Menu
quinta, 06 de maio de 2021
Governo - O Estado que cresce - Maio
Geral

Dia do Pantanal: Assoreamento e lixo apontam desastre ambiental no rio Paraguai

12 novembro 2018 - 10h19Sylma Lima
Quando o jornal fez a denúncia ainda havia água e erva de bicho, mas agora, so resta terra e lixo. Sintoma do assoreamento que levou ao desastre. Fotos: Sylma Lima

No dia 25 de Abril de 2017 o Capital do Pantanal foi acionado por pescadores e empresários de turismo a fim de apontar poluição no rio Paraguai causado pelo despejo de dois esgotos: Um das galerias aguas pluviais da cidade e outro proveniente do despejo de resíduos das estações de tratamento de esgoto (ETE) da Sanesul. O processo de eutrofização já estava avançado, inclusive a agua foi colhida e o resultado da poluição (DBO) foi muito acima da media, causando falta de oxigenação e mortandade de peixes. Ocorre, que apear da denuncia ter sido protocolada até na procuradoria do meio ambiente a problemática persiste e ganhou proporções mais drásticas, uma vez que o assoreamento já e visível. Barcos atracam após o monte de terra que se formou no lugar, onde antes , atracavam as grandes e medias embarcações para abastecimento de energia, cujas caixas hoje se tornaram inúteis.

Segundo empresários a situação é grave e parece um quebra cabeças interminável porque ninguém quer assumir a responsabilidade, “ nem o Ibama, nem o Imasul, órgãos que já foram procurados pelos pescadores” , disse  Paulo da Conceição Vasconcelos, o Paulo ‘ jatobá’, presidente da Associação de Pescadores Profissionais, na ocasião que a reportagem do Capital do Pantanal passou a apurar a situação do rio.

Na área de entorno da orla portuária, quem desce pela rua Domingos Sahib, vindo pela ladeira José Bonifácio,  percebe, imediatamente, a mudança na vegetação do Rio, hoje visivelmente assoreado e tomado por erva de bicho. Não precisa ser especialista para perceber que tem algo errado no local. Trata-se do primeiro sintoma da poluição que vai transformar o local no segundo maior desastre ambiental do Pantanal, depois do assoreamento do Rio Taquari. O processo de eutrofização já tomou conta, cujas consequências são a mortalidade de peixes, assoreamento pelo acúmulo de resíduos, modificações na vegetação aquática, escassez de vegetação típica (camalote), provocados pelo descarte irregular de resíduos sólidos, uma vez que é possível identificar a quantidade de carga química no resíduo liberado pelas galerias, no Rio Paraguai. Apesar da reportagem cobrar posicionamento dos órgãos fiscalizadores, e até da corregedoria do meio ambiente, ate agora nada  foi feito e a situação, tristemente, piora a olho nu. Pelo jeito , neste dia do Pantanal, um ano e meio após a denuncia de poluição, a cidade não tem o que comemorar. Mas, lamentar.

Barcos que atracavam no porto são deixados nos montes de terra entre os esgotos. Fotos: Sylma Lima

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
MS recebe 50,5 mil doses da Astrazeneca do Ministério da Saúde
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal
SAÚDE
Prefeitura leva atendimento médico de rotina para o Porto Esperança
POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
POLICIAL
PMA apreende mais três tigres d'água em chácara
COVID-19
Vereador reforça necessidade de imunizar trabalhadores do CAC contra a Covid
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
POLICIAL
PRF apreende mais de 1,5 tonelada de maconha em MS
CIDADE
Vereador solicita informações sobre estágio de projeto de reforma do antigo mercadão
SEMANA NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES
Wi-Fi Brasil leva internet a mais de 13 mil pontos remotos do país

Mais Lidas

POLICIAL
Assaltante é preso em flagrante no bairro Popular Velha
CONTRABANDO
PRF apreende carga com prata na BR 262 avaliada em 2 milhões de reais
EDUCAÇÃO
Senac oferece desconto de 30% em cursos EAD em diversas áreas
APOIO A SAÚDE
Vale inicia nova parceria na região com o projeto Ciclo de Saúde Pantanal