Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Andorinha Abril
Andorinha Abril
Geral

Com receita de R$ 11 bilhões, deputada terá missão de fomentar agronegócio

08 novembro 2018 - 12h43Campo Grande News

A deputada federal Tereza Cristina (DEM), confirmada como ministra da Agricultura, terá um orçamento previsto de R$ 11.136.314.887,00 para o ano de 2019. A sua missão principal será fomentar o agronegócio no Brasil. Foi escolhida pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), após indicação da FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária).

O nome da parlamentar sul-mato-grossense foi confirmado ontem (07), no final da tarde, depois de uma reunião da equipe de transição e os integrantes da Frente Parlamentar. Tereza já era cotada para o cargo, pelo seu trabalho voltado para bancada ruralista em Brasília, inclusive sendo a presidente da FPA, no Congresso Nacional.

O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) tem como função principal promover o desenvolvimento do agronegócio no Brasil, com ação na sanidade da produção animal e vegetal, para que haja mais produção e qualidade dos alimentos, assim como organizar as cadeias (produtivas) e viabilizar a modernização da política agrícola, inclusive com incentivo às exportações.

Também tem o foco na prevenção e controle da erradicação de doenças e pragas nos animais e vegetais. Um dos cuidados é evitar “riscos à saúde do consumidor”, com os produtos de consumo interno e das exportações que seguem para diferentes mercados. Ainda precisa fiscalizar práticas desleais e comércio.

Investimentos – Uma parte dos recursos da pastas seguem para as unidades da federação para ações conjuntas de controle e prevenção, com despesas inclusive para inovações tecnológicas no setor agropecuário, com pesquisas por exemplo no âmbito da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). As atividades nos estados são conduzidas pelas Superintendências Federais de Agricultura.

Estrutura – Com possíveis mudanças na estrutura do Ministério, que serão definidas pelo presidente eleito, hoje a pasta tem como empresas públicas o Embrapa e a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Sua composição tem secretarias de Defesa Agropecuária; Mobilidade Social do Produtor Rural e do Cooperativismo; Política Agrícola, Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio e Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Assim como órgãos colegiados, entre eles o CNPA (Conselho Nacional de Política Agrícola), CDPC (Conselho Deliberativo de Política do Café), CCCCN (Comissão Coordenadora da Criação do Cavalo Nacional), CGSR (Comitê Gestor Interministerial de Segurança Rural) e Conselho Interministerial do Açúcar e do Álcool.

Entramos em contato com a deputada Tereza Cristina, mas até o fechamento da reportagem não tivemos retorno. A assessoria da parlamentar informou que ela vai conceder entrevista coletiva, após reunião com a equipe de transição de Jair Bolsonaro (PSL), em Brasília.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
181 é ferramenta para denuncia anônima em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Reforma de escolas municipais é solicitada por vereador durante sessão da Câmara
ESPORTE
Vereador sugere transformar o Marina Gattass em espaço para esportes radicais
LÍNGUA DE SINAIS
Projeto de Lei obriga instituições a disponibilizar intérpretes de Libras na cidade
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto
COVID-19
Polícia investiga empresa por fraude em oferta de vacina
CIDADE
Prefeito decreta luto oficial de três dias pelo falecimento de Dom Martinez
POLICIAL
PM de Corumbá prende foragido da justiça e apreende arma branca
POLICIAL
Homem é preso por porte de drogas no bairro Popular Nova
TEMPO
Massa de ar frio pode mudar o clima em Mato Grosso do Sul nos próximos dias

Mais Lidas

POLÍTICA
Câmara aprova projeto de lei que torna escolas serviços essenciais
MUDANÇAS NO CTB
Nova Lei abranda infração para motociclistas sem viseira ou óculos de proteção
GERAL
Vereador solicita recuperação da 21 de Setembro, após intervenções da Sanesul
SEGURANÇA
Tiradentes: no dia do patrono das polícias, Governo destaca investimentos na segurança