Andorinha 70 anos

Índice de Desempenho Industrial de MS completa seis meses acima dos 50 pontos

Por Fiems06 DEZ 2017 - 09h48min

Pelo 6º mês consecutivos, o IGDI (Índice Geral de Desempenho Industrial), que foi criado pelo Radar Industrial da Fiems e é calculado com base nas pesquisas de Confiança e Sondagem Industrial, manteve-se acima dos 50 pontos, mostrando que o desempenho do setor vem melhorando ao longo do ano. De acordo com o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, em outubro o Índice alcançou 56,1 pontos, indicando estabilidade sobre setembro, quando o resultado ficou em 55,9 pontos.

“O IGDI apresentou variação de 0,36%, sinalizando que na passagem de setembro para outubro o ritmo da atividade industrial em Mato Grosso do Sul se manteve estável”, analisou Ezequiel Resende, completando que, no mês, a produção industrial e a utilização da capacidade instalada foram as variáveis que apresentaram os melhores desempenhos, com elevações de 8,6 e de 2 pontos percentuais, respectivamente, enquanto a intenção de investimento e a confiança ficaram estáveis e a contratação de empregados registrou queda de 8,6 pontos percentuais.

Ezequiel Resende destaca que, no acumulado do ano, a produção industrial segue como a variável de melhor desempenho, com crescimento de 36,4%, enquanto a confiança registrou aumento de 9,4%, a utilização da capacidade instalada atingiu alta de 8%, a intenção de investimento elevou-se em 7,3% e a contratação de empregados cresceu 6,6%. Nos últimos 12 meses, as cinco variáveis registraram aumento, com a produção industrial chegando a 20,4%, a intenção de investimento 12,3%, a utilização da capacidade instalada 8%, a confiança 5,8% e a contratação de empregados 4,7%.

O Índice

O IGDI reflete a percepção do empresário em relação ao desempenho apresentado pela atividade industrial. “Na elaboração, foram selecionadas cinco variáveis - emprego, investimento, produção industrial, utilização da capacidade instalada e confiança – e todas com peso de 20% na composição do Índice”, detalhou Ezequiel Resende.

No caso do emprego na indústria, o IGDI utiliza o percentual de estabelecimentos que aumentaram o número de empregados, enquanto na parte de investimento o Índice leva em consideração a intenção de investimentos para os próximos seis meses. Já da produção é usado o percentual de indústrias com a produção estável ou crescente, da utilização da apacidade instalada se pega o percentual médio e da confiança a base é o ICEI (Índice de Confiança do Empresário Industrial.

O IGDI Fiems contou com a avaliação, validação e auxílio técnico do professor-doutor Leandro Sauer, da Escola de Administração e Negócios e do Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado e Doutorado) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (ESAN/UFMS). “O professor é matemático com atuação na utilização de métodos quantitativos em economia e tem comprovada experiência na elaboração e uso de indicadores sintéticos”, reforçou Ezequiel Resende.

Deixe seu comentário

Leia Também

Geral

Governo recorre de decisão que mandava licitar retomada do Aquário

Saúde

Pacientes do SUS vão receber notificações de consulta pelo celular

Policial

Traficante foge em alta velocidade e abandona carro com 400 quilos de maconha

Economia

Empresa russa pagará R$ 5 bilhões para assumir fábrica de fertilizantes em MS

Policial

Polícia prende casal de traficantes e encontra criança de 2 anos em boca de fumo

Acidente de trânsito

Consciente, menina que sobreviveu a acidente deve deixar CTI hoje

Meio ambiente

Lei cria Complexo de Preservação para proteger parques de Campo Grande