Menu
terça, 15 de outubro de 2019
Campanha Viajar Andorinha - Abraço
Mobile - Campanha Viajar Andorinha - Abraço
Geral

MPF recorre de sentença que absolveu dois acusados em uma das ações da Operação Sangue Frio

Para o MPF, Alcides Manoel do Nascimento e José Anderson de Souza Goldiano beneficiaram-se de licitação fraudada em parceria com José Carlos Dorsa

21 agosto 2019 - 16h31Flávia Ibanez

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu de sentença proferida pela 5ª Vara Federal de Campo Grande (MS) que absolveu Alcides Manoel do Nascimento e José Anderson de Souza Goldiano das acusações de fraude licitatória e peculato alegando não existir provas suficientes para a condenação.

Ambos foram denunciados pelo MPF em uma das 15 ações referentes à Operação Sangue Frio, especificamente por desvios da ordem de R$ 166 mil, por meio de superfaturamento de serviços contemplados em licitação fraudada do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (HU), que direcionou o contrato à empresa Cardiocec.

A mesma decisão condenou Alcides Manoel à pena de 1 ano e 2 meses de reclusão, mais pagamento de multa, por dois crimes de falsificação documental. O MPF também recorreu da pena aplicada a Alcides Manoel.

Entenda o caso – Segundo a denúncia do MPF, entre os meses de setembro e novembro de 2009, José Carlos Dorsa, ex-diretor do HU falecido em março de 2018, Alcides Manoel e José Anderson fraudaram licitação do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian. Durante toda a duração do contrato referente a esse procedimento licitatório, dezembro de 2009 a janeiro de 2014, os três denunciados desviaram em proveito próprio recursos públicos da ordem de R$ 166 mil provenientes dos serviços prestados por meio referida licitação em valores superfaturados.

Em agosto de 2012, José Carlos Dorsa e Alcides Manoel, junto a Rafael Cantero Dorsa e Victor do Espírito Santo, outros dois denunciados na mesma ação, falsificaram documento e fizeram uso dele junto à Controladoria Geral da União (CGU). Este foi o único crime pelo qual Alcides Manoel foi condenado na referida decisão.

Alcides Manoel e José Anderson figuravam como sócios da Cardiocec, empresa gerida de fato por José Carlos Dorsa que foi favorecida pela licitação fraudada do HU. Para o MPF, as provas deixaram claro que José Anderson, Alcides Manoel e Dorsa atuaram decisivamente para direcionar a licitação, incluindo cláusulas restritivas que só seriam atendidas pela Cardiocec e por José Anderson, em contrariedade à Lei de Licitações, que veda tais cláusulas e a participação em licitações de empresas pertencentes aos dirigentes da entidade pública, desviando em benefício próprio e de seus parceiros os valores pagos com o superfaturamento.

Recurso – O MPF interpôs recurso junto ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) pedindo a condenação de Manoel e José Anderson pela prática dos crimes pelos quais foram absolvidos. No recurso, o órgão ministerial argumenta que na aplicação da pena devem ser levadas em conta as circunstâncias e consequências dos crimes, absolutamente desfavoráveis, considerando o expressivo valor financeiro envolvido e a desmoralização da instituição pública de onde o dinheiro foi desviado.

Além disso, o recurso aponta a culpabilidade gravíssima por tratar-se de profissionais da saúde, categoria que inerentemente goza da confiança da sociedade, e o fato de que os denunciados apresentam condição social e grau de instrução favorecidos e em momento algum demonstraram arrependimento pelas graves condutas praticadas em prejuízo do erário e da sociedade.

O MPF recorreu também da pena aplicada a Alcides Manoel por falsificação de documento por considerar que o nível de culpabilidade do denunciado é muito elevado já que, em conjunto com o diretor-geral do HU, “tinha plenas condições de observar a lei e assim não o fez, tratando com menosprezo total a atividade de auditoria levada a cabo pela CGU”. Considerando isso e questões relativas à condição pessoal e às circunstâncias e consequências dos crimes, o recurso pede que a pena seja elevada para 2 anos e 4 meses de prisão.

Sangue Frio – A Operação Sangue Frio, deflagrada pela Polícia Federal e pela CGU em 2013, apurou diversas irregularidades ocorridas na Fundação Carmem Prudente de Mato Grosso do Sul (Hospital do Câncer), como: contratação de empresas prestadoras de serviço de propriedade dos diretores ou vinculados à família do médico Adalberto Siufi; contratação de familiares para ocupar funções responsáveis pelas finanças da fundação e para ocupar altos cargos; cobrança do Sistema Único de Saúde de procedimentos de alto custo após o óbito dos pacientes; e acordo com farmácia com indício de superfaturamento. As investigações acabaram levando à identificação de crimes de mesma natureza em outros hospitais, como é o caso do Hospital Universitário.

 

Ação Penal nº 0006570-97.2015.403.6000

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
Deputado Evander solicita à SED cursos técnicos na Escola 2 de Setembro de Ladário
21 milhões de animais
Iagro define calendário de vacinação contra febre aftosa em Mato Grosso do Sul
Corumbá
Contrato prevê R$ 20,6 milhões em compensação ambiental por mineração
Balanço
Maternidade da Santa Casa faz 23 partos em 72 horas
Mérito
Dr. Manoel João, da Santa Casa de Corumbá, recebe homenagem da Assembleia Legislativa de MS
Ação Social
Bingo Solidário da Rede Feminina acontece neste sábado, dia 26
Evento
Fundação de Cultura MS lança Festival América do Sul nesta quarta, dia 16
Crime Ambiental
PMA e Ibama apertam cerco contra o tráfico de animais
Utilidade Pública
Bairros de Ladário podem ficar sem água mais uma vez
Geral
Senai de Campo Grande promove de 22 a 25 de outubro a 1ª Semana de Refrigeração

Mais Lidas

Aterrorizante
Madrasta é acusada de arrancar cabelos de menina de 7 anos em Campo Grande
Chacina
Três homens são assassinados com tiros na cabeça e tórax na região rural de Corumbá
Policial
Mulher usa faca para defender filhos de marido agressor
Tráfico de Drogas
Mulheres são flagradas com mais de 8 quilos de cocaína na fronteira Brasil/Bolívia