Matrículas - Sesi

Em Assunção, Ruiter expõe desafios e oportunidades para viabilidade da Hidrovia Paraguai-Paraná

Por PMC24 OUT 2017 - 13h41min
Em seminário foi promovido pelo FONPLATA, Ruiter participou de painel sobre a Hidrovia Paraguai-Paraná.Foto: Divulgação

Durante painel do Seminário Internacional “Hidrovia e Ferrovia – Infraestrutura para Integração Regional”, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira teve a oportunidade de discutir a viabilidade da Hidrovia Paraguai-Paraná (HPP) para o desenvolvimento regional dos países que compõem a Bacia do Prata. Em Assunção, capital paraguaia, ele participou do evento expondo desafios e obstáculos que envolvem a viabilidade da hidrovia no lado brasileiro e como o Município de Corumbá pode ajudar para modificar o cenário atual. O seminário aconteceu na manhã desta terça-feira, 24 de outubro, no Hotel Crowne. Participaram do painel sobre a hidrovia representantes do Paraguai e Uruguai especialistas no assunto.

“Um dos maiores gargalos que existe é quando a classe política não prioriza o estudo. Precisamos concentrar esforços para definir políticas públicas que possam priorizar o desenvolvimento. Tenho certeza que investir na Hidrovia Paraguai-Paraná é falar de desenvolvimento de todos os países dessa parte do continente”, afirmou Ruiter, colocando o Município de Corumbá inteiramente à disposição naquilo que pode colaborar, destacando a importância de envolver a população no assunto.

“Acho que só vamos conseguir viabilizar a hidrovia e fazer com que a classe política encare essa situação de verdade a partir do momento em que a população se sinta inserida nesse contexto. Essa discussão deve ser levada principalmente aos maiores beneficiados com o desenvolvimento econômico e social, pois, o funcionamento efetivo dessa hidrovia vai permitir que cidades como Corumbá possam se desenvolver ainda mais, gerando empregos e renda”, completou o prefeito.

Ruiter destacou que um dos principais obstáculos apresentados pela Hidrovia Paraguai-Paraná (HPP) no Brasil é a falta de instalações portuárias competitivas para o atendimento de cargas provenientes das regiões de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, tais como soja e outros grãos, com terminais de carregamento modernos. Além da falta de condições para alavancar o transporte de combustíveis.

A ausência de um plano eficaz de dragagem do Rio Paraguai, especialmente entre as cidades de Puerto Valle-Mi e Assunção (Paraguai), também dificulta o desenvolvimento da hidrovia. O prefeito disse também que a falta de diálogo entre os órgãos de fiscalização e segurança nos países envolvidos é prejudicial. Por exemplo, é necessário haver mais interação entre a Receita Federal, Polícia Federal, ANTAQ e Marinha do Brasil com relação à hidrovia, e diminuir o excesso de burocracia para operação das empresas.

O chefe do Executivo corumbaense afirmou que mudanças na infraestrutura podem estimular a produção e o comércio na região para reverter o atual cenário. “À medida que a infraestrutura portuária melhora, o canal de navegação permanecendo com pelo menos dez pés de profundidade, somado ao desenvolvimento paralelo da infraestrutura rodoviária e portuária das várias regiões, como Mato Grosso e Mato Grosso de Sul no Brasil, Bolívia, norte da região oriental do Paraguai, temos como resultado a otimização da saída e entrada de produtos, contribuindo ainda mais para a integração da região como um todo”, disse o prefeito.

Levantamento de 2013 do Projeto Centro-Oeste competitivo apontou que um projeto de Dragagem e Balizamento da Hidrovia do Rio Paraguai entre o Rio Apa (Brasil) e Santa Fé (Argentina) necessitaria de R$ 275 milhões = US$ 117 milhões (valores estimados naquele ano). Todas as informações e dados disponibilizados por Ruiter tiveram como base estudos de empresas referências no assunto como AHIPAR, Vale, DNIT e outras colaboradoras.

Para Ruiter, o papel de agências multilaterais de financiamento como o Fonplata é de agilizar a operação navegável impulsionando o diálogo entre os atores envolvidos (diplomáticos, governamentais e privados) e oferecendo linhas de crédito para os setores governamentais desenvolverem projetos necessários para superação dos gargalos de infraestrutura. O seminário contou ainda com painel com tema “O papel das ferrovias para a integração física regional”, com representantes da Bolívia, Uruguai e Paraguai.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Combate ao tráfico

Polícia Civil estoura ‘boca’ no Loteamento Pantanal

Procon

Empresas são autuadas por impedirem reserva de passagens interestaduais gratuitas

Emprego

Mercado de Trabalho de MS inicia recuperação e gera mais de 700 vagas em outubro

Educação

IFMS divulga gabarito do Exame de Seleção para os cursos técnicos

Brasil

Presídios terão banco de dados sobre situação de detentos

Concorrência

Ônibus vai operar de Corumbá para Capital com fretagem a R$ 140 ida e volta

Segurança

Receita doa câmeras ao Município e amplia videomonitoramento na fronteira