Menu
segunda, 26 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Ex-deputado, irmão do prefeito da Capital acusa presidente da Santa Casa de agir por “amarras do passado”

08 abril 2017 - 08h53Sylma Lima

A crise na saúde de Campo Grande parece que não tem fim. Nesta sexta-feira (07) servidores resolverem protestar em frente da Secretaria  e ainda pediram a saída do Secretário  Marcelo Vilela.

Agora “para por mais lenha na fogueira”  o ex-deputado federal Fabio Trad que é irmão do atual prefeito Marcos Trad, resolveu polemizar e postou na rede social Facebook que o presidente da Santa Casa Esacheu Nascimento age por vingança contra o prefeito Trad.

Diz Fábio Trad em postagem do dia 05 de abril:

“Bom dia pessoal! Não é institucional o conflito entre Santa Casa e Prefeitura. A verdade é que o Esacheu ainda não conseguiu superar algumas rusgas políticas que teve com o grupo político que estava filiado ao PMDB. Todo coração ressentido carrega nódoas de energia negativa. Enquanto ele não se libertar das amarras do passado, a Santa Casa será usada como pretexto para o exercício de uma vingança pessoal. No fundo, no fundo, é isso!”

Para Fábio Trad, toda esta discussão acerca de valores que a Prefeitura é obrigada a repassar para a Santa Casa, não passa de ressentimento do presidente da Santa Casa Esacheu, por conta de desavenças partidárias.

REPASSES

Os serviços de saúde na Capital são alvos de reclamações da população e transformou-se recentemente num verdadeiro caos, inclusive agora se agravaram com prefeito Marcos Trad colocando a culpa nos médicos e perseguição nos plantões.

Falta de medicamentos e até falta papel para impressão dos exames são comuns na rede pública municipal. Mais o pior é a falta de médicos e principalmente pediatras, e o prefeito Marcos Trad resolveu abrir guerra contra os médicos a o Hospital Santa Casa, o maior do Estado.

Vereadores da Capital já analisam a instauração de um CPI  (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre o caos na saúde de Campo Grande.

Outra questão que sempre está em discussão são os valores de repasses do governo Estadual e federal para o município, bem como os valores de repasses do município para o hospital particular ( filantrópico) da Santa Casa por meio de convênios.

A Santa Casa ( Associação Beneficente de Campo Grande) que é o maior Hospital do Estado, e recebe pacientes de toda região e atende pacientes do SUS ( Sistema Único de Saúde) através de convênios com Prefeitura e Estado e União. A Santa Casa também atende na rede particular com vários convênios.

Enquanto o Prefeito Marcos Trad se recusa a aumentar os repasses dos convênios para a Santa Casa, o diretor-presidente da Santa Casa Esacheu Nascimento diz que há defasagem e atrasos constantes nos repasses da prefeitura, e que o hospital vive no vermelho, sem condições de atender a enorme demanda.

Esacheu foi à Câmara de Vereadores e explicou como funcionam os serviços no hospital; disse que há um déficit de R$ 43 milhões de reais e pediu abertura de CPI.

Campo Grande não tem Hospital Municipal e fica dependendo da Santa Casa, já que as Unidades de atendimentos, UPAS e Postos de Saúde, UBS, não são suficientes.

No site da Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul  (http://www.saude.ms.gov.br/) é possível verificar uma planilha com os valores dos repasses do governo do Estado para Campo Grande, num total de mais de 13 milhões de reais somente em janeiro/fevereiro e março de 2017.

O valor total de repasses de R$ 12.069.454.55 de recursos próprios do Estado, e mais R$ 1.699.126.63 de recursos sob a gestão estadual, totalizando R$ 13.768.581,18.

Na planilha disponível no site da Secretaria Estadual de Saúde estão discriminados todos os valores nas várias áreas da saúde e suas fontes, com os nomes das necessidades médicas, como de média e baixa complexidade, assistência farmacêutica, atenção básica, saúde familiar, para agente de saúde, atenção psicossocial, sistema penitenciário, média e alta complexidade, hospital do câncer, hospital são julião, MP, ambulatórios, dentre outros.

O município recebe também recursos diretamente do governo federal. No site do Fundo Nacional de Saúde apresenta planilha de repasses do Governo Federal para Campo Grande, sendo R$ 11.951.382,45, média e Alta Complexidade R$ 87.155.965,91, Assistência Farmacêutico R$ 4.697,147,49, Vigilância em Saúde R$ 3.145.833,43 e Investimentos R$ 499.9080,00, totalizando R$ mais de cem milhões de reais em repasses só nos três primeiros meses de 2017. ( Total: R$ 102.262.879,08). Veja abaixo: http://aplicacao.saude.gov.br/portaltransparencia/index.jsf

Detalhes de todos os valores dos repasses do Estado para Campo Grande podem ser consultados no site abaixo:

 http://www.saude.ms.gov.br/municipios/

No site da Santa Casa também são apresentados valores de convênios e contratos com o Poder Público ( Estado, Municípios e União):

http://santacasacg.org.br/canal/convenios-poder-publico

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo