Matrículas - Sesi

Reinaldo Azambuja diz esperar que MS atinja o nível de “‘carbono neutro”

Por Portal do MS07 NOV 2017 - 12h02min
Governador pede pressa na regulação da política de estímulo aos biocombustíveis em conferência do setor agroenergético.Foto: Divulgação/Datagro

 

 

O governador Reinaldo Azambuja defendeu, como porta-voz do bloco de governadores dos estados do Brasil Central, “uma política de Estado e não de governo” para estimular a produção de biocombustíveis, dentro da proposta RenovaBio. O Forúm do Brasil Central foi criado em 2015 pelos governadores de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Distrito Federal e recebeu a adesão também dos estados de Rondônia e Maranhão.

O governador participou nessa segunda-feira (6.11), em São Paulo, da abertura da 17ª Conferência Internacional Datagro – “Um novo começo para o açúcar e etanol”. Ele foi homenageado pela contribuição às ações socioambientais e falou da importância estratégica do setor agroenergético para o crescimento econômico sustentável, mas lembrou dos desafios quanto à regulação, infraestrutura e logística.

Reinaldo Azambuja destacou a liderança do Brasil na geração de energia limpa, de fontes renováveis, deve se fortalecer e refletir no crescimento do setor sucroenergético, segmento que, segundo o governador de Mato Grosso do Sul, dá uma grande contribuição ao desenvolvimento econômico e social, mas a falta de um programa de estímulo ao setor e restrições do mercado inibiram investimentos na produção de biocombustíveis nos últimos cinco anos, conforme demonstram as estatísticas.

O RenovaBio foi à consulta pública no primeiro trimestre de 2017, teve suas diretrizes aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em junho e depois foi enviado à Casa Civil para formatação como Medida Provisória (MP) ou Projeto de Lei. O governador Reinaldo Azambuja disse que todos os estados do Brasil Central assinaram documento em defesa da proposta.

Reinaldo Azambuja aproveitou o evento para reforçar a necessidade da reforma da previdência, com o fim das distorções e “privilégios que drenam grande parte da receita das contribuições”.  O governador disse que as reformas não de vem ser tratadas como política de governo, mas sim de Estado. “Os governos passam”, afirmou, notando que no caso da previdência é vital para a saúde financeira da União, Estados e Municípios, cujos orçamentos já estão comprometidos em razão do déficit previdenciário.

Deixe seu comentário

Leia Também

Conexão Internacional

Voo direto entre Campo Grande e Paraguai começa funcionar

Capital

Caminhada em Campo Grande pede tolerância com diversidade religiosa

Internacional

Paraguai reconstitui hoje assassinato de jornalista na fronteira com MS

Oportunidade

Semana começa com 420 vagas em concursos e salários de até R$ 19,4 mil

Serviço

Ação Cidadania da Fiems encerra o ano com 36,9 mil atendimentos

Educação

Prova do IFMS reúne mais de 3,4 mil candidatos em dez municípios

Serviço

Em Corumbá, vereador cobra instalação de loja ou posto de atendimento da Oi