Menu
sábado, 08 de agosto de 2020
Andorinha - Medidas Preventivas Coronavírus
Andorinha - medidas preventivas
Geral

Esquema de propina na agropecuária coloca empresas de três cidades de MS ficam na mira da PF

10 dezembro 2019 - 08h13Redação

Foi deflagrada na manhã de hoje, terça-feira, 10 de dezembro, a segunda fase da operação Porteira aberta, da Polícia Federal, com apoio do Ministério Público Federal (MPF). O objetivo é combater esquema de pagamento de propinas a servidores públicos de fiscalização sanitária federal pela empresa investigada, para emitirem certificados sanitários sem terem de fato fiscalizado/inspecionado o abate de animais na empresa.

Participam da ação mais de 60 policiais federais, que cumprem 15 mandados de busca e apreensão em seis estados: Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. Estão sendo cumpridos ainda 15 Termos de Compromisso aplicando medidas cautelares diversas da prisão, dentre elas, o afastamento de Fiscais Federais Agropecuários.

Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Barra do Garças/MT, que também determinou o sequestro de bens e valores pertencentes a 4 Fiscais Federais Agropecuários, totalizando R$ 5.080.200,00.

O pagamento de propina vinha ocorrendo nas unidades da empresa situadas nos municípios de Anápolis/GO, Campo Grande/MS, Cassilândia/MS, Barra do Garças/MT, Confresa/MT, Cuiabá/MT, Diamantino/MT, Pedra Preta/MT, Vila Rica/MT, São José dos Quatro Marcos/MT, Água Boa/MT, Matupá/MT e Ponta Porã/MS. Os valores destinados ao pagamento de propinas eram registrados na contabilidade das unidades da empresa como despesas de consultoria e marketing ou serviço de inspeção federal.

A segunda fase é resultado da análise dos dados bancários dos investigados, dos documentos contábeis apreendidos durante a deflagração da primeira fase em 15 de junho de 2018, os quais apontaram o pagamento de R$ 1.860.700,00 em propina apenas na unidade de Barra do Garças/MT, além da celebração de 11 acordos de colaboração premiadas entre o Ministério Público Federal e Polícia Federal com os prepostos da empresa responsáveis pela operacionalização dos pagamentos.

Os colaboradores afirmaram que houve o pagamento de, no mínimo, R$ 6.092.200 em propinas aos agentes públicos envolvidos. As propinas variavam de R$ 5.000,00 a R$ 25.000,00 mensais, que perduraram até o início de 2017, cessando com a deflagração da Operação Carne Fraca.

As investigações mostram que entre os anos de 2010 a 2014 os lançamentos contábeis destinados a encobrir as propinas se valeram de documentos falsos, já que o CPF destinatário das despesas, que teria supostamente prestado os serviços de marketing, pertencia a pessoa falecida em 2009, momento anterior aos lançamentos.

São alvos da operação os Fiscais Federais Agropecuários e os médicos veterinários conveniados ao SIF que atuavam na fiscalização das plantas industriais da empresa localizadas nos referidos municípios.

Os investigados irão responder por corrupção ativa e passiva, além de organização criminosa, podendo pegar até 20 anos de prisão.

A operação foi denominada Porteira Aberta tendo em vista a ausência de controle dos animais, a falta de inspeção dos fiscais sanitários permitia que o gado fosse abatido indiscriminadamente, sem qualquer empecilho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Corumbá
CAC abre até 11h30 neste sábado para plantão IPTU 2020
Contra a Covid
Corumbá recebe milhares de produtos médico-hospitalares doados pela Receita
Programa Promuse
PM vai fiscalizar cumprimento das medidas protetivas para mulheres vítimas de violência
56 óbitos
Estado confirma mais três mortes por Covid em Corumbá
Levantamento
Mais de 40% das vítimas de feminicídio em MS não tinham procurado amparo na Lei Maria da Penha
Miranda
Onça Pintada de 70 quilos é atropelada na rodovia MS 332
Oportunidade
IFMS abre curso de Formação Pedagógica para ensino a distância
Contra a Dengue
Bairros Maria Leite e Universitário recebem mutirão de limpeza
Prevenção
Barreira Sanitária é instalada na divisa de Corumbá e Ladário
Corumbá
Sindicato protesta terceirização e acusa Energisa de demitir funcionário positivo para Covid

Mais Lidas

Controle Sanitário de MS
Corumbá terá blitz semanal para inibir aglomerações
Próximo a Campo Grande
Ex-delegado de Corumbá sofre acidente e prende motorista embriagado
Violência Doméstica
Marido espanca mulher à madeiradas e alega ciúmes
Saúde
Bia Cavassa comemora chegada de respiradores na Santa Casa