Sul
Facilidade
Saúde credencia laboratório e exames podem ser agendados na própria unidade de saúde

Mais Lidas

Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19