Governo - Doação de Órgãos

Ministério divulga lista suja do trabalho escravo

Por Agência Brasil28 OUT 2017 - 10h17min
Policial federal avalia condições em alojamento de trabalhores.Foto: Marcello Casal Jr/Arquivo/Agência Brasil

O Ministério do Trabalho divulgou o cadastro de empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas às de escravo, conhecida como “lista suja”. A publicação tem informações sobre 131 empregadores autuados em fiscalizações e detalha dados como o número de trabalhadores flagrados nas condições irregulares, endereço do estabelecimento e a data em que ocorrência foi registrada. A lista tem informações desde 2010.

O cadastro foi divulgado após transitada em julgado na Justiça do Trabalho do Distrito Federal ação protocolada em 2016 pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em que, segundo o órgão, a União descumpria ordem judicial que a obrigava a publicar o cadastro dos empregadores condenados administrativamente pelas infrações e atualizá-lo a cada seis meses no máximo. O descumprimento da medida levaria à aplicação de multa diária no valor de R$ 10 mil.

A sentença da Justiça do Trabalho coincidiu com outra decisão sobre a lista suja, na semana passada. Por meio de liminar, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber suspendeu os efeitos de portaria do Ministério do Trabalho que estabelecia novas regras para a caracterização de trabalho análogo ao escravo e para atualização do cadastro de empregadores que tenham submetido trabalhadores a tal condição.

As novas normas serviriam também para a concessão de seguro-desemprego ao trabalhador que for resgatado em fiscalização do Ministério do Trabalho. A medida da pasta gerou reações contrárias de entidades e organismos internacionais.

A decisão de Rosa Weber acolheu os argumentos do partido Rede Sustentabilidade, segundo o qual a portaria abre margem para a violação de princípios fundamentais da Constituição, entre eles, o da dignidade humana, o do valor social do trabalho e o da livre iniciativa. A liminar da ministra tem validade até o julgamento da ação pelo plenário da Corte.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Acessibilidade

Vereador pede ao Governo, recuperação de calçada de escola estadual

Educação

Com diretores da REME, Prefeitura celebra Dia dos Professores

Meio ambiente

PMA realiza soltura de jacaré-de-papo-amarelo capturado por bombeiros

Economia

MS teve 2,2 mil demissões por acordo desde o início da reforma

Acessibilidade

Solicitada recuperação de passarela de acesso a escola em Porto Esperança

Geral

Dois morrem afogados em córrego e amigos usam anzol para encontrar corpos

Geral

Depois de alerta de emergência, Rio Miranda volta ao nível normal