Menu
quarta, 24 de abril de 2019
Andorinha - Viaje para Campo Grande com a Andorinha
Andorinha - Viaje para Campo Grande com a Andorinha
Geral

Detran solicita prorrogação por 60 dias para prazo de implantação da Placa Mercosul

04 dezembro 2018 - 11h34Portal do MS

O Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS) encaminhou na semana passada, ofício ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) solicitando a prorrogação do prazo de 60 dias para a implementação da placa de identificação veicular, a chamada Placa Mercosul, para o Mato Grosso do Sul.

Conforme resolução publicada recentemente, o Detran teria até o dia 1º de dezembro deste ano para a adoção obrigatória, no entanto, o órgão justifica a necessidade de prorrogação do prazo alegando problemas operacionais e de logísticas existentes.

De acordo com o diretor-presidente do Detran, Roberto Hashioka Soler, o Estado não possui o número suficiente de empresas credenciadas para atuar na troca das placas da frota de todo o Estado e, assim, atender a determinação em tempo hábil.

Embora o Departamento tenha solicitado o prazo maior para a implantação da nova placa, o Diário Oficial da União publicou na sexta-feira (30.11) a Resolução 748 do Conselho Nacional do Trânsito (Contran) que resolve, entre outras coisas, estender o prazo para até 31 de dezembro para o Detran em Mato Grosso do Sul, e outros onze estados e no Distrito Federal.

Sobre

A Placa Mercosul foi criada para ser um padrão entre os países do Mercosul. O primeiro modelo apresentado teria uma faixa azul, com o símbolo do Mercosul, o nome e a bandeira do país, além de sete caracteres que combinam letras e números conforme a opção de cada unidade federativa. No Brasil, no entanto, foram inseridos dois novos elementos que não constavam na resolução assinada entre os países, a bandeira do Estado e o brasão do município.

No dia 28 de novembro, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, determinou a retirada dos brasões dos novos modelos levando em conta o apelo da sociedade e de especialistas que avaliam a medida como desnecessária, já que eleva os valores cobrados. A decisão também foi oficializada nessa segunda-feira (3.12) pelo Governo Federal e consta na Resolução 748 do Contran.

“Após análise técnica de viabilidade e impacto, decidimos retirar os brasões das novas Placas Padrão Mercosul. Com isso, evitaremos qualquer despesa extra aos condutores de nosso País, embora o objetivo tenha sido desde o início apenas adotar um modelo mundial de identificação veicular e proporcionar mais agilidade por parte da polícia e segurança a todos”, afirmou Baldy.

Com a retirada dos brasões, a placa permanecerá a mesma por toda sua vida útil sem a necessidade de troca caso o proprietário se mude de município ou de Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Capacitação
Senac MS lança programa de qualificação voltado para o comércio
Defesa do consumidor
Passageiros da Avianca, com voos cancelados, devem ser reembolsados
Policial
Homem é preso por furtar chinelo e desodorante em mercado
Policial
Assalto em dois Postos de combustíveis em Corumbá
Essa madrugada foi de intensa movimentação da Polícia Militar entretanto, não conseguiu localizar os assaltantes
Policial
PM prende dois foragidos da justiça nas últimas horas
Policial
Vendedora de ‘paradinha’ é presa com a ‘boca na botija’ pela PM
Alarme falso
Sobrecarga elétrica pode ter disparado alarme de incêndio no hospital da Cassems
Emergência Médica
Marinha socorre criança doente na região do Taquari
Devido a ‘baceiros’ no leito do rio a única maneira de deslocamentos é através de aeronaves
Oportunidade
IFMS abre 560 vagas para cursos técnicos a distância
Crime ambiental
PMA apreende redes de pesca e liberta peixes dos petrechos ilegais

Mais Lidas

Agrotóxicos
Conselho Estadual elabora plano para difusão do Manejo Integrado de Pragas em MS
Ranking
Na contramão da crise, MS fica entre os Estados com investimentos em 2019
Água e Esgoto
Câmara autoriza início das conversações para renovação de concessão com a Sanesul
Política
Após reunião com governo, caminhoneiros descartam paralisação