Menu
terça, 23 de julho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Cinco erros que se deve evitar ao investir

10 julho 2020 - 11h08Redação

Investir é a melhor maneira de dar um passo adiante em termos de educação financeira. Quando o investimento é fruto de uma estratégia racional e que considera a realidade do investidor, a tendência é que o sucesso venha em curto, médio ou longo prazo, a depender do produto escolhido.

Entretanto, nem sempre isso ocorre. É comum ver pessoas cometendo erros que comprometem seus resultados com investimentos, como os descritos a seguir. 

Não diversificar

A diversificação de investimentos é importante para que quem investe não dependa dos resultados de um único ativo para ter sucesso. A lógica de “não colocar todos os ovos na mesma cesta” faz muito sentido no universo dos investimentos.

A história sempre traz bons exemplos: no final dos anos 80 e início dos anos 90, quem colocou todo o seu dinheiro na Poupança, teve seus bens confiscados com o Plano Collor, e ficou no prejuízo. Se na época, as pessoas tivessem diversificado seus investimentos, atrelando seus resultados a diferentes referenciais, ainda que o Plano Collor bloqueasse parte do seu dinheiro, ela ainda teria outras alternativas para não ficar sem nada.

Claro que na época as possibilidades eram bem menores do que as que as plataformas de investimentos oferecem hoje, mas este é um exemplo que ilustra a importância de o investidor estar preparado para compensar resultados ruins de uma aplicação com um outro ativo ou até com um conjunto de investimentos de características distintas.

Não considerar o perfil de investidor

Investidores podem ser de perfil conservador, moderado ou arrojado, o que tem a ver com a tolerância ao risco e o conhecimento a respeito do mercado de investimentos.

Quando uma pessoa ouve falar que o Tesouro Direto é melhor do que a Poupança e automaticamente faz a transferência de 100% do seu dinheiro que estava na Caderneta para o Tesouro, ela está investindo sem considerar o que de fato o Tesouro pode oferecer para o seu perfil individual, o que pode ser prejudicial para os seus interesses.

O mais importante é que a pessoa descubra qual é o seu perfil, o que pode ser feito via testes simples, em uma plataforma de investimentos. O objetivo é definir seus objetivos e somente depois procurar o ativo que tem potencial para trazer resultados em função dessas características.

Não considerar o perfil é algo que geralmente leva o investidor a perder rentabilidade nos seus investimentos, o que, na prática, representa menos dinheiro no final do processo.

Não decidir por conta própria

Existem inúmeras fontes confiáveis de informação disponíveis na internet, mas, ainda assim, as pessoas preferem simplificar as coisas, transferindo a responsabilidade sobre seus investimentos para outros atores, como os gerentes de banco.

O problema é que quando se opta por este caminho, o mais comum é que o gerente, que é funcionário da empresa que disponibiliza os títulos, invista o dinheiro do cliente de acordo com os interesses do  próprio banco. Ou seja, transferir essa responsabilidade acaba sendo uma forma de gerar resultados para o banco e não necessariamente para o investidor.

Um clássico caso é o dos títulos de capitalização, uma opção na qual o cliente adere apostando na sorte (visto que o prêmio é distribuído via sorteio), e, ao fim do prazo, recupera o dinheiro investido sem rentabilidade. Ele ainda enfrenta um problema de liquidez, uma vez que o recurso fica retido até o fim do prazo.

Investir em renda variável sem conhecer os riscos

É fato que para entrar no mercado de renda variável é preciso ter maior tolerância a riscos e entender o suficiente a respeito de como o ambiente da Bolsa de Valores funciona. Do contrário, o investidor pode cometer um erro comum entre quem perde muito dinheiro investindo. É preciso se aprofundar em questões como as análises técnica e fundamentalista para então começar a visualizar os resultados.

Ignorar as taxas de administração

Investir não é simplesmente entregar o dinheiro a alguém e esperar o retorno com juros. Existem diferentes etapas em diferentes processos e normalmente isso exige o trabalho de especialistas. Esses intermediários, por sua vez, precisam ser remunerados, o que costuma ser mais caro na medida que a complexidade de seu trabalho é maior.

É por esse motivo que as corretoras de valores, a B3, os fundos de investimentos, entre outros, cobram taxas de administração por suas atividades. No fim das contas, todos precisam lidar com seus gastos e, claro, ter lucro no fim do processo.

Assim, cabe ao investidor ter a capacidade de observar se as taxas cobradas por cada ativo são realmente racionais e se não comprometem sua rentabilidade.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agenda Cultural
Programa Cine Andante divulga programação de agosto em Corumbá
Cidadania
Encerra em 31 de julho inscrições de oficinas e qualificação para crianças e jovens em Corumbá
Garantia de Recursos
Fiscalização da PF contra incêndios no Pantanal seguirá até o fim deste ano
Futebol
Técnico destaca classificação do Costa Rica no 'grupo da morte'
Oportunidade
IFMS abre 150 vagas de graduação para portadores de diploma, reingressos e transferências
Até sexta-feira
Inscrições para o Prouni abrem nesta terça-feira
No centro
Perícia encontra seringa e medicamentos no apartamento de mulher encontrada morta
Neste domingo
Ritmista da Nova Corumbá morre em colisão com carro
Até 26 de julho
Escola Sesi abre processo seletivo com 104 vagas de gratuidade na educação básica
VEM 2024
Festival de música católica tem dois sul-mato-grossenses entre os classificados

Mais Lidas

Time de Miranda
20ª edição do Amistoso da Diversidade reúne grande público no Poliesportivo
Consequência
Fumaça volta a encobrir área urbana de Corumbá
Oportunidade
Funtrab oferece mais de 4,8 mil vagas de emprego em Mato Grosso do Sul
Plantão
Bombeiros registram oito incêndios urbanos nas últimas 24 horas