Menu
domingo, 28 de novembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade

16 outubro 2021 - 06h48Portal do Governo do MS

O Dia Mundial da Alimentação é celebrado no dia 16 de outubro e faz uma reflexão sobre a necessidade de uma alimentação saudável, de qualidade e acessível. A população brasileira tem deixado de consumir mais alimentos in natura, para consumir alimentos processados e ultraprocessados e isto tem levado para o aumento da obesidade. No Estado, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade. 

Para o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, o elevado aumento da obesidade tem causado um dos maiores problemas de saúde pública no Sistema Único de Saúde. “A elevada prevalência de obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) e também está associada à perda de qualidade de vida em razão da má alimentação. Em contrapartida a desnutrição, decorrente da falta de acesso ao alimento e da má alimentação, também tem causado preocupação”. Estima-se que no país, as mortes prematuras por DCNT corresponda a 74% dos óbitos registrados no país. 

Segundo estudo do Ministério da Saúde, dos indivíduos atendidos na Atenção Primária a Saúde (APS) no Brasil, 63% apresentaram excesso de peso e 28,5% apresentaram obesidade, em 2019. Isso significa que, cerca de 8 milhões desses adultos apresentaram excesso de peso e 3,6 milhões apresentaram obesidade. Em Mato Grosso do Sul este cenário não é diferente, 69,3% da população está com excesso de peso, sendo que 36,6% já estão com obesidade. Ou seja, de cada 10 pessoas sete está com excesso de peso e três estão com algum grau de obesidade no Estado. 

Para o nutricionista Anderson Holsbach, da Gerência Estadual de Alimentação e Nutrição (GEAN), da Secretaria de Estado de Saúde (SES), a má alimentação impacta diretamente nos problemas relacionados a saúde. “A má alimentação tem maior impacto negativo na saúde das pessoas, quando comparado ao fumo, álcool, poluição e drogas. Por isso nessa data é importante ressaltar programas e políticas que propiciam acesso a uma alimentação saudável, uma vez que as melhorias na alimentação da população poderiam prevenir 1 em cada 5 mortes no mundo”. 

O Ministério da Saúde ainda aponta que o custo financeiro da obesidade com hospitalizações e gastos ambulatoriais, em 2011, foi estimado em R$ 488 milhões. Em 2018, esse mesmo custo aumentou 37%, totalizando R$ 669 milhões. Os custos atribuíveis à hipertensão arterial, diabetes e obesidade no Brasil totalizaram R$ 3,45 bilhões em 2018, considerando gastos do SUS com hospitalizações, procedimentos ambulatoriais e medicamentos 

“Em 2020, das crianças acompanhadas na Atenção Primária à Saúde (APS) do SUS, em Mato Grosso do Sul, 15,9% dos menores de 5 anos e 31,8% das crianças entre 5 e 9 anos tinham excesso de peso, e dessas, 7,4% e 15,8%, respectivamente, apresentavam obesidade segundo Índice de Massa Corporal (IMC) para idade. Quanto aos adolescentes acompanhados na APS em 2020, 31,9% e 12,0% apresentavam excesso de peso e obesidade, respectivamente 7. Considerando todas as crianças brasileiras menores de 10 anos, estima-se que cerca de 6,4 milhões tenham excesso de peso e 3,1 milhões tenham obesidade. Entre os adolescentes brasileiros, estima-se que cerca de 11 milhões tenham excesso de peso e 4,1 milhões, obesidade”, explica Anderson Holsbach. 

Durante o período pandêmico, o governo federal enviou para os 79 municípios de Mato Grosso do Sul, R$ 14 milhões para serem aplicados nos programas de enfrentamento a obesidade. Atualmente, o Estado conta com os seguintes programas: Crescer Saudável, Proteja, Programa Saúde na Escola (PSE) e Academias da Saúde. 

Confira as dicas do nutricionista Anderson Holsbach para ter uma alimentação mais saudável: 

  • Faça uso de alimentos in natura (arroz, feijão, carne, legumes, verduras e frutas) ou minimamente processados; 
  • Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias; 
  • Limite o consumo de alimentos processados (alimentos em salmoura, frutas preservadas em açúcar, carnes salgadas ou defumadas, queijos e pães); 
  • Evite o consumo de alimentos ultraprocessados (Bebidas açucaradas, como sucos de caixa e refrigerantes; Salgadinhos; Carnes processadas, como salsicha, bacon e hambúrgueres; Chocolate; Sopas instantâneas; Barras de cereal ou cereal matinal); 
  • Comer com regularidade e atenção, em ambientes apropriados e, sempre que possível, com companhia; 
  • Fazer compras em locais que ofertem variedades de alimentos in natura ou minimamente processados; 
  • Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias; 
  • Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece; 
  • Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora; 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Bombeiros atendem dois acidentes na BR 262
Esporte
Corumbaense e ladarense vencem campeonato de Fisiculturismo em Bonito
Policial
Jovem é assassinado após discussão no bairro Jardim dos Estados
Ele é irmão de um outro rapaz assassinado no Dom Bosco há 26 dias
Policial
PM apreende 47kg de cocaíma no bairro Aeroporto
Policial
Travesti é assassinada a golpes de faca na Edú Rocha
Curiosidades
A história de Owen
Campo Grande
Após 90 dias, Cassems registra primeira internação por Covid
Educação
Enem continua no domingo com conteúdos de Ciências da Natureza e Matemática
Naviraí
Rádio clandestina é fechada e um homem é pela Polícia Federal
Até 5 de dezembro
Marinha do Brasil abre inscrições para concurso de nível superior

Mais Lidas

Naviraí
Rádio clandestina é fechada e um homem é pela Polícia Federal
Até 5 de dezembro
Marinha do Brasil abre inscrições para concurso de nível superior
Furtada em 2015
Estátua de Bronze furtada do cemitério há seis anos era vendida em grupo de trocas na cidade
Sonho realizado
Casal de idosos ribeirinhos comemoram chegada de energia elétrica em casa