Andorinha 70 anos

Catadores de iscas e caranguejos do Porto da Manga são beneficiados com doação de macacões

Por Redação21 OUT 2017 - 08h29min

Mais uma ação social do Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT/MS) levou segurança e proteção para pessoas que têm na catação de iscas e caranguejos a principal atividade geradora de renda. 

Dessa vez, a comunidade do Porto da Manga, região localizada na margem esquerda do Rio Paraguai – a 60 Km do município de Corumbá –, foi contemplada com macacões emborrachados e impermeáveis.

Entre os beneficiados está Eliene Garcia da Costa Soares, já atingida pelo aguilhão de uma arraia enquanto coletava iscas. “Continuamos expostos aos ataques, porque o trabalho é noturno e a região perigosa, mas a bota do macacão pode amortecer a ferroada. O veneno de uma arraia provoca muita dor”, lembra a pescadora.     

Iniciativa beneficiou comunidade situada na margem esquerda do Rio Paraguai, a 60 quilômetros de Corumbá. Foto: Divulgação/MPT

Assim como Eliene, o pescador Nélio de Souza Pinto, vítima de ataques de cobra e jacaré, elogiou a preocupação do MPT/MS com a segurança dos ribeirinhos por meio da entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). “Usamos tênis apenas para chegar ao rio e lá tiramos para fazer a captura de iscas e de caranguejos. Com o macacão, certamente estaremos mais protegidos. Espero que ações como essa permaneçam”, disse Nélio, que vende cada isca entre R$ 0,30 e R$ 0,50.         

As condições de trabalho a que são submetidos os catadores de iscas são precárias. Os coletores normalmente desempenham essa atividade sem nenhum tipo de equipamento de proteção, permanecendo sujeitos a ataque de animais. Outro grave problema é o alto índice de doenças dermatológicas e, nas mulheres, de doenças ginecológicas, devido ao contato direto e prolongado com a água suja dos banhados e dos corixos.

A entrega dos EPIs foi coordenada pela procuradora do Trabalho Rosimara Delmoura Caldeira, que comentou a importância da aproximação com comunidades geograficamente isoladas. “Os valores utilizados na compra desses macacões decorrem de multa aplicada a uma empresa por descumprimento da legislação trabalhista. Essa visita também nos permitiu constatar que há muitos trabalhadores que ainda necessitam de equipamentos, ou seja, haverá outras oportunidades de retorno para a continuidade dessa ação social”, projetou. Informações da assessoria do MPT.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Geral

Governo recorre de decisão que mandava licitar retomada do Aquário

Saúde

Pacientes do SUS vão receber notificações de consulta pelo celular

Policial

Traficante foge em alta velocidade e abandona carro com 400 quilos de maconha

Economia

Empresa russa pagará R$ 5 bilhões para assumir fábrica de fertilizantes em MS

Policial

Polícia prende casal de traficantes e encontra criança de 2 anos em boca de fumo

Acidente de trânsito

Consciente, menina que sobreviveu a acidente deve deixar CTI hoje

Meio ambiente

Lei cria Complexo de Preservação para proteger parques de Campo Grande