Hospital Cassems - Campanha inauguração

Jovem baleado na cabeça pede ajuda para voltar a andar

Por Sylma Lima09 AGO 2018 - 12h55min
Mãe e filho mais unidos pelo sofrimento. Eles oedem ajuda e dizem que foram abandonados. Foto: Victor Viegas

Era festa réveillon em Corumbá. Dia 1º de Janeiro de 2018 quando o trabalhador  Erik Soares de Almeida,23 anos, foi balado na cabeça durante  assalto na Avenida General Rondon, por volta das 3h da manhã. Os criminosos já chegaram atirando e levaram apenas o documento de identidade do jovem, que ficou no chão até a chegada do SAMU, acionada por uma prima, que ouviu o disparo e foi  verificar o que estava ocorrendo.

 Erik narra que foi até o final da praça para urinar quando foi surpreendido pelos marginais que ao anunciar o assalto, atirou em sua cabeça. A bala perfurou o crânio, e apesar de sair por outro lado, causou um coágulo de sangue, exigindo que Erik fosse encaminhado as pressas para uma unidade intensiva na Capital onde teve que abrir o cérebro.

Lá, permaneceu por mais de 30 dias no CTI, e aos cuidados da mãe Ivanete Almeida, que devido as circunstancias teve que deixar de trabalhar para cuidar o filho, “ eu dou banho, troco de roupa, carrego para sentar , mas ele não suporta mais que quatros horas na cadeira devido a intensa dor na coluna” . Com a situação agravada Ivanete largou a casa onde morava  e foi pedir ajuda da mãe. Atualmente moram todos juntos no bairro Guatós para dar assistência ao Erik, entretanto, devido a distancia as coisas não estão nada fáceis para a família que a princípio teve grande ajuda da comunidade, “ agora, passados oitos meses estamos abandonados. Eu compro medicamento para a cabeça, porem, o mais urgente é a presença de um fisioterapeuta diariamente para ele voltar a se movimentar. As pernas estão quase se mexendo, mas ainda sente muita dor na coluna. Não tem como pagar meio de transporte para ir aos médicos e, ate agora estamos a espera do INSS fazer a pericia para aposentar meu filho. A demora é angustiante e para tudo precisamos de ajuda. Temos apenas um fisioterapeuta uma vez por semana e uma pessoa que paga quatro consultas mensais a uma psicóloga. Não sei mais aonde recorrer” , diz Ivanete ao Capital do Pantanal demostrando cansaço e resignação.

O sonho de Erik é voltar a andar, ainda que de muletas, ele diz que tem muita fé em Deus e esperança de ajuda, “ eu jogava bola, tinha uma vida normal, interrompida por um assalto” .

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Emprego

MS tem 11 concursos abertos e salários de até R$ 9,4 mil nesta semana

Turismo

Aumento de frequência e novos voos conectam MS a principais destinos do País

Cervo-do Pantanal

PMA autua fazendeiro em operação contra o desmatamento ilegal

CFC Combat

MMA: Iron da show , vence cinco lutas e garante dois cinturões

Coffee Break

Maior escândalo de corrupção da Capital completa 04 anos e ninguém preso ou processado

Operação Boas Festas

Polícia Militar prende adolescente infrator por furto

Maus tratos

Homem é preso bêbado após dar paulada em criança de sete anos