Menu
quarta, 24 de abril de 2019
Câmara - Dengue
Andorinha - Viaje para Campo Grande com a Andorinha
Geral

Exportações de industrializados de MS têm alta de 9% no ano e receita já soma US$ 923 milhões

15 abril 2019 - 09h19Assessoria de Comunicação

A receita obtida com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul de janeiro a março de 2019 apresenta alta de 9% em relação ao mesmo período de 2018 e a receita já soma US$ 923 milhões contra US$ 844,5 milhões dos três primeiros meses do ano passado, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, em março, a receita com a exportação de produtos industriais alcançou US$ 331,1 milhões, aumento de 20% em relação ao mesmo mês de 2018, quando o valor ficou em US$ 276,3 milhões. “Esse foi o melhor resultado para o mês de março da série histórica das exportações de produtos industriais de Mato Grosso do Sul”, ressaltou.

Quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 67% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano a participação está em 78%. Os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Óleos Vegetais”, “Extrativo Mineral”, “Couros e Peles” e “Siderurgia e Metalurgia”, que, somados, representaram 98% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.

Detalhamento por grupos

O grupo “Celulose e Papel” registrou nos primeiros três meses deste ano receita de US$ 561,4 milhões, um aumento de 37%, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 553,3 milhões), tendo como principais compradores China, com US$ 298,7 milhões, Estados Unidos, com US$ 83,6 milhões, Itália, com US$ 52,4 milhões, Holanda, com US$ 49,4 milhões, e Espanha, com US$ 13 milhões.

“Mato Grosso do Sul fechou o primeiro trimestre de 2019 como o maior exportador brasileiro em volume de celulose de fibra curta. Dados do Ministério da Economia apontam que, nesses três meses, o Estado vendeu para o mercado internacional 1,202 milhão de toneladas do material, obtendo uma receita de US$ 553,336 milhões”, analisou Ezequiel Resende.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida de janeiro a março foi de US$ 230,2 milhões, uma redução de 8% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 41,6% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 95,8 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 40,3 milhões, Chile, com US$ 30,4 milhões, Emirados Árabes Unidos, com US$ 25,9 milhões, China, com US$ 15,3 milhões, e Arábia Saudita, com US$ 14,1 milhões.

“A abertura de mercado dos EUA terá pouco impacto nas exportações de carne brasileiras. Analistas estimam reabertura do mercado norte-americano a partir de agosto, sendo que a missão desembarca no Brasil em junho para auditar o sistema de inspeção de estabelecimentos de carnes bovinas e suínas. No entanto, pelo menos neste ano, o Brasil terá poucas chances de tirar proveito de uma eventual reabertura do mercado norte-americano a partir do segundo semestre do ano”, ressaltou o economista.

Outros grupos

Para o grupo “Óleos Vegetais”, a receita alcançou US$ 46,3 milhões no trimestre, um crescimento de 2% na comparação com o mesmo período de 2018, com destaque para farinhas e pellets da extração de óleo de soja, que somaram US$ 43,9 milhões, tendo como principais compradores a Indonésia, com US$ 13,4 milhões, o Reino Unido, com US$ 10,5 milhões, a Polônia, com US$ 8,26 milhões, e Dinamarca, com US$ 1,7 milhão

“Neste ano, as exportações brasileiras de derivados de soja devem ter maior concorrência com a Argentina. Nesta safra 2018/19, o país vizinho deve colher 55,5 milhões de toneladas de soja, 46,8% a mais que na temporada passada. Além disso, os Estados Unidos colheram, em 2018, 125,17 milhões de toneladas, volume recorde. O consumo interno deve ser favorecido pela maior demanda para produção de biodiesel”, pontuou Ezequiel Resende.

No grupo “Siderurgia e Metalurgia Básica”, as exportações de janeiro a março deste ano somaram US$ 11,5 milhões, uma elevação de 239% na comparação com o mesmo período de 2018, com destaque para ferro fundido bruto não ligado, que somou US$ 10,3 milhões, tendo como principais compradores o México, com US$ 9,5 milhões, Paraguai, com US$ 807,7 mil, Argentina, com US$ 783,9 mil, e Bolívia, com US$ 372,2 mil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Capacitação
Senac MS lança programa de qualificação voltado para o comércio
Defesa do consumidor
Passageiros da Avianca, com voos cancelados, devem ser reembolsados
Policial
Homem é preso por furtar chinelo e desodorante em mercado
Policial
Assalto em dois Postos de combustíveis em Corumbá
Essa madrugada foi de intensa movimentação da Polícia Militar entretanto, não conseguiu localizar os assaltantes
Policial
PM prende dois foragidos da justiça nas últimas horas
Policial
Vendedora de ‘paradinha’ é presa com a ‘boca na botija’ pela PM
Alarme falso
Sobrecarga elétrica pode ter disparado alarme de incêndio no hospital da Cassems
Emergência Médica
Marinha socorre criança doente na região do Taquari
Devido a ‘baceiros’ no leito do rio a única maneira de deslocamentos é através de aeronaves
Oportunidade
IFMS abre 560 vagas para cursos técnicos a distância
Crime ambiental
PMA apreende redes de pesca e liberta peixes dos petrechos ilegais

Mais Lidas

Agrotóxicos
Conselho Estadual elabora plano para difusão do Manejo Integrado de Pragas em MS
Ranking
Na contramão da crise, MS fica entre os Estados com investimentos em 2019
Água e Esgoto
Câmara autoriza início das conversações para renovação de concessão com a Sanesul
Política
Após reunião com governo, caminhoneiros descartam paralisação