Matrículas - Sesi

Agentes penitenciários cruzam os braços por reajuste salarial em todo Estado

Por Campo Grande News16 OUT 2017 - 10h36min

Agentes penitenciários de Mato Grosso do Sul cruzaram os braços nesta segunda-feira (16) para pedir reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Com a greve, todas as atividades nas unidades penais serão suspensas, incluindo banho de sol e visita aos presos.

O ato que marcou o início da greve na Capital foi “tímido” e contou com a participação de cerca de 15 agentes em frente ao Presídio de Segurança Máxima. A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) afirma que a paralisação das atividades é considerada ilegal e que cumprirá todos os procedimentos judiciais que forem determinados.

Conforme o presidente do sindicato dos agentes penitenciários, André Santiago, a previsão é de que a greve se estenda até domingo (22), entretanto, caso não tenha efeito o movimento pode não ter data para acabar.

“Também estarão suspensos o atendimento jurídico, os internos não poderão sair das celas para estudar ou trabalhar e os agentes não irão receber presos de delegacias apenas se forem de outros Estados”, detalha o sindicalista, afirmando que 90% de todas as atividades foram paralisadas. “Se não tem visita para que liberar os detentos? Para ter rebelião?”, alega Santiago.

A categoria pede um reajuste de 16%, que conforme o sindicalista é referente aos três últimos anos onde foi reposta apenas a inflação no salário do agente penitenciário. “O salário do agente penitenciário de MS é o mais baixo da segurança pública”, destaca Santiago, sobre o salário base de R$ 3,1 mil.

Além da reposição salarial, os agentes reivindicam mais segurança, a contratação dos 91 concursados remanescentes do concurso e reposicionamento dos servidores.

Santiago ainda lembra que desde o dia 9 deste mês os agentes do Estado respeitam o protocolo de segurança e cumprem o que determina a lei, que determina cinco presos por servidor, o que implicou na lentidão de alguns serviços.

Estado- Por meio de nota, a Agepen informou que todos os procedimentos de segurança nos presídios do Estado continuam em funcionamento normal, inclusive atendimentos oferecidos aos presos como banho de sol e alimentação, e demais setores como jurídico, psicossocial, de saúde e trabalho estão parcialmente funcionando.

A Agepen destaca que não haverá prejuízo na assistência aos presos e na segurança dos estabelecimentos penais. Além disso, está acompanhando todos os trabalhos desenvolvidos nos presídios e, conforme decisão judicial, a paralisação das atividades é considerada ilegal e a Agepen cumprirá todos os procedimentos judiciais que forem determinados.

 

Deixe seu comentário

Leia Também

Combate ao tráfico

Polícia Civil estoura ‘boca’ no Loteamento Pantanal

Procon

Empresas são autuadas por impedirem reserva de passagens interestaduais gratuitas

Emprego

Mercado de Trabalho de MS inicia recuperação e gera mais de 700 vagas em outubro

Educação

IFMS divulga gabarito do Exame de Seleção para os cursos técnicos

Brasil

Presídios terão banco de dados sobre situação de detentos

Concorrência

Ônibus vai operar de Corumbá para Capital com fretagem a R$ 140 ida e volta

Segurança

Receita doa câmeras ao Município e amplia videomonitoramento na fronteira