Menu
sexta, 15 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Campo grandenses consideram situação financeira cada vez pior por causa do Covid-19

17 junho 2020 - 10h18Diário MS News

Desde que a pandemia do Covid-19 foi decretada pela Organização Mundial de Saúde OMS), em 11 de março, o planeta começou a experimentar um conjunto de crises e dificuldades que afetaram comportamentos e relações. As economias, de um modo geral, sentem o impacto que a crise na saúde produz em larga escala, sobretudo pela semi-paralisação das atividades econômicas.

Para avaliar esses impactos no comportamento humano, na economia de Campo Grande e no bolso das pessoas a Ranking Comunicação e Pesquisa fez 1200 entrevistas de 10 a 14 deste mês e constatou que a população sente que as coisas pioraram e a maioria já não tem condição de pagar todas as suas contas. O levantamento adota um intervalo de confiança de 95% e 2,85% de margem de erro, para mais ou para menos.

Para 75,08% dos entrevistados se manifestaram favoráveis à reabertura das escolas no período da pandemia, 20,50% são contrários e 4,42% não sabem ou não responderam.

Depois do início da pandemia, só 0,83 dos campograndenses acham que a sua situação melhorou. É o flanco extremamente oposto ao dos 55,17% que declaram que a situação piorou, enquanto 38,75% consideram que por enquanto nada mudou e 5,25 não sabem ou não responderam.

A Ranking indagou quem conseguiria pagar todas as suas contas neste mês de junho e menos da metade – 38,58% - responderam que sim. Não conseguirão tal proeza 55% e 6,42% não sabem ou não responderam. Dos que não conseguirão pagar todas as contas em junho 39,92% disseram que vão pagar a maior parte das dívidas, 47,83% liquidarão uma pequena parte e 12,25% já adiantam que não pagarão conta alguma.

Sobre o auxílio emergencial (de R$ 600,00 ou R$ 1.200,00) do governo federal, 47,17% solicitaram o benefício e 52,83 não. Dos que se cadastraram para receber esse auxílio 76,33% tiveram sucesso e 23,67% não tiveram seu pedido aprovado.

Um dos itens mais importantes do comportamento preventivo da população, o uso de máscaras, tornou-se obrigatório por decreto da Prefeitura. E 77,25% dos entrevistados garantiram cumprir o decreto, mas 15,58% informaram que não usam as máscaras e 7,17% não sabem ou não responderam.


Por fim, os entrevistadores perguntaram em quanto tempo devem passar os efeitos da pandemia do coronavírus e a maioria (39,17%) acredita que irão se prolongar em até seis meses. A grande minoria – 0,58% dos entrevistados – calcula que esses efeitos só durarão mais um mês. Para 28,33% os efeitos da pandemia podem durar até um ano; 13,83% calculam dois anos; 8,75% até três meses; s 5,42% mais de dois anos, enquanto 3,92% não sabem ou não responderam.


 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dia do Professor
Façanha destaca papel do professor no período pós-pandemia
Corumbá
Foragido é preso em ronda no bairro Generoso
Corumbá
Dupla é presa com 20 quilos de maconha
Evento
IFMS realizará Festival de Arte e Cultura 2021 de forma virtual
Reforço
Saúde de Corumbá e Ladário recebem mais de 500 equipamentos doados pela Vale
Porto Murtinho
Mulher é multada em mais de R$ 20 mil por exploração ilegal de madeira
Agenda
Povo das Águas atende ribeirinhos da região do Taquari a partir de 24 de outubro
Atualização Vacinal
13 unidades de saúde participam do Dia D de Multivacinação neste sábado em Corumbá
Corumbá
Vereador busca recursos para atender necessidades do Conselho Municipal Antidrogas
Monitoramento
Defesa Civil alerta para chance de novos temporais

Mais Lidas

Agenda Cultural
Marcynho Sensação se apresenta no estádio Arthur Marinho nesta sexta, dia 15
Destaque
Presídio feminino de Corumbá está na lista dos 30 melhor avaliados do país
Associação Criminosa
Segunda fase da operação Dark Card prende ex-funcionário público e empresário
Tempo
Chuvas retornam com chance de grandes acumulados para região sul do Estado