Matrículas - Sesi

Governo federal cortou em R$ 8,3 milhões repasses mensais à Capital

Por Campo Grande News14 OUT 2017 - 09h40min
Educação é uma das áreas mais afetadas pela queda de transferências de recursos federais.Foto: Anahi Gurgel

Campo Grande recebeu 13% a menos de recursos do governo federal neste ano. Em números absolutos, o decréscimo médio mensal é de R$ 8,3 milhões, conforme dados do Portal da Transparência. As áreas mais afetadas são de ciência e tecnologia, educação e assistência social.

De acordo com o Portal da Transparência (www.transparencia.gov.br), as transferências de recursos federais a Campo Grande somou R$ 485,44 milhões neste ano (até setembro), o que corresponde à média mensal de R$ 53,938 milhões.

O valor médio mensal deste ano representa queda nominal (sem considerar as perdas inflacionárias) de 13% frente à média de 2016. Durante todo o ano passado, o montante foi de R$ 746,9 milhões, equivalentes a R$ 62,241 milhões.

Em termos relativos, a área de ciência e tecnologia foi a mais afetada pela retração de repasse de dinheiro do governo federal. A queda é de 57% considerando os valores médios mensais, de R$ 309,852 mil no ano passado para R$ 132,81 mil em 2017.

Na educação e na assistência social, os recuos também expressivos, foram de 37% e de 27% respectivamente.

Os repasses médios mensais do governo federal à educação de Campo Grande foi de R$ 1,708 milhão em 2016 e de R$ 1,07 milhão em 2017. São R$ 638,42 mil a menos recebidos pela Capital mensalmente para investir em educação.

Entre essas transferências, está, por exemplo, a relativa ao PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola). No total, as unidades escolares receberam R$ 1,284 milhão neste ano, correspondente à média mensal de R$ 142,66 mil. No ano passado, foram R$ 2,804 milhões, equivalentes à média por mês de R$ 233,67 mil.

Esse dinheiro é importantes para as escolas, pois é aplicado na melhoria da infraestrutura física e pedagógica, visando à elevação dos índices de desempenho da educação básica, conforme informa o próprio governo federal.

Na assistência social, a redução média por mês foi, em termos absolutos, de R$ 1,48 milhão, de R$ 5,36 milhões em 2016 para R$ 3,873 milhões neste ano.

A saúde também contabiliza perdas, embora relativamente menores. De R$ 31,943 milhões para R$ 30,807 milhões. A variação é de -3,55%. Ou, em números absolutos, são R$ 1,136 milhões a menos.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Conexão Internacional

Voo direto entre Campo Grande e Paraguai começa funcionar

Capital

Caminhada em Campo Grande pede tolerância com diversidade religiosa

Internacional

Paraguai reconstitui hoje assassinato de jornalista na fronteira com MS

Oportunidade

Semana começa com 420 vagas em concursos e salários de até R$ 19,4 mil

Serviço

Ação Cidadania da Fiems encerra o ano com 36,9 mil atendimentos

Educação

Prova do IFMS reúne mais de 3,4 mil candidatos em dez municípios

Serviço

Em Corumbá, vereador cobra instalação de loja ou posto de atendimento da Oi