Menu
segunda, 18 de janeiro de 2021
Andorinha - campanha dezembro
Andorinha - Dezembro
Geral

Câmara aprova Projeto de Lei que combate o assédio moral na repartição pública

07 agosto 2019 - 09h02Câmara de Corumbá

Projeto de Lei que dispõe sobre a caracterização do assédio moral nas dependências da administração pública municipal foi aprovado por unanimidade na sessão ordinária de ontem, terça-feira, 7 de agosto, pela Câmara de Corumbá. A proposta, que segue agora para apreciação do Poder Executivo, é de autoria do vereador Tadeu Vieira, e prevê inclusive aplicação de penalidades, como forma de combater o problema.

Pelo Projeto, o servidor público municipal em Corumbá, que vier a sofrer a prática de assédio moral, deverá levar ao conhecimento da autoridade máxima a que serve, ou mesmo a outra autoridade competente, mediante requerimento protocolado, com duas ou mais testemunhas ou prova documentais, o problema ocorrido.

Prevê que a autoridade cientificada terá um prazo de quinze dias para providenciar a abertura de processo administrativo ou procedimento similar para apuração dos fatos, reservado em qualquer hipótese o direito à ampla defesa. Além disso, os fatos denunciados, serão apurados por uma comissão processante que deverá ser composta por dois elementos escolhidos pelo Sindicado dos Servidores Públicos.

Considera-se assédio moral, todo tipo de ação, gesto ou palavra que atinja, pela repetição, a autoestima, a dignidade e a segurança de um indivíduo, fazendo-o duvidar de si e de sua competência, implicando em dano ao ambiente de trabalho, à evolução da carreira profissional ou à estabilidade do vínculo empregatício do servidor.

Como exemplo, Tadeu citou a marcação de tarefas com prazos impossíveis de serem cumpridos; transferência de uma área de responsabilidade para funções triviais; tomar crédito de ideias de outros; ignorar um servidor só se dirigindo a ele através de terceiros; sonegar informações de forma insistente; espalhar rumores maliciosos; criticar com persistência; subestimar esforços, bem como criar condições de trabalho humilhantes ou degradantes.

O vereador informou que é preciso combater tal prática, aplicando aos responsáveis, penas como advertência, curso de aprimoramento profissional, suspensão e destituição de cargo em comissão, aplicação de multa e até demissão.

Tadeu explicou ainda que, caso o assédio tenha sido praticado por autoridade de mandato eletivo, a conclusão dos fatos denunciados, será encaminhada para o Ministério Público local, para providências legais e cabíveis.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
EMPREGO
Eldorado Brasil oferece mais de 800 vagas para início imediato
Em Mato Grosso do Sul, são ofertadas novas posições para atuar nas unidades de Água Clara, Inocência e Selvíria
Coronavírus
Em 24 horas MS registra 1.316 exames positivos de Covid-19 e 13 mortes
CONCURSO DA PF
Polícia Federal publica edital de concurso com 1,5 mil vagas
POLICIAL
Com facada no coração, rapaz é deixado em frente padaria em cidade MS
SERVIÇOS
Em período chuvoso, saiba como receber alertas da Defesa Civil por SMS
PROCESSO SELETIVO
Sebrae abre processos seletivos com vagas na Capital e interior
São dois editais, sendo um para Pessoas com Deficiência. Salários chegam a R$ 4.802,92
ASSISTÊNCIA SOCIAL
Povo das Águas atende ribeirinhos da parte alta do rio Paraguai a partir do dia 19
TURISMO
Turismo de MS espera vacinação e já planeja duas campanhas para fomentar o setor
SAÚDE
Decreto reabre crédito de R$ 1,6 bi para aquisição de vacinas

Mais Lidas

ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem