Matrículas - Sesi

MS inicia processo para integrar controle de produtos de origem florestal ao Sinaflor

Por Portal do MS10 NOV 2017 - 10h54min

Uma determinação do Código Florestal, a integração do atual Sistema Imasul de Registros e Informações Estratégicas do Meio Ambiente (Siriema) ao Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor) teve dois passos decisivos nesta semana com a capacitação de servidores do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) e a apresentação do novo software aos consultores e profissionais da área. Ambas as atividades foram feitas por técnicos do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis), na quinta-feira (9.11).

O Sinaflor já está implantado em nove estados da Federação e a determinação é de integrar todo País até janeiro próximo. A plataforma foi desenvolvida pelo Ibama para controlar a origem da madeira, do carvão e de outros produtos e subprodutos florestais, desde a autorização de exploração até o transporte, o armazenamento, a industrialização e a exportação.

Entre os benefícios do sistema estão o rastreamento de toda a cadeia produtiva da madeira, a transparência no controle da origem dos produtos florestais e a segurança na transferência de créditos para o sistema do Documento de Origem Florestal (DOF). Permite ainda a integração do Cadastro Ambiental Rural (CAR) com o Ato Declaratório Ambiental (ADA), os planos de manejo florestais sustentáveis e as autorizações de supressão de vegetação, o que favorece o uso sustentável de recursos florestais.

O diferencial do novo sistema é a transparência e a desburocratização das ações nesse segmento, disse o presidente do Imasul, Ricardo Eboli. “O Sinaflor vai ser importante por conta da integração do controle dos produtos de origem florestal, desde a autorização de supressão, armazenamento, transporte e utilização de todo material resultante, não só de origem natural como de floresta plantada. Isso tudo integrado ao CAR, o que dará segurança plena ao órgão ambiental para gerir com eficiência os recursos de origem florestal”.

A coordenadora substituta de Monitoramento de Uso da Flora do Ibama, Ana Clara Fernandes, destaca o caráter transparente e a simplificação dos processos do Sinaflor. Ela cita como exemplo um pedido de supressão vegetal. O profissional contratado pelo proprietário do imóvel – e cadastrado junto ao Imasul para acessar o sistema – dá entrada no pedido, junta a documentação necessária e pode acompanhar online o andamento do processo em cada etapa. Se for preciso juntar mais algum documento, o procedimento é facilitado por permitir que seja feito por meio eletrônico e tão logo o técnico responsável pelo processo no Imasul fazer a solicitação. Isso dará agilidade e transparência ao processo, garante.

Atualmente, não há um registro nacional dos processos de supressão e controle dos produtos de origem florestal. É preciso reunir as informações em cada estado para ter um balanço geral. Com o Sinaflor operando em todos os estados, será possível emitir relatórios a qualquer instante porque as informações serão em tempo real.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Combate ao tráfico

Polícia Civil estoura ‘boca’ no Loteamento Pantanal

Procon

Empresas são autuadas por impedirem reserva de passagens interestaduais gratuitas

Emprego

Mercado de Trabalho de MS inicia recuperação e gera mais de 700 vagas em outubro

Educação

IFMS divulga gabarito do Exame de Seleção para os cursos técnicos

Brasil

Presídios terão banco de dados sobre situação de detentos

Concorrência

Ônibus vai operar de Corumbá para Capital com fretagem a R$ 140 ida e volta

Segurança

Receita doa câmeras ao Município e amplia videomonitoramento na fronteira