Menu
terça, 10 de dezembro de 2019
Campanha Viajar Andorinha - Abraço
Mobile - Campanha Viajar Andorinha - Felicidade
Geral

Ministério da Cidadania vai cobrar R$ 5,8 milhões do Bolsa Família pagos indevidamente

09 outubro 2019 - 11h21Ascom/Ministério da Cidadania

O Ministério da Cidadania começou a convocar mais de cinco mil ex-beneficiários do Programa Bolsa Família a devolverem recursos recebidos indevidamente -- o maior processo de cobrança de ressarcimento de repasses promovido pela Pasta. No total, o governo federal está emitindo cobranças no valor aproximado de R$ 5,8 milhões aos cofres públicos.
As pessoas foram identificadas a partir de auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) e de cruzamento de dados com o Tribunal de Contas da União (TCU). Isso porque há a suspeita de que essas pessoas tenham prestado informações irregulares intencionalmente ao Cadastro Único para Programas Sociais ou tinham renda superior ao permitido para participar do programa.

Para o secretário especial do Desenvolvimento Social do Ministério da Cidadania, Lelo Coimbra, a inciativa mostra o empenho do governo federal em combater as irregularidades e garantir que o benefício chegue a quem realmente precisa. “Isso é importante por dois motivos: primeiro, temos muita gente que precisa desse dinheiro. Embora sendo pouco, ajuda no combate à extrema pobreza. Segundo, por uma questão de justiça esse repasse não pode ser dado a quem usou de maneira indevida essa oportunidade, que seja devolvido”, apontou o secretário.

Cartas com aviso de recebimento estão sendo enviadas às famílias identificadas já com a Guia de Recolhimento da União (GRU) no valor previsto pelo governo federal. Os beneficiários têm até 30 dias para apresentar uma defesa ao Ministério da Cidadania. Caso a defesa não seja apresentada, os ex-beneficiários têm o mesmo período para pagar a guia. O não pagamento implica na inclusão do nome no Cadastro Informativo de Créditos não quitados do Setor Público Federal (Cadin) e no sistema de cobrança do Tribunal de Contas da União (e-TCE).

O secretário nacional de Renda de Cidadania, Tiago Falcão, explica que as famílias que quitarem o débito com a União poderão ser selecionadas para retornar ao benefício após um ano, se atenderem às regras para participar do programa e após passar por um processo de averiguação das informações. “Não pagando, entrando no cadastro de devedores, as famílias têm limitações para fazer empréstimos, financiamento, abertura de contas, além de não conseguirem certidão negativa de débito junto à União. Isso faz então que ela tenha a sua vida financeira bastante complicada caso não regularize sua situação”, explicou. Falcão reforçou que o pagamento da guia encerra o processo imediatamente.

A primeira cobrança de recebimentos indevidos foi realizada em 2018 recuperou um milhão de reais aos cofres da União.

Bolsa Família
O Programa é voltado para famílias extremamente pobres (renda per capita mensal de até R$ 85) e pobres (renda per capita mensal entre R$ 85,01 e R$ 170). Os beneficiários recebem o dinheiro mensalmente e, como contrapartida, cumprem compromissos nas áreas de Saúde e Educação. Atualmente, o programa atende mais de 13,5 milhões de famílias com cerca de R$ 2,5 bilhões, por mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Garantido
Ações culturais de MS para 2020 conquistam apoio do Secretário Nacional de Cultura
Carne
Queda no preço da arroba do boi não chega aos açougues
Educação
MEC divulga novas diretrizes do ensino médio em tempo integral
Cultura
Exposição dos alunos da Apae Corumbá e Campo Grande unem patrimônio cultural e inclusão social
Comércio
Postura intensifica fiscalização de ambulantes em Corumbá
Morando Sozinho
Idoso é socorrido com suspeita de AVC em casa da rua Cabral
Alerta
Vizinhos impendem incêndio em residência com chá erva mate esquecido no fogão
Cidade
TJMS derruba liminar e prefeitura determina reinício imediato de obras
Previsão do Tempo
Com máxima de 32°C chuvas devem continuar nesta terça-feira em MS
Porteira Aberta
Empresas de MS e de outros cinco Estados na mira da PF por esquema de propina na agropecuária
Investigação aponta que esquema criminoso movimentou mais de R$ 6 milhões em propinas a servidores públicos de fiscalização sanitária federal

Mais Lidas

Garantido
Ações culturais de MS para 2020 conquistam apoio do Secretário Nacional de Cultura
Carne
Queda no preço da arroba do boi não chega aos açougues
Educação
MEC divulga novas diretrizes do ensino médio em tempo integral
Cultura
Exposição dos alunos da Apae Corumbá e Campo Grande unem patrimônio cultural e inclusão social