Menu
domingo, 11 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
Andorinha Fevereiro
Geral

Após 2 anos, Governo Federal não cumpre sentença de fornecimento de água potável a comunidade indígena

09 abril 2018 - 14h47Assessoria de Comunicação

O Ministério Público Federal em Navíraí (MPF/MS) pediu à Justiça a intimação da União para que ela comprove a distribuição de água potável de maneira permanente à comunidade indígena Pyelito Kue, situada em Iguatemi (MS). Atualmente, a comunidade é servida por caminhão-pipa, com periodicidade irregular, e recorre a cursos d'água não potável, já que o abastecimento não é suficiente.

A sentença definitiva da Justiça Federal de Naviraí,de 1º de abril de 2016,atendeu pedido do Ministério Público Federal e determinou “o início das obras em 30 dias para perfuração de poço, instalação de sistema de tratamento de água e rede de distribuição para as residências dos indígenas e a conclusão das mesmas em 120 dias”.

Caso não haja a comprovação, por parte da União, do cumprimento dos pedidos, o MPF pede que seja cobrada multa e o valor seja bloqueado nos cofres públicos,de forma que a perfuração do poço e a implementação do sistema de tratamento de água possam ser efetivadas.

Entenda o caso

O MPF ajuizou ação civil pública em setembro de 2015 contra a União, depois de constatadas as péssimas condições de acesso à água da comunidade Pyelito Kue. Mesmo após a concessão de tutela antecipada, posteriormente confirmada por sentença judicial,que determinou fornecimento de água aos moradores da aldeia, a situação não foi resolvida.

Segundo o Ministério Público Federal em Naviraí (MS), representantes da aldeia Pyelito Kue informaram que precisaram voltar a buscar água em minas de procedência duvidosa, por conta do não funcionamento da Mini Estação de Tratamento de Água (Mini-ETA), instalada de forma incompleta pela Secretaria Especial de Saúde Indígena, a Sesai. Foi confirmada a precariedade da situação por meio de visita do MPF à comunidade, que constatou, também, a irregularidade do abastecimento por meio de caminhão-pipa,medida adotada pela Sesai após fracasso na instalação da Mini-ETA. Segundo moradores, em várias ocasiões, o abastecimento acontecia apenas uma vez por semana, insuficiente para a comunidade de 180 pessoas.

O MPF concluiu que não havia a quantidade de água suficiente para uma sobrevivência digna, de forma que os moradores não tinham alternativa além de consumir água de córregos próximos,estes muitas vezes contaminados com agrotóxicos e resíduos.

Para o MPF, “os insistentes pedidos que a comunidade tem feito especificamente pela perfuração de um poço não é uma exigência desproporcional, irrazoável ou um luxo. Trata-se de um insistente clamor de uma comunidade que está vendo sua sobrevivência ameaçada diuturnamente, diante do passivo olhar do Estado”.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
MUDANÇA NO CTB
Nova Lei entra em vigor com alterações sobre uso de farol em rodovias
ECONOMIA
Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado
GERAL
Corumbá recebe primeira remessa de queijos produzidos em assentamento rural
ESPORTE
Botafogo e Volta Redonda enfrentam-se neste sábado à noite
GERAL
CMDCA realiza neste sábado prova de conhecimento específico para Conselheiros Tutelares Suplentes
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
GERAL
Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Mais Lidas

POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus