Achieve

China e Coréia do Sul suspendem temporariamente importação de carnes

Por InfoMoney20 MAR 2017 - 10h10min

A China suspendeu temporariamente as importações de carne bovina do Brasil após a Operação Carne Fraca deflagrada na última sexta-feira (17), de acordo com pessoas ouvidas pela Bloomberg que receberam notificação da autoridade de quarentena do país e pediram para não serem identificadas porque a informação não é pública.

Os produtos atualmente no mar ou no porto não terão liberação alfandegária, de acordo com uma das pessoas. China e Hong Kong, juntos, são o maior mercado de exportação de carne brasileira. Um porta-voz da Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena da China se recusou a comentar imediatamente; ninguém respondeu imediatamente a um pedido de comentário feito pela agência.

Outro país a suspender temporariamente a importação da carne brasileira é a Coréia do Sul, segundo informações da Reuters. De acordo com a agência, o país vai barrar temporariamente as vendas da carne de frango da BRF e aumentará as inspeções da carne importada da companhia. O ministério sul-coreano também informou que os futuros fornecedores brasileiros de carne de frango terão que apresentar um certificado emitido pelo governo  brasileiro.

Já a União Europeia pediu que Brasil responda com urgência ao pedido de esclarecimentos feito ao país sobre operação da PF, informa a Folha. Nesta segunda, autoridades europeias podem debater possível restrição à compra de carne brasileira. 

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Eleições 2018

“PMDB não vai compor com Azambuja e lança candidato próprio”, diz Puccinelli

Plantão

Ventilador causa princípio de incêndio em creche do bairro Aeroporto

Cidadania

Deputado Coronel David visita projeto social que ajuda jovens a fugir da criminalidade

Bem Estar

Benefícios do pilates vão da estética à saúde

Polícia

Autor de disparos no Dom Bosco tinha três armas e caixas de munições em casa

Polícia

Motocicleta incendiada é encontrada no Guaicurus

Economia

Para governo, crise do gás depende do preço e não acaba apenas com decreto