Menu
sexta, 24 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Estudo sobre metas podem estabilizar a temperatura global

10 dezembro 2020 - 09h56Mariana Conte

Se o mundo reduzir as emissões de acordo com as metas do Acordo de Paris, haverá uma mitigação significativa no aquecimento global dentro de cerca de 20 anos. Esta é uma boa notícia - até agora, pensava-se que não veríamos este benefício até muito depois de 2050. A nova informação consta de um estudo aceito para publicação em outubro e divulgado (sem embargo) dia 7/12 pela Nature Climate Change.

 

Pesquisas anteriores sempre sugeriram que a redução das emissões significaria que a desaceleração das temperaturas só começaria a ser sentida na segunda metade do século. Ao utilizar uma nova abordagem que combina grandes quantidades de dados de diferentes fontes, um estudo da Universidade de Leeds conseguiu desembaraçar o aquecimento induzido pelo homem da variabilidade natural em escalas de tempo.O artigo divulgado destaca que uma ação imediata sobre a mudança climática pode trazer benefícios dentro de nossa vida útil, e não apenas décadas ou séculos no futuro.

 

O estudo é liderado por Christine McKenna, pesquisadora do projeto CONSTRAIN, financiado pela União Europeia, e pós-doutoranda da Universidade de Leeds, no Reino Unido. "Nossos resultados mostram que não apenas as gerações futuras sentirão os benefícios de cortes rápidos e profundos nas emissões", afirma. Para ela, tomar medidas agora permitirá, ao mesmo tempo, evitar que o aquecimento global se acelere nas próximas décadas e cumprir o objetivo de limitar o aquecimento a longo prazo.

 

"Estas descobertas são mais uma motivação para que tanto governos quanto atores não estatais estabeleçam metas rigorosas de mitigação de gases de efeito estufa, combinando uma recuperação verde dos impactos econômicos do coronavírus com o alcance de emissões líquidas zero o mais rápido possível", defende McKenna.

 

A pesquisa utilizou milhares de simulações de diferentes modelos climáticos junto com múltiplas estimativas da variabilidade climática natural observada para investigar como vários níveis de cortes de emissões poderiam afetar a velocidade do aquecimento global durante as próximas duas décadas. A conclusão dos pesquisadores foi possível porque eles tiveram acesso a dados mais recentes e ampliaram um pouco sua linha do tempo futuro - de 15 anos (que é o que os trabalhos anteriores já observaram), para 20 anos. Com isso, descobriram que os benefícios começam a fazer efeito logo no final desta linha de tempo de 20 anos.

 

Os resultados mostram que a redução das emissões em conformidade com o Acordo de Paris, e em particular com seu objetivo de prosseguir os esforços para estabilizar o aquecimento global em 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, tem um efeito substancial nas taxas de aquecimento nos próximos 20 anos, mesmo depois que a variabilidade natural é levada em conta.

 

De fato, o risco de experimentar taxas de aquecimento mais fortes do que qualquer outra coisa vista anteriormente seria 13 vezes menor com cortes rápidos e profundos nas emissões, em comparação com um futuro "médio" que continua a depender fortemente dos combustíveis fósseis. Já em um cenário futuro com uso intensivo de combustíveis fósseis poderá ter temperaturas subindo até 1-1,5°C nos próximos 20 anos - o que significa que os limites de temperatura do Acordo de Paris seriam ultrapassados muito antes de 2050.

 

 

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Flagrante
Dupla é presa por tráfico de drogas na área central de Corumbá
Capital
Presos usam celulares até em banho de sol na Máxima
Economia
Governo sanciona lei que permite retomada da loteria de Mato Grosso do Sul
Política
Em Campo Grande, vereador Luciano Costa confirma investimentos do governo em Corumbá
Prevenção
Dia D de vacinação antirrábica em Corumbá é neste sábado (25)
Campanha
IHP recebe doação de água potável para Bombeiros e Brigadistas que atuam no Pantanal
Economia
Sancionada lei que reduz ICMS da energia elétrica durante bandeira vermelha
Sujeito à Acidentes
Deputado pede ampliação dos trevos para evitar acidentes na BR 262
Estava Foragida
Boliviana investigada por desastre da Chapecoense é mantida em Corumbá até extradição
Tempo
Final de semana reserva pancadas de chuva, mas calor não vai dar trégua

Mais Lidas

Óbito
Irmãos são esfaqueados e o mais velho morre no caminho do hospital
Sob Investigação
Suspeita de irregularidade no pagamento da reforma do Hospital
Cidade
Árvore de grande porte cai sobre casa na avenida Rio Branco
Violência Doméstica
Homem é preso após enforcar a ex no bairro Guaicurus