Matrículas - Sesi

Parada LGBTI de Copacabana recorre a financiamento coletivo

Por Agência Brasil23 OUT 2017 - 10h53min

Os organizadores da Parada LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais) de Copacabana recorreram a uma ferramenta de financiamento coletivo na internet para compensar a crise enfrentada em 2017, enquanto negociam o patrocínio de apoiadores privados para o ato de 19 de novembro.

As dificuldades levaram os organizadores a adiar a manifestação, que estava anteriormente programada para 15 de outubro.

A campanha de financiamento coletivo do Grupo Arco-Íris, organizador da parada, pretende arrecadar até R$ 350 mil com a ajuda de internautas e busca atingir, ao menos, R$ 150 mil.

Segundo o grupo, mesmo que o formato da parada mude e não inclua shows, é necessária uma estrutura mínima de UTIs móveis, banheiros químicos e outros serviços exigidos pelo Poder Público. Se a meta mínima de R$ 150 mil não for atingida, todo o dinheiro será devolvido aos doadores, segundo a plataforma Benfeitoria.

Além de recursos financeiros, empresas podem se associar aos organizadores da parada e doar serviços, como os banheiros químicos e lanches dos voluntários.

O diretor sócio-cultural do Grupo Arco-Íris, Julio Moreira, destaca que a parada vem contando com a divulgação de artistas e recorrendo a movimentos sociais para ampliar a campanha. Para os próximos anos, a ideia é consolidar o último domingo de junho como data fixa da parada, favorecendo a programação turística da cidade e a chegada de turistas estrangeiros.

"A parada se tornou a parada da resistência. A luta não é só pelo Grupo Arco-Íris e o movimento LGBT. A gente precisa unir os segmentos da sociedade que vem sofrendo com o fundamentalismo religioso e a discriminação", define.

"Não ter a parada é um impacto simbólico grande não só para a comunidade LGBT, mas para todos os grupos que lutam pelos direitos humanos", completa.

A página de financiamento coletivo prevê doações que vão desde R$ 20 até R$ 50 mil. Os doadores receberão diferentes recompensas, que vão desde a inclusão do nome no painel de agradecimentos no site do grupo até acesso aos trios elétricos no dia do evento.

A parada ainda tenta captar recursos por meio das leis de incentivo à cultura e não contará neste ano com aportes diretos da Prefeitura do Rio. Segundo a Riotur, empresa municipal que fazia o aporte, o motivo é falta de recursos. Para 2018, as paradas de Copacabana e Madureira tiveram seus projetos aprovados pela Secretaria Municipal de Cultura e poderão captar recursos de renúncia fiscal do Imposto Sobre Serviços (ISS).

Segundo a Riotur, a Parada de Copacabana também foi incluída no calendário de eventos Rio de Janeiro a Janeiro, que terá o apoio de R$ 200 milhões do governo federal, por meio do investimento de empresas públicas no ano que vem. Também estão previstos benefícios fiscais, como a redução de impostos.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Política

No Ministério do Turismo, prefeito discute liberação de verbas para distrito turístico

Serviço

CAC fica aberto até às 19 horas de hoje para adesão ao REFIC

Fuga

Interno não consegue entrar com celular e foge do semiaberto

Serviço

Testes na nova ETA de Ladário pode causar falta de água até sábado (25)

Otimismo

Aumenta vagas de emprego no comércio de MS

Comunicado

Prorrogada publicação dos classificados no processo seletivo da Fundtur

Educação

Governo finaliza compra de uniformes, kits e merenda escolar para 2018