Matrículas - Sesi

Proibição da pesca começa dia 1º de novembro na bacia do Rio Paraná

Por Portal do MS31 OUT 2017 - 10h57min

A partir desta quarta-feira, 1º de novembro, está proibida a pesca esportiva e comercial nos rios Paraná, Paranaíba e Aporé, de domínio da União, na divisa de Mato Grosso do Sul com São Paulo e Paraná. Na bacia do rio Paraguai, que abrange o planalto e a planície (Pantanal), a temporada de pesca cessa à meia-noite de domingo (5.11).

Durante período de proibição, a PM monitora os cardumes, que sobem os rios em direção às cachoeiras e corredoras. Foto: Divulgação

Em ambas as bacias, a proibição segue até 28 de fevereiro, correspondendo ao período de defeso ou piracema (reprodução dos peixes) determinado pelas legislações federal (Ibama) e estadual (Imasul). Na calha do rio Paraguai, é permitido o pesque-solte a partir de 1º de fevereiro, cuja modalidade começa a atrair centenas de pescadores a Corumbá.

Pesca de subsistência

No período de piracema, de acordo com a Polícia Militar Ambiental (PMA), a pesca amadora permanece aberta nos lagos das usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paraná, para a captura (10 kg de pescado mais um exemplar) de espécies não nativas e exóticas, ou seja: tucunaré, corvina, bagre africano, tilápia e bagre africano, etc.

O coronel Edmílson Queiróz, responsável pelo setor de relações públicas da PMA, explicou que em relação à pesca nos lagos do Paraná a cota não tem limite para pescadores profissionais, que poderão utilizar apenas molinete e linhadas de mão. O pescador deve respeitar 1500 metros de distância das barragens das usinas.

Em todos os rios do Estado (bacias do Paraguai e do Paraná), no período de defeso, é permitida somente a pesca de subsistência (3 kg ou um exemplar) para o morador ribeirinho. “Pessoas que moram nas cidades ribeirinhas não podem pescar. A pesca de subsistência é para a comunidade tradicional, que depende daquela proteína para sobreviver”, alerta Queiróz.

Cardumes monitorados

A fiscalização da PMA durante a piracema, segundo o relações públicas, concentra-se com equipes fixas nas regiões de cachoeiras e corredeiras, que concentram os cardumes para o processo de reprodução. “Na piracema, realizamos um trabalho diferenciado e de prevenção, que é o monitoramento dos cardumes até o ponto de desova”, explica.

A fiscalização nesse período é menos complexa do que durante a temporada de pesca e, principalmente, nos feriados prolongados, que mobilizam todo o efetivo da corporação, distribuído por 25 unidades. Os meses mais críticos, conforme coronel Queiróz, são setembro e outubro, quando o número de turistas triplica.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Estratégia

Fiscalização pode deixar passageiros da Siriema a pé

Transporte

Seriema não quebra monopólio e terá que atuar dentro da lei da fretagem

Alerta

Consumidor deve desconfiar de grandes descontos em Black Friday, diz Procon

Em pauta

Prefeito discute medidas para cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal

Evento

Interessados em participar das oficinas do VI Fegasa devem se inscrever até 28 de novembro

Internacional

América Latina joga 145 mil toneladas de lixo orgânico por dia em aterros

Política

Anthony Garotinho e Rosinha são presos no estado do Rio