Menu
sexta, 22 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Câmara busca alternativas para agilizar o fluxo de veículos e pessoas na fronteira

23 fevereiro 2021 - 10h16Assessoria de Comunicação da Câmrara

A barreira de fiscalização montada pela Polícia Federal e Força Nacional no Posto Esdras, na fronteira de Corumbá com a Bolívia, está travando o fluxo de veículos e de pessoas que chegam ou que saem do Brasil, formando longas filas e demora no atendimento.

O assunto foi levantado na sessão de ontem, segunda-feira, 22, na Câmara Municipal, pelo presidente do Poder Legislativo corumbaense Roberto Façanha, e foi bastante discutido entre os vereadores presentes, com todos querendo uma solução, de modo que o trabalho ocorra de forma mais rápida, para normalizar o fluxo na região.

“Não somos contra fiscalização, isso é importante. Mas, o que ocorre é que, a partir da instalação dessa barreira na fronteira, o fluxo está bastante lento e isso acaba trazendo problemas principalmente para Corumbá”, comentou Façanha.

O vereador lembrou que Corumbá atravessa uma crise econômica sem precedentes devido à pandemia da Covid-19, e “a nossa salvação está sendo o cidadão boliviano que, com o dólar em alta, atravessa a fronteira para fazer compras em nossa cidade, movimentando a economia local”.

De fato, nos últimos meses, o comércio local tem sobrevivido graças aos bolivianos. “Tem pessoas que vem de Santa Cruz para comprar aqui. Eles estão movimentado o nosso centro comercial, os supermercados, enfim, estão aquecendo a economia local. Mas, com a fiscalização na fronteira e a demora eu está ocorrendo, eles vão acabar desistindo de vir para cá e que perde com isso somos nós”, disse, preocupado.

“No início do mês, fui à Bolívia e fiquei em uma fila durante quatro horas para atravessar a fronteira. Conversei na época com as autoridades locais e fui informado que se trata de uma fiscalização conjunta da Polícia Federal e da Força Nacional e que o trabalho integra as ações do governo por mais segurança e mais fiscalização no Brasil. Mas, estamos chegando no final de fevereiro e a situação continua a mesma. São necessárias ações para o fluxo voltar ao normal”, cobrou.

Por isso mesmo o vereador conclamou toda a Câmara a unir esforços, no sentido de buscar uma solução para o bem da economia corumbaense, e buscar manter os bolivianos visitando a cidade, fazendo suas compras, movimentando não só o centro comercial e supermercados, mas a rede hoteleira, os restaurantes, enfim, movimentando a economia local.

Fiscalização na BR

O vereador Chicão Vianna, por sua vez, lembrou que esse era justamente o tema que o levou a se inscrever para fazer uso da palavra no plenário. “Foi justamente essa situação que me levou a apresentar um Projeto de Resolução, com a instituição da Comissão de Relações Exteriores e Direito Internacional, dentro das comissões permanentes, para tratar de assuntos como este, e buscar soluções”, destacou.

“Cito como exemplo a cidade de Ponta Porã, cuja divisa com Pedro Juan Caballero é uma rua. A fiscalização ocorre, é rigorosa, mas acontece na BR, em um posto montado para esse fim. Aqui deveria ocorrer o mesmo. A fiscalização poderia ser no Buraco das Piranhas ou antes da Estrada Parque, na BR 262, liberando a fronteira”, sugeriu.

Disse já ter inclusive tratado do assunto com a deputada federal Bia Cavassa, na busca de levar o tema para Brasília e debater o assunto na esfera federal. “Os bolivianos estão movimentando a nossa economia. No carnaval, que não houve, a rede hoteleira estava lotada. Sabe quem estava hospedado? Os bolivianos, apesar da longa espera em filas para atravessar a fronteira. Vamos buscar soluções pedindo apoio dos nossos parlamentares em Brasília”.

Quem também comentou o assunto foi o vereador Manoel Rodrigues que, já há algum tempo, demonstra preocupação com a longa fila e dias de espera que os motoristas de carretas que transportam mercadorias para a Bolívia, são obrigados a enfrentar, para continuar viagem. Por isso mesmo ele sugeriu que a passagem ocorra em outro local e não no Posto Esdras.

Revelou ainda a intenção de empresários locais em mudar toda uma estrutura para Porto Murtinho, justamente para evitar os problemas enfrentados em Corumbá. “Precisamos encontrar uma solução ou os nossos empresários vão acabar optando por se instalar em Murtinho, o que será um desastre ainda maior para a nossa economia”, previu.

Destacou a proposta de Chicão pela criação da Comissão de Relações Exteriores e Direito Internacional, e a necessidade de buscar alternativa, criar estratégia “para manter e trazer cada vez mais bolivianos para visitar e fazer compras em Corumbá, movimentar a economia local”, completou.

Com barreira de fiscalização, filas enormes se formam dos dois lados na fronteira com a BolíviaO fluxo de veículos e de pessoas foi debatido na Câmara Foto: Divulgação

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Trânsito
Vereador pede informações ao DNIT, sobre radares na rodovia BR 262
Tráfico de Drogas
Operação conjunta apreende mais de 5 toneladas de maconha em Ponta Porã
Dado Positivo
MS é um dos quatro estados sem registro de mortes por Covid-19 nos últimos dias
Preço Mais Justo
Agepan estuda viabilidade para reduzir taxa de abastecimento de água e esgoto em MS
Denúncia
Vereador quer saber se empresas estão cumprindo cotas para pessoas com deficiência
Serviço
Projeto de Lei propõe desconto por dia de interrupção de serviços de telefonia e internet
Retomada
TRE-MS retoma trabalho presencial no dia 3 de novembro
Imunização
Ribeiros do Taquari recebem vacina contra Covid nos dias 26 e 27
Prisão
Evadido é capturado em rondas no bairro Dom Bosco
Relatório Parcial
Operação de prevenção à incêndios completa sete meses com mais R$ 33 milhões em multas

Mais Lidas

Corumbá
Casal é levado para delegacia após bebedeira e briga
Colônia do Bracinho
Pantaneiro denuncia construção de barragem no Rio Taquari
Dois brasileiros foram presos
Denunciado por participação no roubo de aeronaves em Aquidauana é preso na Bolívia
Recurso
Vereador questiona uso do duodécimo do legislativo repassado para Santa Casa em 2020