Menu
domingo, 13 de junho de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Campo grandenses consideram situação financeira cada vez pior por causa do Covid-19

17 junho 2020 - 10h18Diário MS News

Desde que a pandemia do Covid-19 foi decretada pela Organização Mundial de Saúde OMS), em 11 de março, o planeta começou a experimentar um conjunto de crises e dificuldades que afetaram comportamentos e relações. As economias, de um modo geral, sentem o impacto que a crise na saúde produz em larga escala, sobretudo pela semi-paralisação das atividades econômicas.

Para avaliar esses impactos no comportamento humano, na economia de Campo Grande e no bolso das pessoas a Ranking Comunicação e Pesquisa fez 1200 entrevistas de 10 a 14 deste mês e constatou que a população sente que as coisas pioraram e a maioria já não tem condição de pagar todas as suas contas. O levantamento adota um intervalo de confiança de 95% e 2,85% de margem de erro, para mais ou para menos.

Para 75,08% dos entrevistados se manifestaram favoráveis à reabertura das escolas no período da pandemia, 20,50% são contrários e 4,42% não sabem ou não responderam.

Depois do início da pandemia, só 0,83 dos campograndenses acham que a sua situação melhorou. É o flanco extremamente oposto ao dos 55,17% que declaram que a situação piorou, enquanto 38,75% consideram que por enquanto nada mudou e 5,25 não sabem ou não responderam.

A Ranking indagou quem conseguiria pagar todas as suas contas neste mês de junho e menos da metade – 38,58% - responderam que sim. Não conseguirão tal proeza 55% e 6,42% não sabem ou não responderam. Dos que não conseguirão pagar todas as contas em junho 39,92% disseram que vão pagar a maior parte das dívidas, 47,83% liquidarão uma pequena parte e 12,25% já adiantam que não pagarão conta alguma.

Sobre o auxílio emergencial (de R$ 600,00 ou R$ 1.200,00) do governo federal, 47,17% solicitaram o benefício e 52,83 não. Dos que se cadastraram para receber esse auxílio 76,33% tiveram sucesso e 23,67% não tiveram seu pedido aprovado.

Um dos itens mais importantes do comportamento preventivo da população, o uso de máscaras, tornou-se obrigatório por decreto da Prefeitura. E 77,25% dos entrevistados garantiram cumprir o decreto, mas 15,58% informaram que não usam as máscaras e 7,17% não sabem ou não responderam.


Por fim, os entrevistadores perguntaram em quanto tempo devem passar os efeitos da pandemia do coronavírus e a maioria (39,17%) acredita que irão se prolongar em até seis meses. A grande minoria – 0,58% dos entrevistados – calcula que esses efeitos só durarão mais um mês. Para 28,33% os efeitos da pandemia podem durar até um ano; 13,83% calculam dois anos; 8,75% até três meses; s 5,42% mais de dois anos, enquanto 3,92% não sabem ou não responderam.


 

Deixe seu Comentário

Leia Também

FESTA CLANDESTINA
Postura encerra festa clandestina com militares da Marinha
POLICIAL
Ação Policial entre as Polícias Civis de SP e do MS resultam na apreensão de 107 quilos de droga
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
CORONAVÍRUS
Detran-MS suspende atendimento presencial em 43 cidades com bandeira cinza
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no Ceac
POLICIAL
PM prende homem por invasão de domicílio no Popular Nova
GERAL
Presidente da Cassems faz alerta sobre o crescente número de casos de Covid-19 em MS
POLICIAL
Menina de 11 anos com DST diz ter sido estuprada pelo avô
GERAL
Com nova deliberação do Prosseguir, Governo restringe atendimento presencial em alguns setores

Mais Lidas

POLICIAL
Ação Policial entre as Polícias Civis de SP e do MS resultam na apreensão de 107 quilos de droga
CORONAVÍRUS
Detran-MS suspende atendimento presencial em 43 cidades com bandeira cinza
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados