IPTU 2018

Médico explica por que é importante a vacinação contra HPV na adolescência

Por Prefeitura de Corumbá12 MAR 2018 - 06h47min
Para Dr. Conti, vacinar adolescentes é uma iniciativa fundamental para diminuir casos de câncer de colo do útero.Foto: Gisele Ribeiro

Neste mês de março, adolescentes que vivem em Corumbá, entre 11 e 14 anos, estão sendo convocados a se vacinar contra o HPV. O vírus frequentemente sexualmente transmissível pode ser evitado com a utilização de preservativos e mais eficazmente com a aplicação da vacina. O HPV, transmitido tanto por homens quanto por mulheres, é o responsável pelo desenvolvimento do câncer de colo do útero. Atualmente, o Ministério da Saúde disponibiliza doses da vacina para o público mais jovem.

Para o ginecologista e obstetra Carlos Eduardo Slaibi Conti, que atende no Centro de Saúde da Mulher, a convocação de adolescentes para vacinação no Município é uma iniciativa muito importante. “Existe protocolo hoje da Sociedade Brasileira de Patologia Cervical Uterina que você dê a vacinação o mais precoce possível, já aos 09 anos de idade, para melhorar prognóstico em relação a não ter o câncer do colo do útero. Com a vacinação, inclusive, você reduz a quantidade de preventivos que a mulher faz na vida”, afirmou o médico.

“Na América e na Inglaterra, por exemplo, a mulher que toma essa vacina passa a fazer preventivo às vezes a cada três anos e isso gera um custo menor para a saúde, necessitando de menos profissionais envolvidos na prevenção. Isso porque se você aplica a vacina, no futuro, você tem menos necessidade de colher novos preventivos”, completou.

No Brasil, na rede privada de atendimento à saúde, há disponibilidade dessa vacina para mulheres adultas. Conforme Conti, existe consenso que até os 26 anos a vacina deve ser aplicada, mas já há pesquisadores falando dessa aplicação até os 45 anos de idade, porém, ainda não é consenso.

O que é o HP

Dr. Conti explicou que o HPV é um vírus ligado diretamente à região do trato genital masculino e feminino, não vive externamente e é frequentemente transmitido sexualmente. “Com a descoberta de novas cepas do vírus, através de exames mais modernos, foi detectado que ele pode ser transmitido por via vertical através do parto e a menina já pode apresentar a proteína do vírus logo após o nascimento. Com esses são estudos mais novos, a medicina vai melhorando o diagnóstico e descobrindo que o vírus existe na vagina frequentemente”, afirmou o médico.

No entanto, ele esclarece que há vários tipos de vírus HPV, sendo um grupo de baixo risco (tipo A) e outro de alto risco (tipo B). Os tipos mais perigosos para a mulher são o HPV-11, HPV-18 e HPV-45 porque apresentam a capacidade de transformar célula normal em célula anormal, podendo, no futuro, com o desenvolvimento dessa célula, levar ao câncer de colo do útero. “Acredita-se hoje que 99% dos casos de câncer do colo do útero são HPV dependentes, então, na verdade, a prevenção desse câncer é a vacina contra o HPV”, afirmou Conti.

Ele disse ainda que é importante saber que nem todo HPV leva ao câncer de colo do útero, somente os que são de alto risco. “O HPV que se manifesta na pele, geralmente é o de baixo risco, do grupo A, esse a vacina não previne. Mas o HPV de alto risco, que é o que provoca o câncer de colo do útero, é prevenido pela vacina. É importante que a mulher tenha consciência que o exame preventivo é justamente para diagnosticar o HPV de alto risco, a lesão que ele provoca no colo do útero. A vacina previne exatamente esse HPV”, explicou o ginecologista.

É verdade também que o homem pode ter o vírus e não saber, já que nele geralmente é imperceptível, e acaba transmitindo para a mulher sem saber. Por isso, a importância da vacinação também nos meninos.

A vacina é segura

Alguns pais têm receio de permitir a vacinação de seus filhos por inúmeros motivos. No entanto, o ginecologista garante que não há nada científico que ligue a vacina contra HPV com o adiantamento do processo de puberdade das crianças ou que faça mal a elas. “Toda vacina provoca uma reação imunológica no corpo humano. Existem algumas reações colaterais como náuseas, mas nenhuma complicação grave. Houve boatos no passado sobre mortes de crianças, mas isso é algo extremamente raro e acontece geralmente quando a criança tem algum problema e que, por isso, não poderia tomar a vacina, como doenças que mexem com o sistema imunológico, a exemplo do HIV e outras enfermidades. Nesses casos, a vacina é contraindicada”, finalizou Conti.

Deixe seu comentário

Leia Também

Educação

CIN capacita empresários de Corumbá sobre novo processo de exportações

Policial

Polícia Civil prende traficante

Cultura

Com grandes atrações, Arraial do Banho de São João começa nesta quinta-feira

Acidente de trânsito

Projeto de Lei responsabiliza condutor por danos causados ao patrimônio

Educação

Reitoria Itinerante estará em Corumbá na próxima semana

tempo

Massa de ar seco garante tempo aberto e com sol na maioria das cidades de MS

Policial

Morto após sair de delegacia estava envolvido em atentado contra prefeito