Andorinha - Novos ônibus

Polícia Federal vai ampliar combate à corrupção, diz novo diretor-geral

Por Agência Brasil11 NOV 2017 - 09h55min
Delegado Fernando Segóvia assume a direção-geral da Polícia Federal.Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Nomeado pelo presidente Michel Temer, o novo diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segóvia, foi empossado hoje (10) pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim. Ele substitui Leandro Daiello, que permaneceu no cargo durante seis anos.

Após a posse, Segóvia disse que a PF pretende ampliar ações de combate à corrupção e abrir novas frentes de investigação na Operação Lava Jato.

“A Lava Jato, na realidade, é uma das operações de combate à corrupção no país. O que a PF pretende é aumentar, ampliar o combate à corrupção. Então não será só uma ampliação, uma melhoria na Lava Jato, será em todas as operações que a PF já vem empreendendo. Bem como ampliar, criar novas operações”, disse.

Em seguida à posse, Segóvia se reuniu com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, uma das primeiras atividades do diretor no cargo.

Formado em Direito pela Universidade de Brasília, Segóvia está há 22 anos na PF. Foi superintendente regional no Maranhão e adido policial na África do Sul. Em boa parte de sua carreira, exerceu funções de inteligência nas fronteiras do Brasil.

Leandro Daiello estava no cargo desde 2011, nomeado na gestão do então ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e já havia manifestado interesse em deixar o cargo.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Saúde

MEC habilita faculdade particular para implantar curso de Medicina em Corumbá

Economia

Dólar abre em alta, cotado a R$ 4,12

Eleições 2018

Líder, Azambuja tem 42,9%; juiz Odilon é segundo, com 29,35%

Policial

Acusado de matar adolescente e jogar corpo em córrego se apresenta a polícia

Policial

Adolescente diz que apanhou da mãe ao se rebelar contra estupros de padrasto

Tempo

Previsão de chuva e máxima de 40°C em MS nesta terça-feira

Eleições 2018

MS tem 61 mil eleitores impedidos de votar