Menu
quarta, 03 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Depois da Educação, Longen prevê novos cortes se Reforma da Previdência não for aprovada

21 maio 2019 - 10h02Assessoria de comunicação

“Hoje não tem dinheiro para a Educação, amanhã falta para a Saúde, e depois para pagar o aposentado, o assalariado”. Para o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o congelamento de R$ 1,7 bilhões de recursos que seriam destinados universidades públicas do Brasil é um dos efeitos da demora da aprovação da Reforma da Previdência.

Segundo Longen, a expectativa do setor industrial do País era de que as novas regras para aposentadoria fossem aprovadas ainda no ano passado, antes do fim do governo Michel Temer. Com o atraso nas discussões em torno do texto, o empresário defende que a reforma seja aprovada “para já”.

“Acredito que a reforma tem que ser aprovada para já, de forma que traga uma economia significativa e, combatendo, principalmente, os privilégios. Só que esses privilegiados são fortes politicamente, então, essa é uma discussão que vai se alongar, quando na verdade, já passou da hora de a reforma ser aprovada”, avaliou o presidente da Fiems.

O empresário reforça que o anúncio de contingenciamentos por parte do governo federal é sintomático, e representa os primeiros sinais de que o modelo atual de Previdência é insustentável. “Nós já defendíamos essa bandeira da reforma da Previdência desde lá de trás, de 2017, porque tínhamos estudos em mãos. Agora, começam a surgir ações que começam a preocupar, como os que já estamos vendo agora, que são os contingenciamentos. O governo não tem dinheiro para pagar a conta, e isso vai ficar cada vez mais evidente, porque a sociedade vai começar a sentir”, completou.

Distorções

O presidente da Fiems também aponta os aspectos positivos e negativos sobre a forma como a reforma da Previdência tem sido conduzida. “Uma coisa boa é que passamos a saber quem são os grandes privilegiados, o que fazem e quais são seus salários. E, para mim, é nesse combate aos privilegiados que está a grande discussão”, analisou.

Por outro lado, Longen considera que, no passado, houve falhas na forma como as mudanças foram apresentadas à sociedade. “Tínhamos condições políticas mais favoráveis para discutir e aprovar a reforma, mas, a meu ver, algumas falhas foram cometidas. Foi vendido para a sociedade que os menos favorecidos, os que recebem um valor menor da aposentadoria, serão prejudicados. Quando, na verdade, não é isso que o projeto busca”, considerou o empresário, referindo-se ao momento em que o texto proposto pelo governo começou a tramitar na Câmara dos Deputados.

Previdenciômetro

Em junho de 2017, a CNI (Confederação Nacional da Indústria), entidade que representa a indústria no âmbito nacional, divulgou um levantamento apontando o rombo na Previdência, o chamado “Previdenciômetro”. Conforme a ferramenta, se o Brasil tivesse feito a reforma em 1º junho de 2017 (quando foi iniciada a contagem do Previdenciômetro), a economia para os cofres públicos já seria de R$ 10,21 bilhões a mais até a data de hoje (20/05).

Com este dinheiro seria possível, por exemplo, construir 2.456 escolas, 409 hospitais, 162.158 moradias populares, ou, ainda, 6.811 quilômetros de estradas. Em 2018, o rombo nas contas da previdência atingiu R$ 290,3 bilhões, valor 8% superior ao de 2017, sem considerar a inflação. A PEC 6/2019, que trata da Reforma da Previdência, foi encaminhada pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso no dia 20 de fevereiro. Atualmente, o projeto tramita na Comissão Especial criada para analisar o texto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Saúde confirma primeiro caso da nova variante do coronavírus em MS
LUTO
Jornalista Jucyllene Castilho morre aos 35 anos em Campo Grande
SAÚDE
Idosos de 77 anos já podem se vacinar contra a Covid-19
SAÚDE
Anvisa diz que vacinas usadas no Brasil são seguras
POLÍTICA
André e Rose lideram 1ª pesquisa para o Governo em eleição 2022
COVID-19
Vereador propõe penalidades para quem não cumprir a ordem de vacinação dos grupos prioritários
CONCURSO PÚBLICO
Técnicos de Enfermagem são convocados em processos seletivos da Funsau
GERAL
PMA realiza trabalhos de orientação sobre minhocas em casas de iscas no MS
INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA
PMA autua morador de Corumbá por transporte ilegal de pescado
BANDA LARGA
Vereador pede relatório da OI sobre período de interrupção do sinal de Internet na cidade

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
IEL oferece vagas de estágio para Corumbá e mais 5 cidades do Estado
POLICIAL
PM prende irmãs após briga no Popular Nova
POLICIAL
Após briga mulheres são presas no bairro Aeroporto
EDUCAÇÃO
Vereadores aprovam projeto do Executivo que atende professor temporário na Reme