Menu
domingo, 28 de novembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Documentos apontam esquema de compra de votos nas eleições de Corumbá 

18 novembro 2021 - 13h05Sylma Lima

Ao que tudo indica, o processo montado através da Operação Mercês, deflagrada pela Polícia Federal (PF), no mês de outubro para investigar a compra de votos em Corumbá, está recheado de indícios que apontam a existência de um forte esquema de corrupção para eleição de prefeito e alguns vereadores. O processo tramita na Justiça Eleitoral e está nas mãos do presidente da Câmara de Corumbá.  

As investigações iniciaram em 4 de novembro de 2020, quando um funcionário comissionado da prefeitura, foi flagrado com cópias de documentos pessoais, dinheiros divididos em pequenas quantias, títulos eleitorais, uma lista contendo nomes, pedidos de exames à secretaria de saúde e um diálogo que seria comprometedor, revelado após quebra de sigilo telefônico. O suspeito foi abordado na saída do comitê responsável pela campanha do então candidato à prefeitura, Marcelo Iunes, atual prefeito da cidade.   

Ao ser indagado, o homem justificou que costumava organizar o dinheiro daquela forma e que o montante seria usado na reforma de sua casa, mas não sabia se quer afirmar com exatidão o total que trazia consigo.   

Capital do Pantanal conversou com um dos vereadores envolvidos. Ele afirma que na época já fazia parte do legislativo corumbaenes e que fazer pedidos de exame médicos era uma prática normal e regular em todo o seu mandato, mas que isso não era usado como uma "troca de favores", já que o voto é velado e não existe mecanismo para apurar se a pessoa teria votado nele.   

Agora cabe ao Ministério Público analisar os documentos reunidos pela PF e decidir os próximos passos do caso, se haverá pedido de cassação ou não dos envolvidos.

Novos documentos

Novos documentos divulgados pelo site Campo Grande News nesta quinta-feira, 18 de novembro, mostram que marmitex também eram trocadas por votos no esquema investigado pela Polícia Federal. 

Diálogos revelados a partir da quebra de sigilo telefônico, mostra a compra de votos em troca de marmitex para seis eleitores. A conversa é entre o funcionário comissionado, que teve o celular apreendido, e outro comissionado da prefeitura que trabalhava para um candidato a vereador aliado do prefeito. No áudio, ele chega a rir do preço pago pelo voto e coloca o próprio eleitor para enviar áudio cobrando o alimento. 

Segundo a Polícia Federal, o grupo usou a estrutura pública para negociar troca de favores, ou troca de benefícios, e assim conseguir apoio político para suas candidaturas nas eleições municipais. Outra forma ilegal de assegurar apoio político durante a campanha foi a contratação de pessoas sem prestar contas à Justiça Eleitoral, no chamado, “pagamento por fora”.  

O documento, no qual o Campo Grande News teve acesso, segue em sigilo e, por isso, os nomes dos investigados não foram divulgados. 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Bombeiros atendem dois acidentes na BR 262
Esporte
Corumbaense e ladarense vencem campeonato de Fisiculturismo em Bonito
Policial
Jovem é assassinado após discussão no bairro Jardim dos Estados
Ele é irmão de um outro rapaz assassinado no Dom Bosco há 26 dias
Policial
PM apreende 47kg de cocaíma no bairro Aeroporto
Policial
Travesti é assassinada a golpes de faca na Edú Rocha
Curiosidades
A história de Owen
Campo Grande
Após 90 dias, Cassems registra primeira internação por Covid
Educação
Enem continua no domingo com conteúdos de Ciências da Natureza e Matemática
Naviraí
Rádio clandestina é fechada e um homem é pela Polícia Federal
Até 5 de dezembro
Marinha do Brasil abre inscrições para concurso de nível superior

Mais Lidas

Naviraí
Rádio clandestina é fechada e um homem é pela Polícia Federal
Até 5 de dezembro
Marinha do Brasil abre inscrições para concurso de nível superior
Furtada em 2015
Estátua de Bronze furtada do cemitério há seis anos era vendida em grupo de trocas na cidade
Sonho realizado
Casal de idosos ribeirinhos comemoram chegada de energia elétrica em casa