Menu
sexta, 07 de maio de 2021
Governo - O Estado que cresce - Maio
Geral

Em nota Azambuja nega receber propina da JBS e se põe a disposição da justiça

19 maio 2017 - 18h15Sylma Lima
Azambuja nega as acusações. Foto: Arquivo Capital do Pantanal

Foi publicado no final da tarde desta sexta-feira,19 de Maio, uma nota assinada pelo governador do estado de Mato Grosso do Sul sobre citação de seu nome em esquemas de pagamentos de propinas em troca de incentivos fiscais. O delator, empresário sócio do  frigorífico (JBS)  Wesley Batista disse à justiça que o esquema teria começado no governo do petista José Orcírio Miranda dos Santos , o Zeca do PT, e que de lá para cá não parou de pagar 'propina' aos governos sucessores. Azambuja confirmou ter recebido recurso para o partido , PSDB, e que outros valores nunca foram aceitos. Confiram a nota na íntegra:

Compromisso com a verdade

Tendo em vista a delação do empresário Wesley Batista em que meu nome é citado, e em respeito ao povo de Mato Grosso do Sul, faço os seguintes esclarecimentos:

O empresário Wesley Batista apresentou em sua delação premiada suposições de fraude envolvendo cinco termos de acordo de incentivos fiscais com o Estado de Mato Grosso do Sul, dos quais apenas um foi assinado em minha gestão;

Esclareço que referido termo assinado em minha gestão teve como objeto investimentos para ampliação e geração de novos empregos em diversas unidades frigoríficas em Mato Grosso do Sul, conforme legalmente estabelecido pela política de incentivos estadual;

Em relação à declaração de que recebi aproximadamente R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais) dos empresários, informo que o valor exato é de R$ 10.500.000,00, (dez milhões e quinhentos mil reais) repassados pelo PSDB nacional e que constam regularmente declarados na prestação de contas eleitoral de minha candidatura em 2014;

Ressalto que a transparência na gestão pública é meu compromisso com o povo sul-mato-grossense, comprovado pela última avaliação da CGU que colocou Mato Grosso do Sul com nota 10 em transparência, sendo o Estado que mais evoluiu nesse quesito em todo o país;

Apoio integralmente às investigações, e me coloco à disposição para apresentação de todo e qualquer documento ou esclarecimento que contribua com a elucidação total dos fatos;

Por fim reforço que qualquer outra alegação de fatos ilícitos envolvendo meu nome e a empresa JBS não condiz com a verdade, e será devidamente comprovado.

Campo Grande – MS, 19 de Maio de 2017.

Reinaldo Azambuja Silva

Governador do Estado de Mato Grosso do Sul

 

Delação

Depoimento do empresário Wesley Batista, sócio do grupo J&F, no âmbito da Lava detalhou esquema que a JBS estava envolvida em Mato Grosso do Sul para pagamento de propina. A delação foi homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator do processo na Corte. Fachin suspendeu o sigilo dos documentos hoje.

Wesley Batista afirma na delação que para a empresa obter benefício no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), era obrigado a arcar com 20% do valor devido como propina. Essa ação de corrupção passou a ser tratada quando José Orcírio de Miranda, o Zeca do PT, ainda era governador, segundo o empresário.

Zeca assumiu em 1999 e ficou no comando do Executivo estadual por dois mandatos, ou seja, até final de 2006. "Esse esquema começou quando o Zeca do PT foi eleito, não me recordo a data. No início de 2000, por aí se não me falha a memória. Começou com ele", delatou.

Conforme Wesley, o mesmo tipo de pagamento prosseguiu até final do ano passado, envolvendo também os mandatos de André Puccinelli (PMDB) e Reinaldo Azambuja (PSDB).

"Mato grosso do Sul é um esquema de benefícios fiscais para redução da alíquota do ICMS. Esse esquema começou quando o Zeca do PT foi eleito", disse. "Esse modus operandi no Mato Grosso ficou até agora final do ano passado", relatou.

Ao explicar como funcionava o pagamento, ele afirmou que quem tratava diretamente era seu irmão, Joesley Batista, o mesmo que fez gravações envolvendo pagamento de "cala boca" a Eduardo Cunha acertado com o presidente Michel Temer.

"(O acordo era) De acerto de pagamento de propina em troca de redução de pagamento de ICMS no estado. Isso era com o Joesley, começou com o Joesley. Em 2003, onde foi acertado 20% do benefício de redução de ICMS em contrapartida de pagamento de propina", explicou.

Versões

A assessoria do ex-governador André Puccinelli, que já é investigado na Operação Lama Asfáltica pela Polícia Federal no Estado, informou que ele não se manifestaria sobre as acusações.

A assessoria de imprensa de Zeca do PT enviou nota por email. O deputado federal refutou qualquer acusação. "Resta desafiado que seja apresentado qualquer prova ou indício do fato aludido na referida delação", informou. (informações do jornal Correio do Estado de MS)

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
MS recebe 50,5 mil doses da Astrazeneca do Ministério da Saúde
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal
SAÚDE
Prefeitura leva atendimento médico de rotina para o Porto Esperança
POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
POLICIAL
PMA apreende mais três tigres d'água em chácara
COVID-19
Vereador reforça necessidade de imunizar trabalhadores do CAC contra a Covid
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
POLICIAL
PRF apreende mais de 1,5 tonelada de maconha em MS
CIDADE
Vereador solicita informações sobre estágio de projeto de reforma do antigo mercadão
SEMANA NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES
Wi-Fi Brasil leva internet a mais de 13 mil pontos remotos do país

Mais Lidas

POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
OPERAÇÃO PF
PF deflagra Operação Grão Branco de combate ao tráfico internacional de drogas
TRÁFICO DE DROGAS
PRF apreende 494 Kg de maconha e 7 Kg de skunk na BR-262
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal