Menu
sábado, 10 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
Andorinha Fevereiro
Geral

Até quando corumbaenses serão privados de transporte regular seguro?

01 julho 2020 - 17h02Redação

Desde o inicio de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o estado de pandemia no mundo, nada mais tem parâmetro e as regras foram totalmente invertidas. No dia 11 de julho, completam 4 meses de pandemia com números de doentes e mortos que só não são maiores do que a tristeza das famílias que perdem entes queridos para um inimigo tão voraz quanto o Covid-19. De lá para cá, já ouve cidades brasileiras que viveram em isolamento rígido, quase lockdown, e hoje se beneficiam de uma vida mais normalizada.

Dados diários registrados pelas secretarias de saúde indicam os melhores caminhos e o melhor momento para flexibilizar serviços. Em Corumbá, diversos setores já foram beneficiados e estão, aos poucos, retomando as rédeas e a autonomia para trabalhar. Academias, restaurantes, lanchonetes , comércio em geral e prestadores de serviço da cidade puderam retornar ao trabalho respeitando medidas preventivas para impedir a disseminação do vírus na cidade.

O único setor que ainda não recebeu flexibilização e continua paralisado é o transporte. O poder público municipal continua impedindo que corumbaenses possam se descolar dentro do próprio estado mesmo que para motivos de saúde. O terminal rodoviário continua interditado desde o final de março, por determinação da prefeitura.

Prefeito chegou a dar indicíos de que liberaria a circulação dos ônibus com medidas restritivas rígidas, mas depois voltou atrás. Foto: PMC

O prefeito Marcelo Iunes e o secretário de Saúde do município, Rogério Leite, já reconheceram em coletiva com transmissão ao vivo, no dia 22 de maio, que o fechamento da rodoviária não impedia o deslocamento das pessoas, que estavam optando por meios clandestinos, como as tais caronas amigas, denunciadas pelo site Capital do Pantanal no final de abril e por ônibus de fretamento, que realizam o transporte de passageiros na sorte de não serem parados em barreiras sanitárias ou até mesmo alterando o trajeto para escapar da fiscalização. O município chegou a divulgar o escopo de um plano de reabertura e medidas sanitárias para o retorno do transporte em 1º de junho, mas não cumpriu a possibilidade anunciada em 28 de maio. 

Rogério Leite, na Live afirmou:“do que nos adianta fechar o terminal rodoviário, se as pessoas ainda seguem viajando e chegando mais gente em nossa cidade? Isso interfere diretamente no trabalho da barreira sanitária, pois, sem a chegada dos ônibus de viagem, a ida e vinda de pessoas prosseguiram com ‘caronas amigas’ ou até mesmo com pessoas que estão insistindo no transporte irregular, colocando em risco a própria saúde e também de todos os moradores da cidade, com essa prática”. O bom senso que parecia indicar planejamento de medidas preventivas para reabrir o setor durou pouco. 

No dia seguinte a live municipal, que indicava possibilidade de flexibilização, a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos (Agepan) determinou recomendações sanitárias rígidas para retomada da operação das empresas de ônibus. Entre as indicativas: higienização dos veículos, equipamentos de proteção individual para funcionários e passageiros, oferta de álcool gel e máscaras para usuários, redução de passageiros nos carros e uma série de outras medidas, que não foram levadas em consideração pela prefeitura, que se mantém irredutível, defendendo a proibição.

Sem opção e com rodoviária fechada desde o final de março, usuários recorrem ao perigo das viagens clandestinas. Foto: PMC

O Ministério Público do Estado (MPE-MS) considerou a decisão municipal um tanto arbitrária demais e recomendou no dia 28 de abril, que o transporte intermunicipal fosse reestabelecido, considerando medidas preventivas no prazo de 48 horas. A prefeitura de Corumbá, teve o Tribunal de Justiça do Estado como aliada. O TJMS revogou a recomendação do MPE e rodoviária continua fechada. Para a justiça, a decisão é do munícipio e se quer o TJ tem interferência sobre o caso.

Ontem, a Câmara municipal de Corumbá adicionou um novo capitulo à história, Projeto de Lei de autoria do vereador Tadeu Vieira, que proíbe o embarque e desembarque de passageiros de transporte intermunicipal e interestadual fora da Estação Rodoviária da cidade foi aprovado por unanimidade e segue para sanção do prefeito.

O objetivo da proposta é impedir a clandestinidade que continua ocorrendo na cidade. A oferta existe porque há demanda e o poder público poderia ter as empresas de ônibus como aliadas. Juntos poderiam formar uma rede de proteção para cidade, detectando com mais facilidade pessoas sintomáticas, impedindo a entrada de infectados com mais eficiência e tirando os cidadãos do uso da clandestinidade, que perderia força perante o retorno do serviço regular de transporte.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
MUDANÇA NO CTB
Nova Lei entra em vigor com alterações sobre uso de farol em rodovias
ECONOMIA
Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado
GERAL
Corumbá recebe primeira remessa de queijos produzidos em assentamento rural
ESPORTE
Botafogo e Volta Redonda enfrentam-se neste sábado à noite
GERAL
CMDCA realiza neste sábado prova de conhecimento específico para Conselheiros Tutelares Suplentes
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
GERAL
Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é acusado de agredir a própria mãe no bairro Vila Guarani
OPERAÇÃO
Operação Ágata Oeste tem resultados expressivos de apreensão de drogas e armas
SAÚDE
Campanha de vacinação contra a gripe começa na segunda
SAÚDE
Corumbá institui Núcleo de Reabilitação Pós Covid com atendimento multidisciplinar