Menu
terça, 19 de fevereiro de 2019
Carnaval 2019 Corumbá _ Rei Momo
Andorinha Promoção 2019 - Mobile
Geral

Bolívia garante fornecer gás a MS: Acordo poderá ser firmado na próxima semana

06 dezembro 2018 - 08h47Portal do MS

A Bolívia sinalizou concretamente a possibilidade de fornecimento direto de gás natural a Mato Grosso do Sul e um acordo de importação pode ser fechado na próxima semana, em Santa Cruz de La Sierra, quando o Estado apresentará uma planilha de demandas para os próximos anos. A garantia foi dada pelo ministro de Hidrocarburos, Luiz Alberto Sánchez, em encontro nesta terça-feira (4.12) com o governador Reinaldo Azambuja.

Após a redução das importações pela Petrobras, há dois anos, o Governo do Estado busca uma saída para garantir a manutenção de um volume de importação que minimize os impactos com a queda do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O governador defende a importação conjunta do gás por distribuidoras regionais, dentre elas a MSGÁS, e tem cobrado do país vizinho a garantia de fornecimento do combustível para a termoelétrica de Ladário, em fase de instalação.

Reinaldo Azambuja destacou ainda a garantia do governo brasileiro de executar projetos estratégicos para a região de fronteira e na integração comercial latino-americana, citando a reconstrução da ferrovia que ligará Santos (SP) a Ilo, no Peru, passando pelo estado de Mato Grosso do Sul e a Bolívia. “São investimentos que ampliam as possibilidades comerciais e projetam novos empreendimentos e uma demanda crescente do consumo de gás natural”, pontuou.

Cenário de consumo

Durante reunião na Governadoria, com a presença do governador Reinaldo Azambuja, dos ministros Luiz Sánchez e João Carlos Parkinson (coordenador-geral de Assuntos Econômicos do Ministério das Relações Exteriores), secretários estaduais e representantes da MSGÁS e da estatal petrolífera YPFB (Bolívia), além de empresários, ficou definido que o encontro de Santa Cruz de La Sierra, nos dias 12 e 13 de dezembro, será fundamental para a formulação dos acordos comerciais.

Após as ponderações do governador de MS, pedindo à Bolívia uma definição em relação aos pleitos do Estado, o ministro boliviano afirmou que seu país tem interesse na comercialização do gás extracontrato da Petrobras e hoje tem produção suficiente para garantir esse fornecimento. Luiz Sánchez apenas solicitou que o Estado apresentasse uma projeção de demanda e sinalizou que a Bolívia quer formalizar o acordo ainda neste ano.

Presente à reunião, o diretor-presidente da MSGÁS, Rudel Trindade, adiantou que a companhia tem um levantamento da demanda, com base no consumo das termoelétricas de Ladário e Três Lagoas e de outros empreendimentos, estimado em cinco milhões de m³/dia. Somente a termoelétrica de Ladário tem previsão de consumo imediato de 1,3 milhão de m³/dia, com perspectiva de comprar 2,5 milhões de m³/dia em cinco anos para produzir 620 MW.

“O ministro Luiz Sánchez disse ao governador, inclusive, que se quisermos sair do contrato com a Petrobras, podemos fazer um acordo individual”, disse Rudel Trindade. “Isso é uma possibilidade, mas o importante é que a Bolívia nos disse com clareza seu interesse na venda desse gás, com o ministro pedindo que tudo aconteça ainda esse ano”, completou. O dirigente da MSGÁS informou que hoje a companhia compra 700 mil m³/dia de gás boliviano.

Ministro: maior acordo

O ministro boliviano demonstrou o grande interesse do seu país em fornecer o gás diretamente ao Estado e em conjunto com as companhias do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo – o grupo lançou um edital de Chamada Pública Coordenada, a fim de buscar um mercado mais competitivo e diversificado de fontes supridoras. “A Bolívia fará um dos maiores acordos comerciais com o Mato Grosso do Sul em todos os tempos”, disse Luiz Sánchez.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, acompanhou a região e disse que o avanço nas negociações com a Bolívia será fundamental para a recuperação das perdas na arrecadação de ICMS e para o desenvolvimento da região fronteiriça. Ele citou o forte incremento comercial com a importação de ureia, que deve atingir 400 mil toneladas em 2019, e a melhoria da parte logística, que hoje é um gargalo.

A reunião de Santa Cruz de La Sierra discutirá também novos contratos de importação de ureia e cloreto de potássio. Participaram do encontro na Governadoria: o secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel; secretário estadual de Infraestrutura, Helianey Silva; presidente da YPFB (Bolívia), Óscar Barriga; presidente da Copagaz Distribuidora de Gás, Caio Turqueto; diretor de novos negócios da GPE-Termo Fronteira, Valfredo Ribeiro; e representantes de empresas importadoras de ureia e cloreto de potássio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Posto Esdras
Bolivianos saem correndo e largam caminhonete 'recheada' de cocaína
Política
Prefeito recebe visita institucional da deputada Bia Cavassa
Alinhamento Político
Vereadores estreitam parceria com deputada com foco no desenvolvimento de Corumbá
Protesto
Servidores da UFMS querem reformas política, tributária, fiscal e do judiciário
Comércio varejista
Comércio varejista de MS tem 4º melhor desempenho do País em dezembro
Fogo
Bombeiros controlam incêndio em vegetação no Guarani
Ação preventiva
Seis foram presos em ação policial em Corumbá e Ladário
Sessão Solene
Abertura dos trabalhos da 3ª Sessão Legislativa será hoje à noite, na Câmara
Capacitação
Senai prorroga período de matrículas para cursos em Corumbá e Dourados
Rio Paraguai
Desbloqueio de rio pela PF resulta em confronto com manifestantes

Mais Lidas

Ação preventiva
Seis foram presos em ação policial em Corumbá e Ladário
Em Três Lagoas
PF estoura depósito e apreende quase uma tonelada de cocaína
Manifestação
Protesto de ribeirinhos ganha apoio da deputada federal Bia Cavassa
Alinhamento Político
Vereadores estreitam parceria com deputada com foco no desenvolvimento de Corumbá