Menu
sábado, 10 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
MOBILE - Ambiental MS Pantanal - Aegea
Geral

André e Rose lideram 1ª pesquisa para o Governo em eleição 2022

03 março 2021 - 10h18O Jacaré

O ex-governador André Puccinelli (MDB) e a deputada federal Rose Modesto (PSDB) lideram a primeira pesquisa sobre a sucessão de Reinaldo Azambuja (PSDB). Realizado em 20 municípios com 1,7 mil eleitores, o levantamento do Instituto Ranking mostra que não há candidato a governador favorito e qualquer um pode despontar nas eleições de 2022.

Outra constatação é que os pré-candidatos em campanha, como o senador Nelsinho Trad (PSD), o secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB) e a senadora Soraya Thronicke (PSL) vão precisar gastar sola de sapato para se tornarem conhecidos e despontarem com chance de serem competitivos na sucessão estadual.

Prefeito da Capital e governador do Estado por dois mandatos, Puccinelli lidera todos os cenários. Na espontânea, ele surge com 6,35%, enquanto no cenário mais provável, o emedebista tem 12,06%. A sondagem mostra que o ex-governador perdeu o gás com ao se enrolar nas denúncias de corrupção e até ser preso duas ocasiões pela Polícia Federal, em 14 de novembro de 2017 e 20 de julho de 2018.

A segunda colocada é a deputada Rose Modesto, com 4,06% na espontânea e 9,18% no cenário com poucos candidatos. Ela tem 7% na primeira hipótese. No entanto, a tucana não é a preferida do PSDB, que já lançou Eduardo Riedel. Aliás, Reinaldo pode ter dado o golpe de misericórdia nos sonhos da deputada ao fechar aliança com o Podemos, que era apontado como o partido reserva para ela ser candidata em 2022.

O presidente regional do Podemos, Sérgio Murilo Nascimento Mota, virou secretário estadual de Governo e Gestão Estratégica, ou seja, principal articulador político de Reinaldo. Ao aceitar o cargo, ele acabou endossando a candidatura de Riedel apesar do empenho de Rose nas eleições municipais, que conseguiu eleger três vereadores em Campo Grande.

Alvo de várias ações por improbidade e acusado de receber propina na licitação do lixo, o senador Nelsinho aposta no apoio da mídia e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para superar o desgaste e ganhar força na disputa do Governo. Ele surge com 6,29% em um cenário e fica em 5º lugar na possibilidade de uma penca de candidatos. Na espontânea, ele ficou com apenas 2,06%.

Segundo colocado na disputa de 2018 e depois de conquistar mais de 600 mil votos, o juiz federal Odilon de Oliveira (sem partido) viu o capital político encolher drasticamente em dois anos. Na espontânea, ele ficou com 3,53%, em 3º lugar. Já no outro cenário estimulado, o magistrado obteve 4,24%, em 3º lugar. Isso significa que ele ficou com um décimo dos votos conquistados há dois anos.

Eduardo Riedel colhe os desgastes da administração do PSDB e ficou com 1,53%, em 7º lugar na espontânea, atrás também da ministra da Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina (DEM), com 3,29%, do ex-governador Zeca do PT, com 2,24%, e de Nelsinho, com 2,06%.

Na pesquisa com poucos candidatos, Riedel ficou em 4º, com 5,82%, atrás de Nelsinho, Rose e André. Já no cenário com vários candidatos, o tucano obteve 3,59%, 6º lugar, atrás de André (9,18%), Rose (7%), Odilon (4,24%), Tereza Cristina (4,12%) e Nelsinho (3,71%).

Ele consegue ficar a frente do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), que obteve apenas 2,06%. Isso significa que o médico não é tão querido em Mato Grosso do Sul como em nível nacional, já que chegou a pontuar o dobro em pesquisa visando a sucessão de Jair Bolsonaro em 2022. Na espontânea, Mandetta obteve apenas 1,47%.

O Instituto Ranking mostra que o mais rejeitado é Zeca, com 12,35%. O petista é seguido por outros políticos acusados de corrupção, como André (10,12%), Delcídio do Amaral (PTB), com 9,18% e Nelsinho (8,53%).

A pesquisa mostra um cenário nebuloso e, pela primeira vez, a disputa pela sucessão estadual começa sem um amplo favorito, com mais de 30% nas pesquisas. Todos possuem chance de chegar ao segundo turno e de crescer no decorrer da pré-campanha.

Como o tempo de campanha é curtíssimo, de apenas 45 dias, a chance do candidato crescer neste período é remota. Isso quer dizer que quanto mais cedo o candidato ou candidata colocar o bloco na rua, maior a chance de ter sucesso em 2022.

Preferida pelo PSDB de novo, Rose pode ficar também sem a janela, já que o Podemos embarcou na gestão de Reinaldo e sinaliza apoio a Riedel Foto: Divulgação

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
MUDANÇA NO CTB
Nova Lei entra em vigor com alterações sobre uso de farol em rodovias
ECONOMIA
Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado
GERAL
Corumbá recebe primeira remessa de queijos produzidos em assentamento rural
ESPORTE
Botafogo e Volta Redonda enfrentam-se neste sábado à noite
GERAL
CMDCA realiza neste sábado prova de conhecimento específico para Conselheiros Tutelares Suplentes
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
GERAL
Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é acusado de agredir a própria mãe no bairro Vila Guarani
OPERAÇÃO
Operação Ágata Oeste tem resultados expressivos de apreensão de drogas e armas
SAÚDE
Campanha de vacinação contra a gripe começa na segunda
SAÚDE
Corumbá institui Núcleo de Reabilitação Pós Covid com atendimento multidisciplinar