Andorinha

Representantes da segurança pública de MS defendem permanência dos investimentos na categoria

Por Gesiane Medeiros com informações da assessoria20 ABR 2017 - 08h45min
Por 17 votos a cinco, a Assembleia Legislativa aprovou em segunda votação a proposta que limita os cargos do governo estadual por 10 anos.Foto: Divulgação

Em reunião ocorrida no final desta terça-feira (18), na sede da OAB/MS, representantes da segurança pública de Mato Grosso do Sul levantaram discussão sobre o efeito da aprovação da PEC 01/2017 do Poder Executivo que limita os gastos públicos do governo pelos próximos 10 anos. Para os presentes, é necessário manter os investimentos em segurança no estado.

No encontro, o deputado estadual Coronel David e autoridades das polícias militar e civil, representantes da ABSS, da OAB/MS, ACICG/MS, entidades representativas da sociedade civil organizada e Conselhos Comunitários de Segurança Pública, debateram sobre formas de continuar buscando investimentos para a segurança pública, mesmo com a aprovação da PEC. “Fizemos diversas reuniões com entidades representativas, membros da assembleia legislativa e até mesmo com o Governo do Estado para dialogar sobre a permanência de investimentos para a segurança do nosso MS. Agora que a PEC foi aprovada, eu, como membro da segurança pública há mais de 30 anos, deputado estadual e presidente da Comissão de Execução Orçamentária, vou continuar cumprindo o meu dever, que é exigir melhorias e investimentos necessários para que a população seja atendida a contento em relação à segurança pública no Mato Grosso do Sul”, decretou o deputado. 

De acordo com o presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), José Evaristo de Freitas Pereira, a aprovação da PEC trará muitos prejuízos à segurança no Estado. “Tentamos o diálogo, buscamos argumentar em diversas situações com o Executivo, mas infelizmente não tivemos o esperado. Apesar de considerar esse cenário desastroso para os interesses da sociedade, não podemos nos acomodar com essa situação e desistir dos nossos objetivos, que é o de buscar melhorias na segurança para o bem da nossa sociedade”, disse o presidente. 

A proposta limita os cargos do governo estadual por 10 anos e o crescimento dos gastos nesse período será restrito à inflação medida pelo IPCA, acumulada no período de 12 meses, com acréscimo de 20% do crescimento real da Receita Corrente Líquida. O percentual poderá ser elevado em até 50% a depender do comportamento da receita.

Deixe seu comentário

Leia Também

Educação

Matrícula para cursos técnicos integrados do IFMS em Corumbá inicia nesta quarta

Direito

Determinação obriga INSS agendar perícia médica em até 45 dias em municípios de MS

Desenvolvimento

Turismo de MS será divulgado durante o Festival das Cataratas

Prazo

Trabalhador tem até sexta-feira para sacar o PIS/Pasep

Investigação

Governo apura fraudes da JBS em acordo de incentivos fiscais

Imposto

Ladário prorroga vencimento da primeira parcela ou cota única do IPTU para julho

Cultura

Governo anuncia recurso de R$ 2,4 milhões para Festival América do Sul