Matrículas - Sesi

Dia do Pantanal é comemorado em evento da WWF

Por Redação14 NOV 2017 - 09h10min
O pesquisador da Embrapa, Ivan Bergier, participou do evento.Foto: Divulgação

12 de novembro é o Dia do Pantanal, a maior área úmida continental do planeta e Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera. Em comemoração à data, o pesquisador da Embrapa Ivan Bergier participou do evento nacional “Vamos Falar de Pantanal?” realizado pela WWF Brasil no dia 8/11, no teatro Centro Cultural Unibes, localizado na capital paulista.

Durante o encontro foram abordados diversos assuntos como as belezas da fauna e da flora, a cultura e a gastronomia da região pantaneira, bem como apresentadas as principais ameaças para o bioma. Além de contar com especialistas, o evento teve a participação do personagem Chico Bento, da Maurício de Sousa Produções. O personagem foi nomeado pela WWF-Brasil em 2014 “embaixador da proteção das nascentes do Pantanal”. Assim, o evento fez também alusão ao lançamento do gibi especial “Chico Bento vai ao Pantanal” e de uma série de histórias em quadrinhos do Chico Bento no Pantanal.

Em sua palestra, o pesquisador Ivan Bergier apresentou dados inéditos sobre as mudanças climáticas na região. Segundo o pesquisador, as mudanças climáticas e a crescente ocupação desordenada de agroecossistemas na região de planalto devem ser ambas entendidas como reais ameaças ao Pantanal: “as chuvas de verão estão ficando mais extremas. Desde 1925 até 2016, vem sendo observada uma tendência de mais chuvas em menos dias, o que pode ser uma resposta do clima ao aquecimento global induzido pela emissão humana de gases estufa”, explica.

De outro lado, a supressão continuada da vegetação original do Cerrado no planalto para dar lugar à agropecuária tem afetado diretamente a quantidade de água e sedimentos transportados do planalto para a planície. Para o pesquisador, além de acordos multinacionais para a mitigação das emissões de gases estufa (como os tratados nas Conferências das Partes das Nações Unidas), a conservação do Pantanal depende essencialmente de políticas públicas regionais que incentivem a adoção de sistemas integrados de produção de alimentos no planalto. “Sem medidas de restauração da vegetação nativa, ou da promoção concreta da adoção de sistemas agroflorestais como a integração ou combinação entre lavoura, pecuária e florestas plantadas no planalto, a mudança do clima poderá intensificar o impacto da agropecuária do planalto nas planícies, afetando comunidades de produtores de gado, ribeirinhos e outras atividades como ecoturismo, transporte por hidrovia e pesca.

 Ivan explica que "chuvas extremas podem desencadear aumentos da descarga fluvial dos planaltos desmatados, favorecendo a ocorrência de cheias extremas em áreas inundáveis por rios, o que pode aumentar a frequência de processos naturais conhecidos por arrombados e avulsões”. Esses fenômenos mudam drasticamente a paisagem nas planícies e o tempo necessário de restauração dos ecossistemas impactados é variável, dependente da magnitude do arrombado e da subsequente avulsão.

Quanto Vale o Pantanal?

O coordenador do Programa Cerrado Pantanal do WWF-Brasil Júlio César Sampaio, citou, durante sua apresentação, dados do trabalho “Quanto vale o Pantanal?”, publicado pelo pesquisador da Embrapa André Steffens Moraes. “O desmatamento do Pantanal tem um preço: mais de R$24 mil por hectare ao ano. Considerando que 18% da planície já foi desmatada por conta da expansão de commodities e produção extensiva de gado, o custo total é de R$19 milhões ao ano. Isso é terrível porque estamos reduzindo a quantidade das populações animais e vegetais podendo haver um sério risco redução da biodiversidade, afetando processos que garantem a disponibilidade de água para as populações", afirmou Júlio César Sampaio.

Além do pesquisador da unidade de Corumbá/MS e do coordenador do Programa Cerrado Pantanal do WWF-Brasil o evento contou com apresentações de Mônica de Sousa, diretora executiva da Mauricio de Sousa Produções, do Professor José Sabino, biólogo e especialista em comportamento animal e fauna do Pantanal da Universidade Anhanguera; da bióloga Cristina Neves, gestora ambiental da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) SESC Pantanal e da Professora Marli Deon Sette, especialista em Direito Ambiental da UFMT.

Em sua palestra, Marli Deon Sette, explicou o Brasil precisa criar mecanismos para remunerar os proprietários que preservem as riquezas naturais: “temos que demonstrar que é economicamente mais vantajoso para os proprietários das terras manter a mata do que retirá-la. Um desses mecanismos deveria ser o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), bem como incentivar o uso inteligente do Pantanal com práticas como a pecuária tradicional, a agricultura familiar não mecanizada e o turismo ecológico e rural”, afirmou a especialista.

A programação também incluiu música típica da região, com a cantora cuiabana Ana Rafaela, e culinária pantaneira elaborada pela chef Ariani Malouf.

Chico Bento e o Pantanal

O personagem Chico Bento foi escolhido para ser o embaixador da proteção das nascentes do Pantanal por ser um amante da natureza. Segundo os idealizadores dessa iniciativa, o objetivo das histórias é envolver o maior número de pessoas, entre adultos e crianças, e transmitir a importância da preservação da água doce. Segundo Mônica de Sousa, filha do ilustrador Mauricio de Sousa e diretora executiva da Mauricio de Sousa Produções, as informações e dados apresentados pelos especialistas durante as palestras servirão de inspiração e base de conhecimento para a formulação de quadrinhos sobre a temática.

 

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Fuga

Interno não consegue entrar com celular e foge do semiaberto

Serviço

Testes na nova ETA de Ladário pode causar falta de água até sábado (25)

Otimismo

Aumenta vagas de emprego no comércio de MS

Comunicado

Prorrogada publicação dos classificados no processo seletivo da Fundtur

Educação

Governo finaliza compra de uniformes, kits e merenda escolar para 2018

Economia

Com R$ 1,6 bilhão de MS, volume contratado do FCO em 2017 já é recorde histórico no País

Conflito territorial

Fazenda Baía da Bugra em Porto Esperança é invadida por indígenas