Governo - Campanha HPV

Jovem baleado na cabeça pede ajuda para voltar a andar

Por Sylma Lima09 AGO 2018 - 12h55min
Mãe e filho mais unidos pelo sofrimento. Eles oedem ajuda e dizem que foram abandonados. Foto: Victor Viegas

Era festa réveillon em Corumbá. Dia 1º de Janeiro de 2018 quando o trabalhador  Erik Soares de Almeida,23 anos, foi balado na cabeça durante  assalto na Avenida General Rondon, por volta das 3h da manhã. Os criminosos já chegaram atirando e levaram apenas o documento de identidade do jovem, que ficou no chão até a chegada do SAMU, acionada por uma prima, que ouviu o disparo e foi  verificar o que estava ocorrendo.

 Erik narra que foi até o final da praça para urinar quando foi surpreendido pelos marginais que ao anunciar o assalto, atirou em sua cabeça. A bala perfurou o crânio, e apesar de sair por outro lado, causou um coágulo de sangue, exigindo que Erik fosse encaminhado as pressas para uma unidade intensiva na Capital onde teve que abrir o cérebro.

Lá, permaneceu por mais de 30 dias no CTI, e aos cuidados da mãe Ivanete Almeida, que devido as circunstancias teve que deixar de trabalhar para cuidar o filho, “ eu dou banho, troco de roupa, carrego para sentar , mas ele não suporta mais que quatros horas na cadeira devido a intensa dor na coluna” . Com a situação agravada Ivanete largou a casa onde morava  e foi pedir ajuda da mãe. Atualmente moram todos juntos no bairro Guatós para dar assistência ao Erik, entretanto, devido a distancia as coisas não estão nada fáceis para a família que a princípio teve grande ajuda da comunidade, “ agora, passados oitos meses estamos abandonados. Eu compro medicamento para a cabeça, porem, o mais urgente é a presença de um fisioterapeuta diariamente para ele voltar a se movimentar. As pernas estão quase se mexendo, mas ainda sente muita dor na coluna. Não tem como pagar meio de transporte para ir aos médicos e, ate agora estamos a espera do INSS fazer a pericia para aposentar meu filho. A demora é angustiante e para tudo precisamos de ajuda. Temos apenas um fisioterapeuta uma vez por semana e uma pessoa que paga quatro consultas mensais a uma psicóloga. Não sei mais aonde recorrer” , diz Ivanete ao Capital do Pantanal demostrando cansaço e resignação.

O sonho de Erik é voltar a andar, ainda que de muletas, ele diz que tem muita fé em Deus e esperança de ajuda, “ eu jogava bola, tinha uma vida normal, interrompida por um assalto” .

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Acessibilidade

Vereador pede ao Governo, recuperação de calçada de escola estadual

Educação

Com diretores da REME, Prefeitura celebra Dia dos Professores

Meio ambiente

PMA realiza soltura de jacaré-de-papo-amarelo capturado por bombeiros

Economia

MS teve 2,2 mil demissões por acordo desde o início da reforma

Acessibilidade

Solicitada recuperação de passarela de acesso a escola em Porto Esperança

Geral

Dois morrem afogados em córrego e amigos usam anzol para encontrar corpos

Geral

Depois de alerta de emergência, Rio Miranda volta ao nível normal