Menu
sábado, 24 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Depósito de armas do PCC na Capital tinha fuzil AR 15 e submetraladora

12 junho 2018 - 11h21Campo Grande News

Os alvos na “Operação Paiol” desencadeada nesta manhã são integrantes responsáveis em armar o PCC, divulgou o MPE (Ministério Público Estadual). Até o momento, foram apreendidas na Capital quatro armas sendo um Fuzil AR-15, submetralhadora Hugger 9 milímetros, espingarda e uma pistola calibre 765. Além disso, foram presas sete pessoas, apreendidas 343 munições de diversos calibres e 800 gramas de Skank – a “super” maconha.

A ação foi deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e Polícia Militar. Conforme nota divulgada pelo MPE, as investigações tiveram início no ano passado.

No total, são cumpridos 27 mandados de prisão preventiva e 12 mandados de busca e apreensão, em Campo Grande, Nova Andradina, Corumbá e Águas Lindas de Goiás (GO).

O objetivo da operação é o de combater tráfico de drogas, roubo, tráfico de armas e lavagem de dinheiro, praticados por membros do PCC. Segundo o MPE, os principais alvos são os integrantes responsáveis em cuidar do setor responsável pela aquisição, guarda, comercialização e empréstimo de armas de fogo, utilizadas pelos membros para o cometimento dos mais diversos crimes.

A operação está em andamento e durante as investigações, além das prisões, outras sete pessoas foram presas em flagrante por tráfico e porte de arma de fogo de uso proibido. Somente na Capital, conforme a PM, são três presos.

O nome da operação "Paiol" refere-se justamente à nomenclatura utilizada pela organização para referir-se ao local/setor onde são armazenados os armamentos do grupo. Presos - Entre as 3 pessoas presas na Capital, está Tânia Cristina Lima de Moura, que segundo o Choque é a esposa de José Cláudio Arantes, de 63 anos, homem conhecido como Tio Arantes, líder do PCC em Mato Grosso do Sul, que ajudou a implantar a célula da organização criminosa dentro do presídio de Segurança Máxima.

Após condenações por roubo, tráfico de drogas e homicídios, em fevereiro de 2017 ele ganhou a liberdade, mas voltou a ser preso por tráfico. Ficou 12 dias na cadeia, novamente foi liberado e preso 8 meses depois, por envolvimentos de explosão dos caixas eletrônicos do Banco do Brasil, dentro do Parque de Exposições Laucídio Coelho.

Na ocasião, o Garras divulgou que a logística dos bandidos incluiu troca de carros, “armadilhas” com pregos nas ruas do entorno do parque e técnica de explosão menos danosa às cédulas de dinheiro.

Tio Arantes ficou conhecido como homem forte do PCC durante rebelião do Dia das Mães, em 2006, na Máxima, a maior já ocorrida no Estado. Também foi condenado pela pela morte do advogado William Maksoud Filho.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19