Menu
sábado, 15 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Existem mais de 47 mil crianças e adoldescentes em instituições de acolhimento no Brasil

25 maio 2017 - 08h58TJ-MS

Foi em 1996, durante o Encontro Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção (Enapa), que se decidiu comemorar no dia 25 de maio o Dia Nacional da Adoção. Porém, somente seis anos depois, com a edição da Lei nº 10.447, de 9 de maio de 2002, o dia ficou oficialmente instituído.
 
De lá pra cá, muitas vitórias na área de adoção podem ser contabilizadas, contudo não se pode afirmar ainda que a adoção deixou de ser vista com preconceitos. Prova disso são os números do Cadastro Nacional de Adoção: no Brasil existem atualmente mais de 47 mil crianças e adolescentes em instituições de acolhimento e destas somente sete mil e quinhentas estão disponíveis para adoção, enquanto os pretendentes ultrapassam os 37 mil.
 
“A conta não fecha, mas esperamos que um dia seja possível fazer mais. Enquanto isso, temos que olhar o que já foi conquistado e trabalhar para melhorar esses números. É um trabalho de formiguinha. É preciso coragem porque as crianças não podem ficar reféns da biologia. É preciso investir no preparo dos pretendentes”, disse a psicóloga e presidente da Associação Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD), Suzana Sofia Moeller Schettini, que esteve em Dourados há alguns dias para proferir a palestra “Nunca é Tarde para Ser Filho”.
 
A juíza Katy Braun do Prado, que responde pela Coordenadoria da Infância e da Juventude de MS (CIJ) e é titular da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso de Campo Grande (VIJI), explica que, antigamente, 99% dos interessados em aumentar a família preferia criança recém-nascida, menina e sem grupo de irmãos. Hoje, com o auxílio dos Grupos de Apoio à Adoção e o trabalho de profissionais da área da infância, ao lado de juízes corajosos, essa realidade começa a mudar. 
 
De acordo com Suzana Schettini, a adoção também é gestada, é preciso uma atitude adotiva, pois o ser humano é um ser de vínculos. Katy Braun concorda e defende que os pretendentes que têm sucesso na adoção são aqueles que tomaram a decisão e buscam preparação para receber um filho. 
 
“Assim como uma gestante participa do pré-natal, os pretendentes à adoção se preocupam em estar física e emocionalmente saudáveis para a chegada do filho desejado e esperado, adotando novas posturas e buscando conhecimentos para bem exercerem o poder parental”, explica.
 
A coordenadora da CIJ lembra que todas as comarcas de Mato Grosso do Sul devem oferecer o curso de preparação à adoção e aquelas que não tem estrutura ou demanda significativa para organizar o programa, podem participar do curso à distância juntamente com os pretendentes de Campo Grande, graças à tecnologia disponibilizada pelo Tribunal de Justiça.
 
Questionada sobre os grupos de apoio à adoção, se estes realmente ajudam a mudar essa realidade, a juíza garante que, se houver uma análise dos últimos 25 anos no panorama da adoção, será possível constatar que houve uma grande mudança na visão da sociedade em relação à família adotiva. 
 
“Os grupos de apoio à adoção contribuíram muito e ainda contribuem para o fortalecimento da cultura da adoção, sensibilizando para a mudança do perfil da criança desejada, mostrando a realidade das crianças disponíveis para a adoção, fazendo busca ativa para crianças e adolescentes que não encontraram pretendentes no cadastro nacional, auxiliando na preparação dos pretendentes e dando apoio contínuo às famílias que adotaram. Exemplo da atuação deles é que todos os municípios de MS que contam com grupos de apoio à adoção estão promovendo eventos nessa semana da adoção”, acrescenta.
 
Sobre a possibilidade de se mudar a postura ou a escolha dos pretendentes à adoção, já que a maioria prefere criança recém-nascida, Katy Braun garante que não se pode interferir na escolha do pretendente, pois o processo que leva alguém a definir o perfil do filho desejado é muito particular e, como a adoção é para sempre, é necessário ser muito cuidadoso. 
 
“A nós cabe informar, descortinar a realidade das crianças disponíveis para adoção e buscar dentro do universo das pessoas que se habilitam para adoção as que aceitam as crianças e os adolescentes com suas histórias de vida e os queiram como filhos. Essas pessoas existem, precisamos encontrá-las e fazemos isso divulgando as adoções exitosas e a satisfação naqueles que se abriram sem restrições à adoção”.
 
Apesar de todo trabalho realizado até agora, infelizmente ainda há muito a se fazer para tornar a adoção mais popular e permitir que inúmeros adolescentes e crianças tenham uma família. O que pensa a juíza a respeito, depois de atuar tantos anos na área da infância?
 
“Para permitir que crianças e adolescentes cresçam em família precisamos primeiramente evitar a separação de pais e filhos biológicos. Há fatores de risco como falta de moradia, abuso de álcool, uso de drogas, violência, pais com doença mental não tratadas, que precisam ser enfrentados visando a prevenção do abandono e maus tratos de crianças e adolescentes. Não há do Poder Judiciário nenhum prazer em retirar uma criança de sua família natural, pois nosso maior interesse é garantir o direito à convivência familiar”.
 
Quanto às crianças e adolescentes definitivamente afastados da família natural e extensa, Katy Braun ressalta que é preciso desmitificar que adoção é uma filiação secundária. “Trabalhamos para que pessoas sejam tocadas, afetadas, descobertas para que brotem como famílias disponíveis para adoção. Estamos à procura de bons pais para nossas crianças e adolescentes. Como fala a nossa campanha, juntos podemos mudar a realidade das crianças acolhidas. É um trabalho conjunto, onde cada um tem sua responsabilidade pelo destino dessas crianças e adolescentes”.
 
O que dizer então para pessoas resistentes à adoção? “Eu as convidaria a conhecer mais sobre a adoção, integrar os programas de apadrinhamento para saber quem são as crianças e adolescentes acolhidos. Oriento também a observar a convivência de famílias com filhos por adoção e participar do curso de preparação à adoção, aberto a toda a comunidade. Há filmes e séries de TV que tratam do tema e levam a reflexão. Tudo isso permitirá o afastamento dos pré-conceitos e, quem sabe, tornará a pessoa um amigo da adoção, um propagador dessa boa ideia”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Jovem de 19 anos morre após subir em capô de carro e namorado bater em poste na Capital
GERAL
Começa a valer hoje nova política de privacidade do Whatsapp
GERAL
Detran-MS continua mutirão de renovação de CNH com EAR neste sábado
GERAL
Cuidados com a pele devem ser redobrados como inverno
ESPORTE
Final do Cariocão 2021 começa neste sábado com o clássico Fla x Flu
SAÚDE
Saúde reforça a importância dos cuidados de biossegurança
GERAL
Sorteio da Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 33 milhões
GERAL
Pesquisadores alertam para riscos de crianças expostas a telas
CORONAVÍRUS
Alerta Covid: Casos confirmados e internações continuam crescendo
CULTURA
Semana Nacional de Museus terá lançamento de livros sobre Patrimônio de Corumbá

Mais Lidas

POLICIAL
Polícia Federal apreende 280 Kg cocaína na parte alta de Corumbá
VACINAÇÃO
Poliesportivo está aberto para repescagem e aplicação de segunda dose da vacina da Covid-19
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Bombeiros socorrem vítimas de colisão de carros no Centro
OPORTUNIDADE
IEL tem 91 vagas de estágio para Campo Grande, Camapuã e Corumbá