Menu
segunda, 12 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
Andorinha Fevereiro
Geral

Centro Internacional de Negócios da Fiems passa a emitir ATA Carnet em setembro

30 junho 2016 - 09h40Redação

A partir de 1º de setembro deste ano, o CIN (Centro Internacional de Negócios) da Fiems passará a emitir o ATA Carnet, que se trata de um documento aduaneiro válido internacionalmente e que permite a exportação e a importação temporária de bens livre de impostos de importação pelo período de um ano. O temor de autorização para a emissão desse documento foi assinado nesta semana pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e a Receita Federal do Brasil.
 
Segundo a gerente do CIN da Fiems, Fernanda Barbeta, o ATA Carnet é reconhecido em 74 países. “O documento aduaneiro funciona como passaporte de mercadorias. É uma fundamental ferramenta de facilitação de comércio e auxiliará a competitividade das indústrias brasileiras”, pontuou, acrescentando que o uso do ATA Carnet reduz o custo para exportadores porque elimina encargos e tributos de importação e exportação temporária.
 
Além disso, de acordo com Fernanda Barbeta, a entrada nos países é simplificada e a burocracia reduzida, pois todas as formalidades aduaneiras são resolvidas com apenas um documento. “Trata-se de mais um avanço para facilitar os processos de comércio exterior no Brasil. O ATA contribui tanto para a atuação das nossas empresas lá fora quanto para a atração de negócios ao Brasil, sendo uma eficiência fundamental”, afirmou.
 
Em nível nacional, a Receita Federal passará a reconhecer carnês emitidos por outros países no início de julho, sendo que as empresas podem utilizar o documento em três tipos de operação: para transportar amostras comerciais, equipamentos profissionais ou artigos para apresentação ou uso em feiras, exposições e eventos semelhantes.
 
Os produtos podem circular em mais de um país com o mesmo documento por 12 meses e os 74 países que já trabalham com o ATA Carnet representam quase 75% do fluxo de comércio exterior (importação e exportação) do Brasil, destacando entre eles os Estados Unidos, a China, a Alemanha, o Japão e o México. Em todos os países, uma única organização empresarial aprovada pela aduana é responsável por garantir que tributos e taxas serão pagos em caso de irregularidades no uso do documento - venda de bens ao invés de repatriação, por exemplo.
 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Novas variantes P1 e P2 em circulação no MS tem maiores índices de contaminação
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no bairro Maria Leite
GERAL
Sindicato Rural de Corumbá contesta o relatório dos incêndios no Pantanal do MP
SAÚDE
Corumbá inicia a primeira etapa e vacinação contra Influenza
GERAL
Alterações no Código Brasileiro de Trânsito começam a valer
FECHAMENTO DA FRONTEIRA
Comerciantes amanhecem com protesto na Fronteira Brasil-Bolívia
GERAL
Receita adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda
MUDANÇAS NO CTB
Agora, crianças com até dez anos dependem de altura para uso de cadeirinha
GERAL
Carro sai da pista na BR 262 e passageiro fica ferido
GERAL
Acidente deixa condutor de moto ferido no Popular Velha

Mais Lidas

POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus