Andorinha

PMA prende dono de restaurante por comercialização ilegal de combustível e desacato

Por Kamilla Marques14 JUN 2018 - 09h57min
PMA prende em flagrante e autua dono de restaurante em R$ 17 mil por armazenamento e comercialização ilegal de combustível, poluição e desacatoFoto: Divulgação PMA

Policiais Militares Ambientais de Cassilândia receberam denúncias, de que o proprietário de um restaurante, localizado à margem da rodovia BR 158, entre as cidades de Cassilândia e Paranaíba estaria comercializando combustível (produto perigoso) ilegalmente. Uma equipe foi ao local nesta quarta-feira (13) e encontrou armazenados diversos galões vazios e com combustível, que o infrator estava comercializando no local sem autorização ambiental.

Além do armazenamento e comércio do produto perigoso, devido a falta de proteção, muito combustível caiu ao solo, causando contaminação. 450 litros de combustível foram apreendidos.  Durante a vistoria, o infrator (44), residente em Cassilândia, que possui várias passagens penais, desacatou os Policiais e, mesmo advertido dos crimes cometidos, não cessou os desacatos e foi preso.

O Infrator foi conduzido à delegacia de Polícia Civil de Cassilândia, juntamente com o combustível apreendido e foi autuado em flagrante por crime ambiental de armazenamento e comércio de substância perigosa sem a licença ambiental e por poluição, cujas penas é de um a quatro anos de reclusão, para cada tipo de crime.

O comerciante também responderá por desacato. A PMA confeccionou ainda um auto de infração administrativo e arbitrou multa de R$ 17.000,00 contra o autuado.

Deixe seu comentário

Leia Também

Crimes Fronteiriços

Veículo Bolíviano será apreendido se não pagar multa

Justiça

Quatro servidores estaduais tornam-se réus em ação penal no STJ

Reconhecimento

Câmara homenageia defensores públicos com título de Cidadão Corumbaense

Educação

Prefeito convoca 50 técnicos de educação infantil aprovados em concurso

Educação

Inep divulga resultado do Enem 2018

Loteria

Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar a R$ 33 milhões

Justiça

Prefeitura reconhece dívida de R$ 40 mil com a Amapil Táxi Aéreo