Menu
segunda, 12 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
MOBILE - Ambiental MS Pantanal - Aegea
Geral

Cai liminar que impedia a prefeitura de apagar grafites na cidade de São Paulo

24 fevereiro 2017 - 12h39Agência Brasil

A liminar que impedia a prefeitura de São Paulo de apagar os grafites feitos nos muros da cidade sem prévia autorização do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp) foi derrubada pela Justiça. De acordo com a decisão dessa quinta-feira (23), da desembargadora Maria Olívia Alves, o pedido feito por moradores da cidade é genérico e parece impedir a prefeitura de cuidar das áreas e dos prédios públicos.

Segundo a magistrada, a remoção de alguns murais de grafite, ocorrida em São Paulo, foi devidamente justificada pelo esgotamento temporal da autorização conferida pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU) e pelo fato de que os murais já estavam degradados por pichações ou desgastados pela emissão de gases pelos veículos.

"Há política de fomento à arte de rua no âmbito municipal e tal expressão cultural deve ser considerada à luz da paisagem urbana, de modo que não pode ser analisada tão somente sob a perspectiva do artista ou do entusiasta”, diz a decisão .

Para a desembargadora, não há dúvida de que as manifestações artísticas merecem toda a proteção por parte do Poder Público, conforme assegura a Constituição Federal, mas não se pode perder de vista que cabe ao próprio Poder Público exercer o poder de polícia ambiental e implementar políticas para zelar pela paisagem urbana. “No caso da cidade de São Paulo, tais políticas são justificadas à vista das pichações, que se evidenciam verdadeiros atos de vandalismo, espalhados por toda a cidade”.

A proibição ao prefeito João Doria foi feita no último dia 13 e caso fosse descumprida, a prefeitura seria multada em R$ 500 mil diários, além de outras sanções.

A liminar do juiz Adriano Marcos Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública, foi dada em virtude de uma ação popular contra a remoção de pinturas, desenhos ou inscrições caligrafadas em locais públicos, enquanto não forem definidas diretrizes pelo órgão municipal. A ação foi movida depois que o prefeito decidiu apagar um mural na Avenida 23 de Maio e pintar o muro de cinza.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Novas variantes P1 e P2 em circulação no MS tem maiores índices de contaminação
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no bairro Maria Leite
GERAL
Sindicato Rural de Corumbá contesta o relatório dos incêndios no Pantanal do MP
SAÚDE
Corumbá inicia a primeira etapa e vacinação contra Influenza
GERAL
Alterações no Código Brasileiro de Trânsito começam a valer
FECHAMENTO DA FRONTEIRA
Comerciantes amanhecem com protesto na Fronteira Brasil-Bolívia
GERAL
Receita adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda
MUDANÇAS NO CTB
Agora, crianças com até dez anos dependem de altura para uso de cadeirinha
GERAL
Carro sai da pista na BR 262 e passageiro fica ferido
GERAL
Acidente deixa condutor de moto ferido no Popular Velha

Mais Lidas

POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus