Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

Candidata a vice-prefeita na Capital se apresenta a justiça para responder acusação de fraude em licitação

03 outubro 2020 - 11h29Eduardo Miranda, Correio do Estado

A candidata a vice-prefeita de Campo Grande pelo MDB, Juliana Zorzo, registrou seu comparecimento espontâneo no processo em que é acusada pelo crime de fraude em licitação.  

A iniciativa de Zorzo, integrante da chapa pura do MDB, em que Márcio Fernandes é candidato a prefeito, ocorreu no mesmo dia em que o Correio do Estado publicou reportagem informando que o promotor de Justiça do Patrimônio Público Humberto Lapa Ferri pediu ajuda ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) para encontrar Juliana Zorzo.  

O pedido feito por Ferri, autor da denúncia, ocorreu depois que Zorzo tornou pública sua candidatura. A Justiça já havia feito pelo menos três tentativas de encontrar Juliana Zorzo: uma por oficial de Justiça e outras duas por edital.

Sem ter sido encontrada até se lançar candidata, Juliana Zorzo seguia processada à revelia pelo Tribunal Regional Eleitoral.  

Cartas Marcadas

O crime de fraude em licitação ocorreu em 2014, quando Juliana Zorzo era vereadora e acabou nomeada pelo então prefeito Gilmar Olarte para assumir a Fundação de Cultura de Campo Grande (Fundac). Conforme o Ministério Publico Estadual, ela comandou um esquema de cartas marcadas para legalizar os serviços que a empresa Fino Traço já vinha prestando à Fundac.  

Juliana trouxe da Câmara Municipal de Campo Grande a Fino Traço, que já atendia seu gabinete. Para isso, ela, servidores da Fundac e mais duas empresas participaram do esquema para simular a concorrência e “esquentar” serviços que ela já havia solicitado da empresa – sem procedimento licitatório algum.

“Ao assumir o cargo de diretora-presidente da Fundac, Juliana Zorzo, de forma dolosa, contratou verbalmente a empresa Fino Traço para prestar serviços à Fundac, sem qualquer procedimento licitatório ou formalização dos serviços prestados”, afirmou o promotor Huberto Lapa Ferri na denúncia.

“Visando dar ‘ares de legalidade’ aos indevidos serviços prestados pela empresa Fino Traço, a denunciada Juliana Zorzo, juntamente com os demais denunciados (servidores e proprietários das empresas requeridas), forjou uma licitação, na modalidade convite, que tinha por objeto a contratação de uma empresa para prestação de serviços gráficos à Fundac, contando com a conivência das empresas Fino Traço, RR Nogueira e Grafscreen”, complementou o promotor.

Conforme a denúncia, a Prefeitura de Campo Grande ordenou o pagamento de R$ 128,5 mil (R$ 49.250,00 e R$ 79.250,00) à Fino Traço.

Além de Juliana, o promotor de Justiça denunciou Clarindo Cleber Gimenes, ex-diretor da Fundac, e os outros ex-diretores da mesma fundação: Raquel Marin Lugo Magdalena e Dyego Cavalari Ferreira Brandão. Também foram denunciados o ex-assistente administrativo da Fundac Gustavo Henrique Alves Lima, Fábio de Almeida Serra Souto, Ruth Barros dos Santos e Mario Justiniano de Souza Filho, servidores que na época estavam na Comissão Permanente de Licitação, além de Laís Ferreira Paulino Borges, Luiz Antônio Mossini, Douglas Kostsantinos Gutterres Liokalos, todos ligados à Fino Traço; Renato Aparecido da Silva, da empresa RR Nogueira; e Joel Lopes dos Reis Junior, da Grafscreen.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Crescimento
MS tem 37,9 mil trabalhadores formais a mais que antes da pandemia
Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Meio Ambiente
Sanesul é cobrada para eliminar descarte de lodo na região do Porto Geral
Benefício
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário
Infraestrutura
Recuperação de galeria no bairro cervejaria é urgente
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em queda acidental
Inédito
Bonito recebe primeiro voo em conexão direta com Congonhas nesta quinta-feira (02)
Habitação
Decreto regulamenta projeto Lote Urbanizado e cria novas regras e prazos
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos
Jovens Empreendedores
Alunos de Escolas Municipais de Porto Murtinho expõem produtos desenvolvidos em sala

Mais Lidas

Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Homenagem
Rodovia MS 228, em Corumbá, recebe o nome do pecuarista Dalci Vicente Sebben
Governo
Autorizados concursos públicos para Iagro e Sedhast com 180 vagas
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos