Menu
terça, 15 de junho de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Brigadistas enfrentam rotina de risco com remuneração de salário mínimo

20 agosto 2020 - 09h51Texto de Camilla Veras Mota do BBC New com adaptações de Gesiane Sousa

O fogo que já dura um mês no pantanal de Corumbá revela a rotina perigosa, desgastante e intensa dos Brigadistas. Os super-heróis do fogo, que arriscam a própria vida diariamente para salvar o bioma pantaneiro tem uma remuneração salarial nada promissora e um contrato temporário.

Segundo levantamento do BBC News, em matéria especial no site G1-MS, sobre a rotina dos Brigadistas, a remuneração para a grande maioria é de um salário mínimo, R$ 1.045. Chefes de esquadrão recebem um pouco mais.

O entrevistado, Washington Rojas, natural de Corumbá, assim como a grande parte dos brasileiros trabalha "com o que aparece". Em 2019, foi uma empresa de refrigeração. Depois, uma companhia de encanamento. Isso de janeiro a junho. Nos últimos 6 anos, quando chega o mês de julho ele "vira a chave". Rojas é um dos 90 brigadistas do Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) no Mato Grosso do Sul. Rojas convive por meses com uma rotina de desgaste físico e mental.

As Queimadas

O Pantanal vive a maior temporada de queimadas em décadas. Mesmo com o reforço das Forças Armadas, que têm cedido seus barcos e aviões e dado apoio logístico, o fogo já consumiu 1,5 milhão de hectares. Desse total, 910 mil estão em Mato Grosso do Sul e o restante, em Mato Grosso.

A chuva que caiu na região de Corumbá nos últimos dias ajudou a aliviar um pouco a situação, diz o supervisor de brigadas do Prevfogo Bruno Águeda, mas não foi suficiente para encharcar o solo. A onda histórica de frio que deve tomar conta do país nos próximos dias também não anima a equipe, já que o frio na região geralmente é seco. No ano passado, ele conta, a última operação ocorreu em meados de novembro.

Horário de 'pico' do fogo

O trabalho começa em geral às 8h e não tem hora para acabar." Quando a gente vê que dá pra vencer o fogo, a gente continua", diz Rojas. "Já cheguei a virar noite."

O combate noturno acaba sendo mais frequente do que os brigadistas gostariam. Isso porque o fogo tem "horário de pico". Se o intervalo entre 10h e 14h é o período mais crítico, depois que o sol se põe, quando a temperatura geralmente cai e a umidade aumenta um pouco, isso torno o trablaho um pouco mais fácil, porém é o período do dia mais perigoso para trabalhar. 

Como muitas regiões são de mata fechada — o que, aliás, torna o acesso às áreas de incêndio muitas vezes um desafio tão duro quanto o fogo em si —, o risco de ser picado por um animal peçonhento aumenta quando está tudo escuro.

Animais, em geral os mais lentos, são facilmente feridos pelas chamas, mas há situações em que o fogo brota de repente e qualquer um pode se ver cercado.

Mesmo com o apoio logístico das forças armadas, está difícil vencer o fogo no Pantanal. Foto: Divulgação

O fogo que 'aparece do nada'

O combate ao fogo na região do Pantanal tem uma série de particularidades, entre elas uma espécie de "fogo subterrâneo" que queima despercebido até que emerge para a superfície. É o chamado "fogo de turfa", explica Águeda. As secas e cheias que marcam as estações na região amadas de matéria orgânica no solo. É como se fosse um sanduíche, diz ele: uma camada de terra, outra de vegetação, outra de terra, e por aí vai.

Às vezes, o fogo consegue atingir uma dessas camadas mais profundas, ricas em matéria orgânica e altamente inflamáveis, e vai se espalhando por baixo da camada mais superficial da terra até encontrar alguma fissura e uma vegetação mais seca para emergir. Ele aparece do nada", diz ele.

Outro inimigo dos brigadistas é o vento, que às vezes muda subitamente de direção e leva o fogo junto. E às vezes isso acontece depois de um longo dia de trabalho, quando eles levaram horas fazendo os chamados aceiros: a retirada de uma faixa da vegetação para tentar brecar o avanço do fogo. "Às vezes o brigadista passa o dia inteiro batendo enxada e o vento leva o fogo para outro lado", diz o supervisor de brigadas.

'Sensação de impotência'

"A gente pode ter feito tudo, mas às vezes o vento muda e joga uma fagulha a 100 metros", diz o tenente-coronel Rodrigo Bueno, do Corpo de Bombeiros do Mato Grosso do Sul. "A coisa que mais choca é a sensação de impotência", diz ele, que há 10 anos está na corporação.

Os bombeiros militares são os outros protagonistas da força-tarefa que tenta controlar os incêndios florestais no Pantanal. De acordo com o último relatório sobre a operação, 81 bombeiros do Mato Grosso do Sul e 42 do Mato Grosso lutavam contra as chamas.

Dada a dimensão dos incêndios neste ano, foram montadas três bases para o combate: na região de Poconé/Sesc Pantanal (MT), em Corumbá (MS) e na terra indígena dos Kadwéus (MS).

O trabalho pode ser feito pelas equipes locais a partir das bases, com saídas diárias ou por meio de missões, quando as áreas são mais afastadas ou o pessoal vem de outra região. 

Em geral, a equipe se reúne às 6h da manhã para delinear a estratégia do dia e costuma voltar em torno de 19h. Mas não são raros aqueles que já passaram mais de 24 horas trabalhando sem interrupção.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTAVA ALCOOLIZADO
Condutor que atropelou e matou mulher na Rio Branco estava alcoolizado
VÍTIMA FATAL
Mulher morre atropelada por caminhonete na Avenida Rio Branco
CPI DA COVID
Na mira da CPI: Corumba é um dos municípios com irregularidades nas ações da Covid
SAÚDE
Vacina contra Influenza está aberta para novos públicos
EM TEMPOS DE PANDEMIA
Morador transforma calçada em jardim como forma de terapia
QUEDA DE MOTO
Homem fica ferido após queda de moto no Cristo
OPERAÇÃO HÓRUS
PMA prende dois caçadores, apreende três armas e munições e frustra caçada ilegal
ECONOMIA
Com alta no mercado internacional, saca do milho em MS valoriza 130% em um ano
GERAL
Prefeitura lança IPTU 2021 com até 30% de desconto para pagamento à vista
POLICIAL
PM frusta golpe em locadora e recupera dois veículos que seriam levados para a Bolívia

Mais Lidas

EM TEMPOS DE PANDEMIA
Morador transforma calçada em jardim como forma de terapia
VÍTIMA FATAL
Mulher morre atropelada por caminhonete na Avenida Rio Branco
ESTAVA ALCOOLIZADO
Condutor que atropelou e matou mulher na Rio Branco estava alcoolizado
CPI DA COVID
Na mira da CPI: Corumba é um dos municípios com irregularidades nas ações da Covid